segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

Bebê Johnsons

SMILE

Not too far from our gray cities,
There are skies so clear and blue,
There are beaches, there are valleys,
Where the sweet sun shines on you.

So, count your garden by the flowers,
Never by the leaves that fall;
Count your days by golden hours
Don't remember clouds at all.

Count your night by the stars, not shadows,
Count your life with smiles, not tears,
And with joy through all your lifetime
Count your age by friends, not years.

Segundo minha tia, a criatura era mais ou menos assim, como o baby aí no topo, quando veio ao mundo, já numa nite de sexta-feira. Ela repete isso sempre, coitada, acho que de tão chocada com o que o bebê loirinho ("filho de rico") se tornou :)

Na época da Tom, o unique Marlão chegou à conclusão de que quando eu nasci o médico não conseguia me fazer chorar só com o tapinha na buzanfinha branca; Daí, segundo a teoria de Mr. Marlon Brandão, o obstetra pensou rápido, pegou a Nova da enfermeira que tava por ali e, bang!, bateu com a revista nas minhas saudosas polpinhas de neném (quando eu, finalmente, abri o bué e mostrei a que vim).

Hehehe... Se foi mesmo assim, o médico que teve a honra (ou a insanidade) de puxar ao mundo este blogueiro usou a "singela" edição aí abaixo:
s

Já falei demais. Bons 25 pra todo mundo. And thanks, anyways.
f


P.S.: O simpático textinho acima, lição pros meus alunos do básico, é (ou ao menos está no livro) de Amadeu Marques.

Um comentário:

Humbert, cada vez mais Humbert disse...

TOTAL baby Johnsons.