segunda-feira, 30 de junho de 2008

leave Amy alone

Eu tinha escrito este post semana passada, mas não tive tempo de publicar. Basicamente, eu estava tentando lançar a primeira campanha oficial do blog, a "Leave Amy Alone". Dá uma olhada aí no que eu escrevi sábado retrasado e depois volte pro dia de hoje.

Em 22 de junho de 2008, Humbert wrote:

Campanha oficial do blog. Galera, deixa a Amy em paz.

Essa midiazinha que fica só falando das internações dela e tal, ow, ela não é Britney Spears, não, a Amy canta. Então, se ela tá indo pro saco, deixa ela ir. Pelo menos daqui a 50 anos neguim vai ouvir as músicas dela e pensar “porra, tão boa, morreu tão jovem”. Parece até que nunca houve nenhum artista espetacular e deprimido na história da música ou da literatura ou do whatever.

O máximo que pode acontecer com a Amy (aliás, literalmente seria “o máximo!”) é ela se recuperar e gravar mais músicas ótimas.

Então, ó, vamos deixar a mulher sossegada. Se ela quiser beber até cair, deixa. Porque alguém que faz algo como o “Back to black” pode beber até cair roxa.

E tenho dito.


DE VOLTA PRA HOJE:

E o povo não dá sossego pra Amy. Agora foram uns idiotas que puxaram o bendito cabelão (há que diga que pegaram no peito) da mulher durante um show, quando ela retornava triunfal como sempre aos palcos. E ela, honrando o fã que aqui tem, meteu um soco na cara da criatura, KKKKKKK! Convenhamos duas coisas: Puxar um fio de cabelo que seja dela já deve ser o suficiente pra desmoronar a mulher; e, pelo mesmo motivo, o soco dela deve ser mais fraco que um murrinho de lango-lango.

Por outro lado, resolveram fazer uma estátua de cera pra ela no Museu Madame Tussaud. Minha sabida assistente, Luiza, já disse que será a Amy Waxhouse. :)

Enfim, não pense em Amy apenas como "a cantora polêmica" que os jornais adoram ilustrar. Porque "polêmica" são as Britneys da vida, que não são cantoras. A Amy canta. Canta de verdade. E eu espero que ela dê um jeito de gravar logo um outro álbum porque eu, bom, eu adooooooooooooooro as músicas dessa mulher.

Se você só ouviu "Rehab" até hoje (será possível), experimente ouvi-la cantando "Tears dry on their own" ou "You know I'm no good", ao vivo pra variar (se preferir, ouça a mesma música em versão quase capela). Eu estou com essas duas na cabeça ultimamente. Eu adoro, não tem mais o que dizer.

Amy, gata, tô contigo e não abro! Se precisar, chama que eu soco quem for.

Besos everyone.


P.S.: Me dei conta de que tô com essas músicas na cabeça há muito mais tempo. Pelo menos há mais de um ano.
P.S.2: A diferença entre "celebridade" musical que vive só de fazer bagaça e gravar música com voz de robozinho pedindo "more" e ser uma estrela com conteúdo e uma vida um tanto dramática. Dá uma olhada nesses exemplos, retirados de reportagem de Juliana Colares:

"A vida pessoal foi mal, já a carreira...Tina Turner sofreu o ´pão que o diabo amassou´ nas mãos do ex-marido, Ike Turner, ironicamente o maior responsável por transformá-la em estrela nos anos 50. Em autobiografia, a cantora, que começou a dividir o palco com o guitarrista (dependente químico), revelou que apanhou e foi traída.

Janis Joplin foi considerada a principal cantora branca de blues dos anos 60 e típico exemplo de platonismo. Suas composições transpareciam seus problemas com homens, complexos existenciais e com a própria imagem. Aos 27 anos, a americana morreu precocemente vítima de overdose.

Edith Piaf, conhecida como o Rouxinol da França, teve uma infância pobre, parte dela vivida em prostíbulos, tendo ficado ainda cega por um período. O vício na morfina e o excesso de álcool formaram uma combinação perigosa que pôs fim à elogiada carreira da cantora, falecida aos 47 anos de idade.

A vida de Billie Holiday já foi tema de livros, documentários e filmes. Pudera! Antes de se tornar referência do jazz e blues, a diva passou por episódios dramáticos que a jogaram no mundo das drogas, da prostituição, do álcool, das prisões, agravados por desastrosos relacionamentos amorosos. Morreu num leito vigiada por policiais.

