sexta-feira, 12 de setembro de 2008

viva Rakelli!

Hoje acaba “Beleza Pura”, novelinha simpática das sete horas, ideal pra quem se entregou ao sistema e quer simplesmente chegar em casa e ver bobagem (mesmo que, como no meu caso, tenha que fazer mil coisas logo que o capítulo termina).

“Beleza Pura” é simplezinha, todos os personagens são bacaninhas e tal, até os “vilões” são gente boa. Mas, nem precisava eu dizer porque até quem não vê a novela sabe, o brilho da trama ficou todo por conta da Rakelli, a personagem gata e birutinha da Silva interpretada pela ótima Ísis Valverde.

Dá até dó pensar que vou chegar em casa e não vai ter mais as pérolas da Rakelli pra aliviar as tensões (pelo contrário, agora vai ter a mala da Carolina DICKmann com aquele cabelo de Galisteu – sinal de Deus pra eu desligar a televisão e estudar).

A Rakelli, com seu carisma, sua confusão mental, suas unhas pintadas de azul e sua batalha pra ser “coleguinha” do “Caldeirão do Huck” (que deveria agradecer à autora e a Ísis o merchan) e até com sua musiquinha bacana, é mais um caso dessas atrizes que entram quase como coadjuvantes, roubam a cena da mocinha e do elenco inteiro e entram pra galeria de tipos tão legais que você acaba se tornando íntimo. É coisa de brilho mesmo, nem o Humberto explica.

Só posso desejar sucesso pra Ísis Valverde. E personagens diferentes, pra ela não ficar feito um monte de ator que passa a vida fazendo o mesmo papel.
:)

Inspirado na “Kellinha”, lembrei de outras estrelas que começaram com pouco espaço numa novela e acabaram caindo no gosto popular e roubando a cena total. Coisa das antigas, mas dá uma olhada:
sss
TINA PEPPER: “Linda, como assim linda, Humberto?” OK, o linda aqui nem cabe muito, mas não havia nada melhor que Albertina Pimenta, a Tina Pepper, vivida pela Regina Casé em “Cambalacho” (1986). Eu não lembro nem quem era a protagonista, pra se ter uma idéia. Lembro é que o carisma de Tina era tanto e que a apresentação dela no programa do Chacrinha foi tão inesquecível que, no final, a personagem pegou ninguém menos que o Paulo Cérsar Grande dos anos 80.

TANCINHA: Esse é um caso exemplar de mocinha que roda na mão da coadjuvante. Maitê Proença não deve perdoar Cláudia Raia até hoje pelo estouro que foi a Tancinha em “Sassaricando” (1987). Eu ainda canto de vez em quando “me vai um talll de ti-ti-ti, ti-ti-ti, ti-ti-ti, todo mundo me vai falar, ti-ti-ti...” do jeito que a moça que falava tudo errado cantava. Eu não conseguiria definir a Constância. Tem muita gente que não gosta da Cláudia Raia e tal, mas o talento da mulher, sobretudo como comediante, é inegável.

IMACULADA: A pombinha revoltada de “Tieta” (1989) era um verdadeiro espetáculo de interpretação da (sumida) atriz Luciana Braga. Não dá pra dizer que ela roubou a cena da protagonista, vivida pela Beth Faria, (e muito menos a cena da melhor vilã de todos os tempos, Perpétua, vivida pela Joana Fonn), mas seguramente Imaculada procurando seu “prííííncipiii” era uma das personagens mais queridas e com maior torcida na trama.

NICINHA: “Eu quero ser é a amante, a outra, a sua mulher que lave as suas cuecas”. KKKKKKKKKKK! As pérolas que a Nicinha soltava depois que foi trocada pelo noivo de anos eram as melhores. O Brasil conheceu Marisa Orth em “Rainha da sucata” (1990) e se apaixonou de cara (essa frase ficou igualzinho coisa do “EGO”). Mesmo com a Laurinha Figueroa de uma Glória Menezes que dá saudade, a Nicinha era o destaque.

YASMIN: Esse é um caso até triste. Porque o carisma e a beleza da personagem saíram de cena quando sua igualmente bela e carismática intérprete, a atriz Daniela Perez, foi assassinada (e pelo seu par romântico na trama). Daniela estava no auge, e sua Yasmin tinha roubado toda a cena da protagonista de “De corpo e alma” (1992), Cristiana Oliveira. Bem triste mesmo.

BABALU – Ninguém dava nada pela ex-paquita Letícia Spiller, mas não teve pra mais ninguém em “Quatro por quatro” (1994) – cuja protagonista, de novo, era Cristiana Oliveira, coitada. A loura do Raí foi capa de toooooooooodas as revistas. Espetáculo.

JACKIE JOY: Eu já devo ter falado da Jackie Joy (Juliana Paes) aqui. Porque eu adoraaaaaaava a gata-garota Jackie Joy, extremamente engraçada e gente boa em “Celebridade” (2004). A cena em que ela se passava pela amante de um empresário (dono da casa onde ela foi fazer faxina) para ficar famosa é clássica pra mim, ri demais. Até tinha a Laura Cachorrona (Cláudia Abreu), mas a Jackie Joy era top de linha. Brilhou muuuuuuito mais que a Malu Mader, protagonista (com o mesmo cabelo e a mesma cara desde que eu me entendo por gente).

