sábado, 1 de setembro de 2007

back in 1984...


1984 é um ano importante na minha vida. Aliás, foi né?

Foi em 1984 que eu me dei por gente. De lá pra cá, lembro de quase tudo. Mesmo.

Em 1984 eu já acompanhava o noticiário de política (claro, entendia o que me era possível então).

Em 1984 eu já era responsável pelas minhas notas na escola e já participava das reuniões de pais e alunos, representando ao mesmo tempo os meus ocupados e o vagabinha deles.

Em 1984 eu gostava muito da Xuxa, muito. No "Clube da Criança" ainda. Podem falar, mas ainda gosto. De uma maneira diferente, é verdade.

Em 1984 eu ouvia Sempre Livre, aquela bandinha anos 80 total que cantava "Eu Sou Free". Também ouvia muito B52's, lembro do povo usando brilho no cabelo, totally new wave, hehehe.

Eu lembro da Miss Brasil 1984. Ela era uma paulista a cara da costureira aqui de casa (naquela época a gente tinha a costureira da casa) e eu fiquei revoltado porque a mineira perdeu (hehehe, ai, que dor, não tinha ninguém pra me mandar catar pedrinha não?).

Em 1984 eu ganhei o segundo disco do Balão Mágico, aquele que tinha "Se Namora" e, pior, aquela maldita música do "bigode de foca e do nariz de tamanduá" (eu já tinha o nariz de tamanduá, só não sabia que teria o bigode de foca...Mas, lembre-se, "se é amigo, não precisa mudar", KKKKKKK!!!). Aliás, em 1984 dava pra gostar da Simony. Aliás, em 1984 qualquer criança gostava da Simony.

Em 1984 ATARI era o que havia! Nossa, e como era!

Em 1984 eu já era chato e achava o Lionel Richie a coisa mais cafona do mundo (hoje em dia sabemos que a filha superou o pai, já que esse, bem ou mal, ao menos cantava, enquanto ela...ela... o que ela faz mesmo, please?).

Em 1984 um idiota me acordou bem na hora em que o Michael Jackson virava lobisomem na televisão. Eu devo ter sido a primeira criancinha no mundo que teve medo dele, hehehe.

Em 1984 eu nadei pela primeira vez.

Em 1984 a Luíza Brunet era muito gata.Provavelmente era um "broto" naquela época.

Em 1984 a Maitê Proença era muuuuuuuuuuuuuuuuito bonita! Eu lembro dela com o vestido vermelho em "Guerra dos Sexos" até hoje.

Em 1984 eu era aluno da Tia Heloína, que era super boazinha, mas não tinha a cara da Luíza Brunet nem da Xuxa e muito menos a da Maitê Proença de 1984.

Aliás, em 1984 a Tia Heloína me passou com 99 em "Comunicação e Expressão" (hihihi) porque, por hipercorreção, eu escrevi numa "composição" que o "o urso feliz caiu no BOraco", kkkkkkk! Ela já elogiava meus textos (que só pioraram de lá pra cá, como você pode ver).

Eu lembro bem das Olimpíadas de Los Angeles em 1984. Eu não tinha noção da Guerra Fria.

Em 1984 rolava "Viva a Noite" (Viva! Viva! Viva!, putz!, que tosqueira Jisuis!).

E em 1984 eu assistia muito desenho do Snoopy, que ilustra este post.

Na verdade, na verdade, eu resolvi escrever este texto canseirinha, repetindo 1984 o tempo todo porque em 1984 (ooops!de novo!), sem que eu sonhasse na época, veio ao mundo uma outra parte de mim que tinha ficado numa outra esfera da galáxia. No dia 01 de setembro daquele ano tão saudoso pra mim, Dona Danuza, que nem conhece a Dona Odith até hoje, deu à luz aquela que pra mim só pode ser uma irmã de longa data. O que mais poderia explicar tanta semelhança? Nunca, desde que terminei com Touch Jubelini, eu achei que pudesse haver alguém que me entendesse áté com um único suspiro meu.

Nunca imaginei alguém que tivesse lido a "Coleção da Inspetora", alguém que também detestasse teatro (não os textos teatrais) e musicais e amasse espetáculos de dança como eu... Alguém fun like me, hot like me, freak like me (kkkkkkkkkk!).

Em 1984, no meio daquela gente doooooooida que me cercava e muitas vezes me fazia sofrer, eu não sonhava que um dia poderia ser tão eu mesmo pra uma outra pessoa.

Talvez lá no fundo, de alguma maneira, naquele ano eu soubesse que você tinha vindo ao mundo, minha gata-garota. E deve ter sido isso que me deu alegria pra passar por todo tipo de tosqueira e te conhecer, vinte anos depois e num lugar bem tosco :)

Te amo, mulé. Neste seu níver, pra variar, eu desejo o presente é pra mim: eu peço a Deus que você nunca, nunca enjoe desse seu irmão intergaláctico na luz de tungstênio.

Todo sucesso do mundo pra nós dois!
(Já que o que o que eu desejo pra você você deseja pra mim também, hehehe).


BESOS FIÓTA!!!!!

Um comentário:

Maíra disse...

Amei, chorei, amei, ri!

te amo, menino!