Maysa é uma das artistas brasileiras que mais sofreu por amor. Tudo começou com o fim do casamento, que a levou à depressão. O ex-marido conservador era contra sua carreira artística. Depois, a paulista passou a ter problemas com a bebida e a se envolver em casos amorosos explorados pela mídia."

P.S.3: Só pra fechar, preciso dizer: Também adoooooooro a Tina Turner! :)

final dos tempos

Alô você, leitora acostumada a recorrer ao Humbert, de grêitz, toda vez que precisa de help.

Alô você, que liga pro Humbert pra decidir roupa, pra falar mal do namorado, pra pedir orientação profissional, pra pedir oração, pra chamar pra night pra poder sair com um gato alto e moreno, que liga pra chorar, pra rir.

Ei, você aí:

Pode dar graças a Deus por ter um amigo tão style e que é seu amigo porque gosta de verdade de você!!!

Sim, porque olha só o que algumas "mocinhas" andam precisando fazer no Rio: Nada menos que contratar os serviços de um personal friend! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!!!


Não deixem de ler a matéria! Não deixem de ler os coments na matéria! E, mais importante, não deixem de acessar o "site" do prestador do serviço em questão!!! Sim-ples-men-te hilááááário!

Agora vai lá, reza bonitinho e pede a Deus pra dar saúde, grana e ainda mais beleza pro Humbertão porque não é todo dia que aparece um amigo tão nice e modesto como esse, não! :P

BESOS!

vai um cufi aí?

Lembram da dieta da naba, receita aqui do Humbertão? Pois não é que hoje eu descobri que você, cara leitora, também pode tomar toko quando quiser? Sim, agora para acompanhar as nabas do dia-a-dia você pode se fartar de toko. Não é uma beleza?!

Parece piada tosca deste que escreve, mas é a mais pura vera. Alguém realmente deu ao café que produz o singelo nome de "Toko". E não satisfeito com o toko (hummmm...), ainda criou o seguinte slogan para a marca:

"Toko. Mais prazer em sua vida."

Se isso não é um trocadalho do carilho eu não sei o que mais pode ser.

Então, mulherada, agora vocês já sabem: Se for me ligar pra falar que tomou outro toco, sejam mais específicas. :P

Cada uma que me aparece.

domingo, 29 de junho de 2008

amigo homem

Vocês viram a história da ursinha na Índia, que tinha tudo pra ser uma história feliz, mas os idiotas locais transformaram numa história triste? Se não, dêem uma olhada (detalhe, a julgar pela descrição da ursa no título da matéria, ela podia chamar ser Raquel, hehehe.). E depois ainda usam "amigo urso" como adjetivo pejorativo.

Enfim, resolvi postar só pra lembrar que é bom a gente tentar ser positivo, ser forte, encarar as coisas. Na verdade, quero sugerir é que a gente não transforme em dificuldade tudo o que pode ser bom. Chega de fazer merda da nossa vida, né?

Também postei essa história só pela cara de feliz da ursinha, que pra mim é a melhor (melhor até que a cara do dono dela, levando uma carcada na bicicleta).

Juízo, povo, boa semana pra everyone, boa vida pra everyone.


P.S.: Tenho que agradecer a presença de todos vocês. Mesmo tendo passado uns dias sem escrever nada, porque estava realmente muito ocupado, essa semana o blog bateu recorde de acesso diário e de acesso mensal. Vocês são foda! Thanks a lot! :)

tic-tac-tic-tac...

Dica de filme desta semana: "Onde os fracos não têm vez".

O nome pode servir pra quem assiste também. Se você for do tipo muito fresco, pode não dar conta. Porque esse não é nada levinho como os últimos que eu andei indicando, não. Esse é dureza. E é muuuito bom!

Eu sugiro, pra melhorar ainda mais o efeito do filme, que você assista como eu fiz (sem saber, é claro): sozinho e no escuro, sob silêncio total. Porque o silêncio tem papel fundamental nessa obra.

Não vou falar mais nada pra não estragar. Só tenho que dizer que o Javier Bardem domina o filme. O cara é o cara demais.

