sexta-feira, 22 de agosto de 2008

poder até não poder mais

A vida às vezes arruma umas surpresas tão boas que a gente acaba até agradecendo sem ver.

Ontem, enquanto esperava um amigo no TuBH Shopping, parei diante de uma vitrine. De repente, olhei pra dentro da loja e uma doida de uma vendedora apontava pra mim frenética, rindo de um canto ao outro da cara muito bonita, com os olhões arregalados, sorrindo pra mim e puxando a blusa.

Lesado que só eu, eu só conseguia me perguntar “Jesus, o que tem de errado na minha cara?”. E aí, num momento quase de epifania, eu olhei bem praquela boca, aquele sorriso absolutamente único no mundo: ERA A PODER!!!

Ela mesma, Poder, “a poderosa da Federal”, Rizia Quaresma, amiga, mas amiga no sentido mais sincero da palavra, das minhas épocas de Estadual Central. A blusa que ela puxava era o crachá que ela tentava me mostrar, como se EU, justo EU, não fosse lembrar dela.

Tão bom receber abraços sinceros como o que ela me deu (abraço reciprocamente sincero, aliás). E mesmo depois de aaaaaaaaanos, lá veio a Rizia me enchendo a bola, como sempre. Eu quase acreditei no tamanho do meu talento. :P

Não pude perguntar muito sobre tudo porque ela estava trabalhando, mas o contato foi feito. E só Deus sabe o quanto eu saí dali feliz por ter reencontrado Rizia Poder, o ícone. :)


P.S.: E não é que eu achei ainda outra sumida logo depois, no mesmo shopping? Reencontrei dona Patrícia, a verdadeira Paty, terror da Faculdade de Letras, motivo de revolta de todas as baranguinhas do local. Dez anos depois, a mesma cara, a mesma luz, a mesma incógnita, o mesmo jeitinho de Malu Mader fazendo papel de vilã. Hehehe, Dona Patrícia!...

2 comentários:

Sarah disse...

Sorriso piu bello este da foto.

Humberto disse...

Não tão lindo quanto o da Rízia, mas na falta de uma foto dela, vai a da moça anônima aí mesmo (que é piu bello mesmo).