BEBEL: E dava pra fazer uma lista dessas sem incluir a Bebel (“Paraíso Tropical”, 2007)? Já falei muito dela no blog e é um caso muito recente, então todo mundo aqui lembra da “catiguria” da interpretação de Camila Pitanga. Não teve pra pobre (e gostosa) da Alessandra Negrini nem com ela interpretando protagonista e antagonista na mesma novela.

Agora sim, tal como “Beleza Pura”, acabou o post. Bom final de semana pra todos! :)
hh


P.S.: Ísis roubou a cena, mas cabe dizer que a Regiane Alves, a protagonista de “Beleza Pura” também é uma gata e também é boa de serviço. Mas infelizmente, Kellinha foi Kellinha.
P.S.2: Nem deve dar pra eu assistir o capítulo final, devo ver no Youtobe. De todo modo, Carol, grava pra mim! :P
P.S.3: Preciso dizer que a Rakelli me lembra muito uma Michelle, que eu conheci nos anos 90. A alegria, o carisma, um certo olhar vago, o bom coração – e se não era pra ser dançarina do Luciano Huck, a vontade de ser paquita era muito parecida com a da personagem. Saudade da Michelle. Saudadezinha daquele tempo.
P.S.4: Fiquei com dó da Cristiana Oliveira... Pra não dizer que ela não tem seu lugarzinho na lista, não custa dizer que sua personagem não roubou a cena em uma novela, mas roubou nada menos que a audiência da Globo numa época em que ninguém sonhava que isso pudesse acontecer. Quem quiser ver como, basta assistir à (picotada) reapresentação de “Pantanal” (1990) no SBT.


Chega, né?
Besos!

8 comentários:

Caroline disse...

Bom final de semana tb amigo.
Não viajo mais para São Paulo, pois o bicho tá pegando. Depois te conto.

Abs.

Janaína disse...

Ah, Humberto! Caindo total no clichê.. "recordar é viver" mesmo, né!? Que delícia essa rertrospectiva das personagens que se destacaram nas novelas...
Descobri que tô mesmo ficando velha, menino... me lembro de cada uma delas com detalhes, acredita?!
Affffff... abafa o caso... rs
Beijo, querido!

Anônimo disse...

Gato, esquenta não!
Era mesmo só o poema....tô de boa demais.
Bom final de semana pra você, te cuida.

Beijos

Sarah disse...

Engraçado que quando a Ísis surgiu como Ana do véu achei ela tão sem graçola. Não assito a novela mas claro que já vi alguns pedaços e realmente ela foi um destaque: super bonita , trabalha bem e é engraçada mesmo.Uma vez vi uma entrevista com a atriz e a achei gente fina.

Quanto ao cabelo da C. Dickmann, putz, num precisava aquilo né? sacanagem com a menina, principalmente pra quem já teve aquele cabelo perfeito da Leona.

Quanto a retrospctiva, muito bom!
1) Tina Pepper: " Vc me incendeia, seu corpo serpenteia, e me deixa lou lou louca, com água na boca" kkkkkkk. Amo a Casé.

2) Tancinha: " Má nom me enche os pacová"

3)Rolinha: uma vez ela fez um discursinho de rolar de rir, xingando o velho com palavras de cada letra do alfabeto. ( OBS: "Ne" de nojento..srsr)

Quanto à Rainha a Sucata, Laurinha Figueroa apavorou, ela era um nojoooo. Adorava aquela mansão dela, por fora e o gatérrimo do Maurício Mattar ( mó visú).

A Yasmin, putz, lembro até hj da minha vó assistindo a novela e ela via as cenas dela com o G. de Pádua e falava: "Vcs já repararam nesse moço? O jeito que ele fala com essa atriz quando briga com ela? Ele fala como se fosse de verdade, ele parece odiar ela". Vovó sabe tudo...

Num assiti Pantanal, mas num tem um que num fala q a novela foi ótemaaa.

"ideal pra quem se entregou ao sistema" kkkkkk, ótimo!

Sarah disse...

ah....concordo em número, g~enero e grau: Perpétua, melhor vilã de todos os tempos.

Humberto disse...

"A" de Arturzinho, "B" de bode veçho, "C" ("quê") de capeta, KKKKKK!!! Juro que eu ia citar justamente essa passagem, que foi quando ela declamou o abeced´´ario pra ele. Espetáculo de atuação e de crítica a esses coronéis nojentos que ainda devem existir aos montes por aí.

Adorei os comentários, pra variar. Agora, Sarah, não fica divulgando isso de o Maurício Mattar bonito porque soa tao velho quanto falar da época que o Sidney Magal era sexy (KKKKKKKK, tô zoando!).

Bjos pra todas!

Sarah disse...

ahahaha Humberto, fala sério, até hj ele é um gatérrimooo ( q sorriso!!). Ele é meio bestola mas bonito toda vida, principalmente na Sucata rsrssr.

Humberto disse...

Hehehe, hoje ele É a sucata, KKKKK! Tô zoando, Sarah.

Bjos.