Enfim, assistam. Depois me contem como (e onde) ficou o coraçãozinho, hehehehe.

TuBHquenga

Uma pesquisa realizada no Rio e em TuBHcanga, patrocinada pela fábrica do remedinho azul, revelou que os homens mineiros transam mais que os cariocas. (KKKKKKKK, ai, avalio bem minhas leitoras locais lendo isso!).

Olha, sinceramente, vale dar uma olhadinha na pesquisa (ou nesse resumo). Tem alguns dados bem engraçadinhos. Da minha parte, eu só lamento pelos cariocas, porque se estiverem transando menos lá que aqui, ih fudeu! (aliás, não fudeu). E lamento mais ainda pelas cariocas, porque, novamente, considerando os relatos femininos ouvidos por este que agora escreve, putz, a coisa lá deve estar feia!

Bom, pelo menos o ego dos tuBHquengos fica nas alturas por um tempinho. :P

SPFW 2008: modelos V

Vira e mexe eu faço algum post sobre as diferentes belezas e tal, o sucesso da miscigenação de raças no Brasil e blábláblá. Alguns posts eu até vetei (quase) por conta própria, pra não ser mal interpretado.

Também falo direto da estranheza que me causa a ausência geral de negras nas capas das revistas femininas do Brasil, o mesmo da mistura de raças.

Anyways, fiquei sabendo que a edição de julho da Vogue italiana vai vir com capa e editoriais estrelados apenas por modelos negras. A editora da revista, Franca Sozzani, resolveu comprar a briga (sobretudo com os anunciantes) e fazer uma crítica escancarada contra o racismo no mundo da moda.

Não fosse a iniciativa por si só linda o suficiente, o título de um dos editoriais é de um primor fenomenal: “Beautiful is beautiful”. Não é um espetáculo? Porque não é aquela coisa do “Negro é lindo”, é “Lindo é lindo” e pronto. Não torna o negro uma coisa à parte, cuja beleza precisa ficar sendo lembrada, é a beleza negra, simplesmente.

Eu adoreeeeeeeeeeei e quero essa revista pra ontem! Quem quiser me dar de presente, fica à vontade! :P

Eu não moro na Itália, nunca estive lá, mas pelo que li, a revista vai causar muita polêmica. É de lascar.

Revistas brasileiras, pela enésima vez eu peço (tipo que tem mil editoras lendo este post, né?, claro): Permitam que vossas ilustríssimas capas e editoriais sejam estrelados por mulheres negras, índias, orientais, whomever.

Enfim. Vejamos os próximos capítulos. As próximas capas.


P.S.: "Humberto, o que isso tem a ver com o SPFW?" Bom, quantas modelos negras vocês viram desfilando? Hum?
P.S.2: Não querendo ser bairrista, mas sendo, e não querendo pedir demais: Negras brasileiras na capa, por favor. Porque passar 35 anos sem colocar nenhuma e começar pela Beyoncé seria de se cortar os pulsos. “To the left, to the left”!
P.S.3: Pra quem não conhece (how come?!), na foto acima, o ícone Iman Bowie.

sábado, 28 de junho de 2008

SPFW 2008: modelos IV

"Luíza Brunet retorna triunfal às passarelas!"
"Em excelente boa forma, Luíza Brunet está melhor que as jovens modelos!"
"Luíza Brunet irradia juventude!"
"Aos 45 anos, Luíza Brunet está incrííííííívelmente em forma!!!!!"


Hum... Tá. Então tá bom. Vamos todos concordar com a mídia de moda, que deve ter bocejado horrores com um São Paulo Fashion Week tão sem graça, e vamos acreditar que tem lugar pra Luíza Brunet nas passarelas toda hora, que a boa forma dela tá melhor que a das modelos (pra fora das passarelas, tá sim), que ela está irradiando juventude (vide pescoço e olhar) e que não existe mais nenhuma mulher hoje em dia em forma aos 45 anos.

Eu acho que a Luíza Brunet está bem, sim, mas como disse, pra passarela, please, give me a break (fora que esse look "folga da empregada vagaba" da Poko Pano não me desceu). Sobre a boa forma da Brunetzona aos 45 anos, eu até já elogiei aqui no blog. E na história na moda e das modelos deste país não há o que discutir sobre a importância dessa mulher (comigo ninguém vai discutir, não!). Mas daí a ficar nessa babação de ovo exagerada que esse povo ficou, ah, tenha dó.

