domingo, 11 de novembro de 2007

o Humberto dá uma pausa

Queridos todo mundo. Eu tinha mil posts novos pra colocar aqui no blog esses dias. Para essa semana, tinha mesmo preparado uma seriezinha (não uma sirizinha), a primeira do "humberto explica", que ia falar das louras na TV e a vida da mulher brasileira. Ainda vou fazer tudo isso, vou escrever, vou viajar na minha maiozinha aqui. Mas não dá pra ser agora.

Este post aqui é pra avisar a todos que acompanham o blog, todos que são corajosos o suficiente para ler meus textos, todos os amigos, que "o humberto explica" vai fazer uma pausa até o fim do mês. Sim, fiótes, só em dezembro. Eu mesmo lamento (talvez só eu mesmo lamente), mas as coisas andam muito, muito puxadas pro meu lado, a barra tá muito pesada e mesmo com toda essa carcaça grossa que eu tenho, o jumentão aqui não tá dando conta fácil, não. Por isso vou precisar focar ainda mais na missão pra conseguir alguma coisa. E desse modo, pra tentar que minhas mínimas chances de conseguir completar a travessia do oceano com vida fiquem um pouquinho maiores, vou ficar distante do computador por esses próximos vinte dias.

"Mas, Humberto, e essa Alessandra Negrini aí em cima, me explica?". Claro que explico, não foi pra isso, afinal, que eu criei este blog, pra "explicar"?

Bom, em primeiro lugar, eu coloquei ela aí porque eu sou apaixonado por essa mulher há mais tempo do que eu posso revelar aqui (hehehe, entregar a idade jamais!). Mas na verdade, ela ia já ser tema de um post que vinha sendo adiado há meses. Em setembro a Alessandra deu uma entrevista na TPM, onde fez a seguinte declaração:

“Tenho uma solidão muito profunda, um lugar aonde ninguém chega”.

Fiquei tanto tempo martelando isso na minha cabeça. Não gosto de admitir essas coisas não, principalmente publicamente assim para meus dez leitores, mas pensei que o que ela disse é exatamente o que eu sinto.

Eu gosto de conviver com as pessoas, por mais que a maioria delas me dê uma preguiça descomunal. Eu gosto de ouvir as pessoas, eu gosto de ter amigos, gosto de sair, de dançar, gosto muuuuito de conhecer gente nova. Mas, sabe lá o bom Deus porquê, eu sinto que ninguém consegue ter uma idéia do que é ser o "Humberto". Na verdade, acho que ninguém sabe o que é ser o outro. Enfim, às vezes me bate essas consciência de que não importa o que haja, eu vou ter sempre que contar...comigo. E, acreditem, isso não é fácil.

Contar comigo não é fácil porque eu sou muito auto-crítico, de doer. E também não desisto das coisas. Continuo feito um trouxa achando que elas podem acontecer, sim, que ainda vale insistir naquele maledito desejo que cresceu lá num passado arcaico, naquela certeza idiota de que esse objeto quase extinto de comunicação chamado revista ainda fará parte da minha vida.

Já perdi o rumo da viagem. Já perdi o rumo. Totalmente. Anyways.

Sigo nadando. Cruzando o mar de água salgada com as mãos furadas de tanto dar murro em ponta de faca. Mas sigo nadando. Sozinho, como não poderia deixar de ser. Torcendo, pedindo a Deus pra não morrer na praia. Na verdade com medo de chegar vivo, mas em outra praia. O desconhecido é foda. Eu me viro bem, mas uma vez na vida eu queria que as coisas fossem mais tranqüilas.

Enfim, todos, amigos e leitores todos: "o humberto explica" volta ali no finalzinho de novembro, começo de dezembro. Não me abandonem, não, please. Porque no fundo, no fundo, essa solidão toda que eu sinto às vezes, lá no fundo no fundo, é puro medo de ver ir embora, pela enésima vez, as pessoas que eu amo. (Sim, até o Humberto tem medo).

Beijos pra todos, até breve.
P.S. (porque tem que ter P.S.): Aproveitem a pausa para reler os posts antigos. Alguns até que valem. Beijos.

2 comentários:

Caroline disse...

Amigo,

Já desistir de tentar entender o ser humano, mas vamos continuar lutando, pois o começo de uma vida nova está próximo.

Boa sorte.

Polly disse...

"Ninguém sabe o que é ser o outro" justamente porque raramente alguém sabe o que é ser ele mesmo, com suas dores e delícias...

Aliás, acho esta profunda solidão interna um espaço necessário para que a gente se encontre de fato, antes que as pessoas encontrem alguém (que é a gente) que não sabe quem é.

Beijos....bem vindo a construção do novo Humbert!!!!!