terça-feira, 26 de agosto de 2008

O brilho da discrição

Eu fiz um post há pouco tempo falando da bizarrice que é isso de hoje em dia uma pessoa que aparece pelo simples fato de aparecer ter mais valor que alguém discreto que realmente tenha talento e ponha a mão na massa.

Daí que a Seleção Feminina de Vôlei, que eu adoro há anos, finalmente levou a medalha de ouro em uma olimpíada (ôh, como eu gostava da Márcia Fu, ela deve ter ficado feliz). Enfim, daí o técnico José Roberto Guimarães, super na dele, conseguiu dar a primeira medalha de ouro para as brasileiras do vôlei, assim como fez com os rapazes, em 1992, em Barcelona. Tudo isso sem ficar berrando na cabeça das meninas feito um cavalo, sem discursinhos de auto-ajuda, sem momentos Galisteu. Ah, sim, e sem tirar ninguém do time pra escalar alguma filha sua.

Parabéns Zé Roberto! Parabéns mulheres do vôlei brasileiro! E parabéns especial pra Mari (que eu acho a cara da Carol Trentini) – Porque realmente é muito bom calar a boca de gente tosca.

Besos everyone.


3 comentários:

Helena disse...

Tb acho esse cara muito foda.
bjs

Sarah disse...

Gente que faz e com classe, né bem?

Humbert disse...

Espetáculo mesmo. "Ni-vél" é outra coisa. O Zé Roberto pediu pra não se criar um clima de euforia e a Mari pediu desculpas por ter feito o gesto de "cala a boca", mesmo tendo todo o direito de tê-lo feito.

A única pergunta que fica é: Terão Bernardete e G(b)iba resgados seus respectivos feófis com a unha de "óidio"? :P