E, convenhamos, doninhas célebres triunfando nas passarelas do SPFW já está quase tão velho quanto elas e já cansou: a Vera Fisher fez isso no desfile da Forum, em 1994 e a Xuxa também (no do Lino Villaventura, em 2000 e no da Ellus, em 2004). Então, gente, chega, né? Me poupem de ver a Elza Soares, a Beth Lago ou a Ana Maria Braga de biquini no ano que vem.

É só isso.

P.S.: Não, não é só isso, não. A Luíza Brunet, que se consagrou junto com a Xuxa justamente porque as duas eram as modelos "cheínhas" que desbancaram as magricelas no início dos anos 80, aproveitou seu momento no SPFW 2008 pra reclamar da magreleza das modelos atuais. Claro, Luíza, a gente tá com você e não abre. Só não esquece de dizer isso pra gorda da sua filha, OK?

Besos, no me llama.

SPFW 2008: modelos III

Alguém aí do mundo da moda pode me dar notícia da Liliane? Cadê a Liliane Ferrarezi?! Como assim o meu chuchu não aparece em nada nessas bandas de cá? Nem um desfilinho do Lino Villaventura...

Meu irmão vive repetindo que lá fora ela faz mil coisas e tal, mas eu não tenho visto nada e não me conformo. How come?
Povo da moda, faz favor de trazer Lili de volta à cena. Um espetáculo de pessoa e de modelo como ela não pode ficar sumida tanto tempo, não.

E eu quero ver a Lili na capa da Vogue de novo e pronto. Falei.

P.S.: Ford Models, vamo agilizar, vamo?

terça-feira, 24 de junho de 2008

SPFW 2008: modelos II

Já mencionei que eu admiro muito o trabalho da Raquel Zimermmann e tal e coisa, mas realmente tenho uma leve preguiça desse bico eu ela faz. Precisa mesmo? É igual uma cara meio de bocó que a Caroline Trentini também faz e eu também não sei pra quê (braço a torcer seja dado, a Anna Wintour deve adorar as duas caretas porque direto e reto as duas estão juntas fazendo exatamente essas caras em algum editorial da Vogue).

De todo modo, se você está a fim de fazer a carinha das duas, sei lá, pra se sentir mais style e foderosa, o Humberto ensina a fazer!

Pra fazer cara de coió da Carol:
- Sorria como se você tivesse dado de cara com alguma amiguinha de infância que você realmente gostava e não via há muito tempo.
- Arregale os olhos levemente também.
- Finalmente, dê-se conta de que sua colega (que era feínha) virou um mulherão.
Pronto, já fez cara de Carol Trentini em editorial do Steven Meisel.


O bico da Raquel Zimermman exige mais da sua musculatura facial. Vamos lá:
- Pra começo de conversa, feche a cara. Você está puta, tipo você recebeu um trabalho enorme pra fazer às 18:58h, a dois minutos de você sair pra dar praquele cara que você tava a fim há meses. Tem que ser algo desse tipo.
- Como toda mulher com raiva, faça um bico o mais proeminente que você conseguir.
- Feito o bico, enfie levemente a língua por entre os lábios, mas sem que ela saia da boca. Pra língua não sair do lugar enquanto você desfila, digo, faz seu carão, pode mordê-la levemente na metade.
Prontinho, você já tem cara de top número um do mundo.

Qual o objetivo deste post? Nenhum, zoar com a cara das tops fodas e com a das leitoras igualmente fodas, hehehe.

Ô idiotice, Senhor!
Besos.

segunda-feira, 23 de junho de 2008

SPFW 2008: modelos I

Mulherada leitora do blog, o que vocês acharam do corpinho da Karolina Kurkova? Não sabem que é a Kurkova?!

Bom, pra quem não conhece, ela é uma top russa muito foda, que tá na crista da onda há pelo menos uns dez anos. É da geração da Gisa, é uma das angels da Victoria's Secret etc. Eu particularmente adoro a top Kurkova, adoro o trabalho dela, já que dela mesmo eu não sei muito.

Mas então ela veio pro São Paulo Fashion Week e, além da bundinha murcha e sem graça de qualquer modelo, ela deixou aparecer celulite a rodo e umas peles à la Mulher Melancia.

