segunda-feira, 30 de junho de 2008

leave Amy alone

Eu tinha escrito este post semana passada, mas não tive tempo de publicar. Basicamente, eu estava tentando lançar a primeira campanha oficial do blog, a "Leave Amy Alone". Dá uma olhada aí no que eu escrevi sábado retrasado e depois volte pro dia de hoje.

Em 22 de junho de 2008, Humbert wrote:

Campanha oficial do blog. Galera, deixa a Amy em paz.

Essa midiazinha que fica só falando das internações dela e tal, ow, ela não é Britney Spears, não, a Amy canta. Então, se ela tá indo pro saco, deixa ela ir. Pelo menos daqui a 50 anos neguim vai ouvir as músicas dela e pensar “porra, tão boa, morreu tão jovem”. Parece até que nunca houve nenhum artista espetacular e deprimido na história da música ou da literatura ou do whatever.

O máximo que pode acontecer com a Amy (aliás, literalmente seria “o máximo!”) é ela se recuperar e gravar mais músicas ótimas.

Então, ó, vamos deixar a mulher sossegada. Se ela quiser beber até cair, deixa. Porque alguém que faz algo como o “Back to black” pode beber até cair roxa.

E tenho dito.


DE VOLTA PRA HOJE:

E o povo não dá sossego pra Amy. Agora foram uns idiotas que puxaram o bendito cabelão (há que diga que pegaram no peito) da mulher durante um show, quando ela retornava triunfal como sempre aos palcos. E ela, honrando o fã que aqui tem, meteu um soco na cara da criatura, KKKKKKK! Convenhamos duas coisas: Puxar um fio de cabelo que seja dela já deve ser o suficiente pra desmoronar a mulher; e, pelo mesmo motivo, o soco dela deve ser mais fraco que um murrinho de lango-lango.

Por outro lado, resolveram fazer uma estátua de cera pra ela no Museu Madame Tussaud. Minha sabida assistente, Luiza, já disse que será a Amy Waxhouse. :)

Enfim, não pense em Amy apenas como "a cantora polêmica" que os jornais adoram ilustrar. Porque "polêmica" são as Britneys da vida, que não são cantoras. A Amy canta. Canta de verdade. E eu espero que ela dê um jeito de gravar logo um outro álbum porque eu, bom, eu adooooooooooooooro as músicas dessa mulher.

Se você só ouviu "Rehab" até hoje (será possível), experimente ouvi-la cantando "Tears dry on their own" ou "You know I'm no good", ao vivo pra variar (se preferir, ouça a mesma música em versão quase capela). Eu estou com essas duas na cabeça ultimamente. Eu adoro, não tem mais o que dizer.

Amy, gata, tô contigo e não abro! Se precisar, chama que eu soco quem for.

Besos everyone.


P.S.: Me dei conta de que tô com essas músicas na cabeça há muito mais tempo. Pelo menos há mais de um ano.
P.S.2: A diferença entre "celebridade" musical que vive só de fazer bagaça e gravar música com voz de robozinho pedindo "more" e ser uma estrela com conteúdo e uma vida um tanto dramática. Dá uma olhada nesses exemplos, retirados de reportagem de Juliana Colares:

"A vida pessoal foi mal, já a carreira...Tina Turner sofreu o ´pão que o diabo amassou´ nas mãos do ex-marido, Ike Turner, ironicamente o maior responsável por transformá-la em estrela nos anos 50. Em autobiografia, a cantora, que começou a dividir o palco com o guitarrista (dependente químico), revelou que apanhou e foi traída.

Janis Joplin foi considerada a principal cantora branca de blues dos anos 60 e típico exemplo de platonismo. Suas composições transpareciam seus problemas com homens, complexos existenciais e com a própria imagem. Aos 27 anos, a americana morreu precocemente vítima de overdose.

Edith Piaf, conhecida como o Rouxinol da França, teve uma infância pobre, parte dela vivida em prostíbulos, tendo ficado ainda cega por um período. O vício na morfina e o excesso de álcool formaram uma combinação perigosa que pôs fim à elogiada carreira da cantora, falecida aos 47 anos de idade.

A vida de Billie Holiday já foi tema de livros, documentários e filmes. Pudera! Antes de se tornar referência do jazz e blues, a diva passou por episódios dramáticos que a jogaram no mundo das drogas, da prostituição, do álcool, das prisões, agravados por desastrosos relacionamentos amorosos. Morreu num leito vigiada por policiais.

Maysa é uma das artistas brasileiras que mais sofreu por amor. Tudo começou com o fim do casamento, que a levou à depressão. O ex-marido conservador era contra sua carreira artística. Depois, a paulista passou a ter problemas com a bebida e a se envolver em casos amorosos explorados pela mídia."

P.S.3: Só pra fechar, preciso dizer: Também adoooooooro a Tina Turner! :)

2 comentários:

minidani disse...

nossa...disse tudo o que eu tava pensando...
crtl+c crtl+v no meu blogger...
to brincando
arrasou...tenho escutado essa voz maravilhosa sempre também..
que seja, ela é foda, por simplesmente ela!

Humberto disse...

Eu aaaaaaaaaaaaaaaaamo a Amy. Doido por doido, quem não é? Pelo menos ela é uma doida que canta! :)