sábado, 11 de agosto de 2007

“eu vou curtir a night...”

Quem de vocês lembra de uma propagandinha antiga, mas não muito, da Coca-Cola Light, ali pelos idos de 2001? Tinha um povinho style, gente bonita, claro, e uma musiquinha cool cantada por uma mulherzinha, que era mais ou menos isso:

Eu vou curtir a night
Agitar, relaxar...
Eu vou de Cóóó-cáá-Có-lá-li-ght
Có-cá-Có-lá-li-ght

KKKKKKK, podre eu com essas musiquinhas na cabeça. Mas eu lembro até de jingle de candidato a vereador, não vou lembrar de jingle da Coca-Cola? Eu tenho meu pezinho na publicidade, é vero, sempre gostei de comerciais inteligentes, bonitos ou bem feitos. Nunca tive a chance de ver um sendo feito, mas tudo bem.

Mas então, o fato é que toda vez que eu vou pra night (e eu vou é pra night mesmo, não pra balada porque, sorry, acho “balada” péssimo), eu escuto essa musiquinha na minha cabeça enquanto me arrumo.

Bom, mas o negócio é que numa night dessas aconteceu algo tão surreal que eu tenho que eternizar aqui. Todo mundo sabe que essas coisas que só acontecem em novelas acontecem comigo, mas dessa vez foi ridículo.

Lá fomos eu e mais duas amigas pra uma noite daquelas, bagaça total garantida, prontos e sedentos pelo momento de chutar o balde...
...Chegamos no lugar, que não vem ao caso, já contando com a superlotação da casa. U-hu!, besitos garantidos a noite toda! Mas, mas, mas??? Necas de ninguém lá! Só uns dois gatos pingados e umas três gordas barangas jogando sinuca. “Ma-ma-ma-ma-ma Tu-tu, e agora?” Como assim?!

Não, o pior é a confiança dos três patetas. A gente tava mais cheio de nós do que as três gordas barangas da sinuca. Em vez de sair e caçar logo outro lugar, contamos com a ainda-por-vir-superlotação do local, claro, sempre instruídos por uma das minhas duas amigas que tinha, essa sim, bom motivo pra crer que aquela night ia ser das boas.

Devo pontuar que a música do lugar é ótima, é pra dançar até doer mesmo, mas com aquele lugar vazio daquele jeito, eu quase pedi pra botarem “Dirty Dancing” pra eu e a chegada baixarmos o ni-vél ali e dançarmos barangamente a noite inteira, já que tinha espaço sobrando e ninguém pra ver.

Bom, conclusão da podreira: Um de nós tem o santo muuuuuuito forte e conseguiu se dar muito bem; Os outros dois (eu, inclusive), quase dormiram, mesmo quando tocou Marilyn Manson. As luzes se acenderam, o som abaixou até desligar e, pela primeira vez na minha vida, eu abri e fechei um clube, e o que é pior, sem que mais ninguém fosse pra lá. Eu tentei, mas essa situação foi inenarrável! KKKKKKKK, ai, só comigo...


P.S.: Já sei, está se perguntando por que eu não catei nada, já que fui com duas amigas? Hehehe, já disse, uma tinha o santo forte e ele não ia deixar que ela ficasse comigo. E a outra tinha juízo, não bebeu o suficiente pra ficar comigo. E eu também não consigo misturar as coisas, amiga é amiga, mesmo quando toda a população restante na pista são três gordas barangas com o taco de sinuca numa mão e a garrafinha de cerveja vazia na outra. Eu hein, Deus preserve meu bom gosto!

P.S.2: Já vi um comercial bem feito sendo produzindo, sim. Foi durante meu um mês de estágio na produtora CaraDeCão Filmes, do ótimo Pepe Quintero. Viajei com uma galera boa de serviço pra filmar um comercial da Nissan, foi muito, muito bom!

P.S.3: Não entendeu o “Ma-ma-ma-ma-ma Tu-tu, e agora?”. Normal, acho que só os doidos andam me entendendo mesmo (hehehe). Essa era a pergunta que o Lingüiça (que era a cara do Salsicha) fazia pro Tutubarão dum desenho vééééio, mas óóóótimo que tinha quando eu ainda não era nascido :)

P.S.4: O lugar tava absolutamente vazio, enfim, porque tinha uma nova casa inaugurando em BH e nenhum dos três patetas achou que seria esse estardalhaço todo. Ok, that happens...

7 comentários:

Helena disse...

São coisas que só devem acontecer nessa roça grande mesmo...bjs

maíra disse...

best post ever!

Anônimo disse...

Amigo, ficou bom os links, mas o primeiro não funcionou. Dê uma olhada.

Anônimo disse...

Ai... ai, Humbert, querido! Essa deve ter sido Ó T E M A!! Sou capaz de apostar um dedo como se vc pedisse pra tocar Dirty Dancing, uma das três gordas barangas ia enlouquecer e cair de amores por ti, na hora. Imagino que um dos sonhos de consumo de toda gorda-baranga na boate é ser, nem que seja por um minutinho, a nariguda da Jennifer Grey e achar um cara fino como vc pra ser o Patrick Swayze da noite e tirá-la pra dançar. Afinal, como diria o próprio Patrick, na fatídica cena do bailinho: "Ninguém deixa a Baby no canto!" KKKKKKKKKKKKK
Beijo da Jana

Humberto disse...

Gata, é osso, mas com o meu nariz era mais provável que me confundissem com a Jennifer Grey, hehehe

xicoarantez disse...

QUERO SABER O NOME DO INFERNINHO...RSRSS

Humberto disse...

Once upon a time this used to be called "Up". Hoje em dia não sei como se chama mais...