Houve quem criticasse horrores. Quanto a mim, quer saber? Tô de saco cheio de mulher magricela, tô cansado dessa neura com peso. De modo que acho é muito bom essas mulheres estarem desesquentando com isso. Se a top foda tá podendo cheia das pelancas, por que é as ditas cujas normais não podem?

É isso aí Kurkova, manda ver. Mulherada, libera geral! O corpinho é de vocês.


UPDATE (29/06/08):
Olha que beleza a crítica da Deborah Bresser, no Estado de São Paulo, a respeito da passagem da Karolina Kurkova pelo SPFW 2008. Tão bom saber que tem gente com noção por aí.

domingo, 22 de junho de 2008

num passado realmente remoto

Finalmente eu conheci as “mastiguinhas” que a Sarah, caríssima leitora, mencionou. Eu creio que isso não foi vendido aqui em TuBHcanga na minha época, porque ninguém da minha generation lembrou de ter comido isso. Infelizmente, pelo visto, já que tem cara de coisa que era gostosa. Será que ainda vende?

Por falar em coisas da nossa infância remota (graças a Deus, aliás), semana passada morreu o ator André Valli, eterno Visconde de Sabugosa do "Sítio do pica-pau amarelo" na memória de qualquer um que foi criança entre os 70 e os 80. Lá se vão os ícones...

Sabe lá Deus por quê, eu tenho pensado muito em tudo que eu vi e ouvi quando era muito novinho. Esses dias entrei na comunidade Pirata do Espaço” no Orkut. Tem lá uma multidão (mais de quatro mil membros) que assistiam o desejo japonês, mas, claro, não lembram que ele passava no “Clube da Criança” porque, claro também, ninguém nunca assistiu a Xuxa na infância. Criança cresce e fica boba mesmo, é um cu.

Fato é que, assim como os piratas do espaço, eu adorava tudo que passava no primeiro programa da Xuxa, incluindo a própria. Eu lembro que a gente saía correndo do pré-primário pra dar tempo de ver pelo menos o “Dartagnan”. E o “Don Drácula”, eu cagava de medo. Mas de todos, meu preferido era mesmo o “piratão do espaço”, que rolava como novela, tinha capítulos, dava medo também, mas também era muito bom. Eu não sei, mas eu sinto que na minha época criança não era tratada feito retarda, não. De alguma maneira, naquele tempo acreditava-se que criança gostava de brincar e tal, mas tinha cérebro. Hoje em dia, nossa...

Pra fechar as lembracinhas, e o que elas fizeram de mim, eu tenho que citar um deseínho, também do “Clube da Criança”, que chamava “Super Aventuras”. Eu sentia uma tristeeeeeeeeza com a abertura (eu tinha entre seis e oito anos), dava uma dó da minininha cabeçuda, era tão solitário... (pausa para a ficha que caiu agora)... Bom, eu tinha dó da minininha da abertura, que parecia que sabia que ia ser sozinha a vida inteira. Mas assistia ao desenho, que não era novelinha, mas eram episódios, baseados em nada menos que clássicos da literatura: Romeu e Julieta, Tom Sawyer, O Quebra-nozes, Drácula de Bram Stocker, O Flautista de Hamlin... Tudo original, sem dó nem piedade, nenhum enfeite pra criancinha. Tipo Romeu e Julieta mesmo, eu lembro da aflição que eu fiquei pro padreco chegar a tempo de avisar pro Romeu do veneno, mas necas... a Julietona pegou o espadão e, creu!, foi pro saco. Não era lindo que criancinhas fossem expostas ao melhor da literatura sem viadagens? Nenhum tati-bi-tati.

Eu sei é que quando formei em Letras a única explicação que arrumei pro fato de eu gostar de literatura foram as “Super Aventuras”: Ninguém aqui em casa era de ler, as professoras que eu tive no ensino fundamental só nos ensinavam a ter pavor de leitura... Sei lá, ou foi isso ou foi alguma coisa de vidas passadas.

Escrevi demais. Saí das “mastiguinhas” e fui parar na literatura.

Boa semana pra todos.
E parabéns pra Caroline, John Lennon reencarnado um ano e meio depois, que entra na casa dos trinta amanhã, hehehe. Bah, ela tirou os óculos, malditas lentes sem graça!

Besos!

quarta-feira, 18 de junho de 2008

mania de lembrar

Lembram quando eu disse, num outro post, que uma das lembranças mais antigas que eu tinha era de quando a Rita Lee lançou "Mania de você"? Nem eu fiquei muito certo disso quando escrevi, na verdade tava difícil de acreditar.

Até que hoje, na São Paulo Fashion Week, a Ellus fez um desfile com ar de "revival" de um comercial antológico da marca. De 1979. E desse eu não tinha a menor dúvida que tinha visto. Lembro nitidamente, aliás.

Cara, vai entender como funciona o cérebro humano, a memória de algumas criaturas! Imagina bem o Humbertinho lá, láááá atrás, dois aninhos, todo loirinho, provavelmente largadinho (desde sempre) no chão, viajaaaaando no comercial da Ellus, com o casalzinho tirando a roupa dentro d'água (na época eu devo ter lembrado do útero...).

Eu sempre gostei de água. Eu sempre gostei dessa música. E, pelo visto, eu sempre fui mesmo muito observador.

Enfim, está decretado que de hoje em diante a memória mais antiga que eu tenho é mesmo a do comercial da Ellus com a musiquinha da Rita Lee. A visita do Papa a TuBHcanga perdeu seu lugar.

Besos. E vejam lá o que que vocês andam falando e mostrando pros seus bebês, fedaputamente mais brilhantes que os de 30 anos atrás.

dos filhos deste solo és mãe gentil...

(Leia isto. E depois isto.)

...pátria amada, Brasil.

terça-feira, 17 de junho de 2008

o fator Japão

Este blog adora todo tipo de beleza e todas as culturas que, miscigenadas, deram nessa doidera chamada Brasil. Nestes 100 anos da imigração japonesa ao país, minha homenagem ao lado oriental da coisa: Eu não diria nada muito sábio. Por isso, basta você clicar aqui e conhecerá (se já não conhece) o grande Jum Nakao. Acho que é um bom exemplo do bom senso e da inteligência desse povo.


Abraços nipo-afro-luso-euro-indios pra everyone.

E arigatô!

segunda-feira, 16 de junho de 2008

uma dúvida e uma certeza

Vendo bem as fotos da Raica no Fashion Rio, semana passada, fiquei realmente na dúvida se o Ronaldo não estava dizendo a verdade ao afirmar que achou que os travestis eram mulheres de vera...


P.S.: Zoações à parte, e aproveitando a deixa, vale esclarecer: A Raica pode ser o que for, mas é uma top model, SIM. E há tempos, pelo menos há uns dez anos, beeem antes de conhecer o gor, digo, o jogador. Então aquela jornalista Fabíola Rupert, mal amada que só ela, devia parar de se referir à menina como "ex-Ronaldinha". Porque isso, além de ser de um mal gosto do caramba, é muita falta de profissionalismo – coisa que, pelo visto, nunca faltou à Raica.

domingo, 15 de junho de 2008

antes só do que mal acompanhado

Eu estou numa fase mais light de filmes. Não sou muito de comédias, muito menos essas menos críticas, mas estou num momento de me deixar rir de bobagens absolutas.

Semana passada eu peguei “Saneamento Básico” pra assistir, mas infelizmente eu tava pingando de sono e dormi antes que o filme rolasse. Parecia engraçadinho.

Este fim de semana peguei “O virgem de 40 anos” pra ver. :P
Eu tinha visto um pedaço na TV a gato, mas, de novo, o sono não me deixou chegar até o fim (eram umas 4h da madruga). Anyways, aluguei o DVD pra ver começo, meio e fim. Sinceramente? Ri! E ri um bocado das bobagens mais bestas, adorei a gerente da loja, o finalzinho "broadway" e a galera que mais parecia minha turma de colégio. Falei que achei “Sex and the city” muito “mulherzinha”, esse é bem “hominho” (de 17 anos, mas hominho). Vai saber, acho que tô numa fase mais toscosterônica também. :P

Mas como não deixo de ser eu, peguei um draminha também. Vi o argentino “O filho da noiva”, que faz parte daquela safra de filmes bons de 2005 que eu já citei aqui. É um filme bem bonito. Mas eu acho que tô numa fase mais besta mesmo, então sobrevivi.

De todo modo, foi justamente do “O filho da noiva” que saiu esta pérola que deixo aqui pra vocês. Num determinado ponto, o protagonista (meio mala) resolve terminar com a lindíssima (e bacana) namorada. Quando começa a querer se explicar, ele recebe dela a seguinte resposta:


“Espere. Não explique. Eu pensei muito. Não estou certa se estou apaixonada por você. Sempre soube que você não tem o Q.I. do Einstein nem o dinheiro do Bill Gates. Você também não é nenhum Dick Watson. Mas eu me apaixonei, não sei por quê. Eu larguei a terapia porque sabia que em menos de um ano deixaria de te querer. Mas me apaixonei. Agora já não tenho certeza. Eu não acho que você seja quem eu pensava... que você era. Agradeço muito que não queira brincar comigo. Seja como for, eu não deixaria isso acontecer. Porque eu tenho valor. Entendeu? EU tenho.”


Não é lindo? Seria uma ótima resposta se alguns telefonemas fossem atendidos, eu acho.
Boa semana pra everyone. Sejam felizes por vocês, não por outra pessoa.


P.S.: Aceito dicas de filmes leves. Qualquer um, desde que não sejam frescos.
P.S.2: Só pra constar, depois da resposta da belíssima Naty, Rafael, o filho da noiva, diz apenas: “Quem é Dick Watson?”
P.S.3: É, aquele nick de msn que eu li quarta-feira passada estava certíssimo. Realmente, “antes só do que mal acompanhado”.

que nem beija-flor

Cês viram o Dadá Maravilha jovem na capa da Veja da semana passada? Ele não ficou a cara do Barack Obama?!

são seus olhos


Sabe o "Te Dou Um Dado", aquele blog que eu adoro e que cito aqui direto por causa das bobagens? Então, essa gata aí do lado é uma das autoras. E essa é a foto dela que fica lá.

Pois bem, eu morro de rir do site, que é descendente do saudosíssimo "PapelPobre". Mas de vez em quando eu acho que eles erram na mão, como aconteceu com a Gorete Milagres. Há pouco tempo eles chamaram a Juliana Paes de baranga. Vá, pra todos nós que estamos acostumados com um padrão de beleza nórdico, ela parece meio popularesca mesmo e tal, mas também não é nenhuma Mulher Melancia, né?, vamos combinar.

Anyways, da Juliana Paes, a moça aí da foto e seus amiguinhos escreveram isso:

"(...) alguma coisa nela não desce na gente. (...) ela imprime brega, uma coisa meio tchutchucona suburbana, dessas que tira foto só de calcinha em poses sensuais com a câmera VGA do celular do namorado. E depois vai pra pizzaria com ele na garupa da moto." (Pra ver o post inteiro leia aqui).

Daí que a moça da foto bombou no Fashion Rio e tal e finalmente pudemos ver outras fotos dela. Que tal esta, onde ela admira a mesinha?

Bom... eu realmente não sei o que dizer. No máximo, consigo imaginar as gargalhadas "barangas" da Juliana Paes. Ou então penso naquela história de que algumas coisas é melhor deixar que o tempo resolva mesmo.

É o famoso whatever.


P.S.: Pra ver mais do "Te Dou Um Dado" no Fashion Rio, clique aqui.
P.S.2: O "Te Dou Um Dado" pode não ser 100% (como este blog também está longe de ser), mas eu adoro. Alguams tiradas, como esta sobre o maaala do Serginho Gósma ou esta do Durval Júnior amenizam qualquer (raro) deslize. Não é à tõa que o blog desses malucos está aí na minha listinha de recomendados.

Besos everyone!

quinta-feira, 12 de junho de 2008

quarta-feira, 11 de junho de 2008

pérola televisiva X (eMpTV)

Alguém aí tem o (mau) hábito de assistir à eMpTV?

Eu tenho. Infelizmente, de vez em quando, mudando de canal, acabo dando uma olhadinha lá. E desde as últimas campanhas presidenciais vem rolando uns comerciaizinhos "educativos" da emissora, uma coisa assim despretensiooooosa, sem nenhum interesse e tal.

Daí, a última da eMpTV é um anúncio reclamando, lá com alguma razão, do fato de a Sky ter tirado a emissora de seu pacote de canais. Dá uma olhadinha no resultado. O mais legal são os argumentos da eMpTV: uóóóóóóóóós como sempre!

Háháháháhá, só rindo! Eles vêm falar de "grandes corporações querendo escolher o que você assiste". Então tá bom, eles podem. Claro, como não?, a EmpTV, um canal que faz parte de uma humilde empresa familiar chamada Abril, realmente não tem nada a ver com o que é decidido pelas grandes corporações de mídia.

E, claro, quando eles optam por escalar um songolóide como o Lobobão pra apresentar o "Debosta eMpTV" ou uma coooisa como a Geri Moon pra estrelar o "Crap eMpTV" eles consultam todo mundo antes. Claro.

Claro que eles consultam a gente na hora de decidir manter, há duas décadas, a inexpressiva Marina Pessonsa como vj e, ainda por cima, ao lado do "Néo Expressivo como uma Porta Madeira". Consultam a gente na hora de demitir a SAbrina Parlatori e recontratar o Marcons Mion.

Emissorazinha bacana e bem intencionada essa eMpTV, né?
Show de bola!


P.S.: Ainda bem que dão uma cagada de achar um Adnet dando sopa. Ainda bem pra nós, que somos suuuuuuuuuper consultados na hora de a eMpTV escolher sua programação.

segunda-feira, 9 de junho de 2008

muito mulherzinha demais

Fui ver "Sex and The City - O Filme" esse fim de semana.

Observações rapidinhas:
1) Incrível, eu tinha assistido uns dez episódios da série a vida toda. Foram justamente os episódios lembrados no começo do filme.
2) Continuo achando a Samantha a mais engraçada. Por que será?
3) Olha, eu ria muito da série, pelo menos do pouco que eu vi. Mas o filme, bom, hum, sei lá, entende?
4) De modo geral, um filme muito, mas muuuuito mulherzinha. Não deu pra mim, não. É tipo "Rambo" ser um filme pro macho padrão e "Sex and The City" ser o da fêmea consumista que só pensa em casar padrão.

Bom, pra miiiiiiiiiiim, não rolou, não. Mas pra vocês, queridas leitoras, mulherzinhas e mulheronas, pode ser que seja um filme muito bom.

Se alguém aí assistir, manda comentários.
Besos, boa semana pra everyone!


P.S.: Bom... a "The City" é New York... então, alguma coisa eu adorei de vera, hehehe!
P.S.2: Vamo combinar, eu moro em TuBHcanga, there's no sex in this (very small) city... Whatever, né?

sábado, 7 de junho de 2008

outside the sun is shining...

...it seems like heaven ain't far away.
Um espetáculo de fim de semana pra todo mundo.
Besos pra everyone!

quinta-feira, 5 de junho de 2008

sexy (flash)back

Vocês podem dizer que eu bebo, mas assim que eu bati o olho na capa da Vanity Fair de julho, com a Angie, eu lembrei da capa da Playboy de junho de 1981, com a Sandra Bréa.

OK, bebi um pouco. Eu nem era nascido no começo dos anos 80, mas pelo que eu já li e vi, 27 anos atrás a Sandra Bréa era tão gostosa quanto a Angelina é hoje. E o pouco que eu lembro dela eu lembro de uma mulher bem sexy mesmo, voz sedutora, aquele olhar todo... E tão cheia de personalidade quanto a Angelina, também.

Bom, post de nerd por revista. Ninguém é obrigado a entender, I guess.

Besos pra everyone.


P.S.: Eu deveria falar mais da Sandra Bréa. Fica pra um outro post.
P.S.2: Clique aqui e veja o comentário imperdível do “Te Dou Um Dado” sobre a capa da Jolie para a Vanity Fair.

quarta-feira, 4 de junho de 2008

por quê, Humberto Augusto, por quê?

Fazia tempos que ninguém perguntava nada no blog. Eu adoro as perguntas. :) Daí a Heleninha, gente finésima, perguntou. E perguntou de novo. E agora eu vou arriscar uma resposta.

Pois bem, a gata queria saber por que as coisas são mais fáceis na televisão (e depois foi mais dramática e soltou a pergunta que intitula este post).

Então, Helena Maria... Acho que não é nem uma questão de a vida ser mais bacaninha na TV, não. O que incomoda é quando nossa vida real fica novelesca demais. É foda quando tudo parece estar dando certo e de repente, pimba!, desanda. Mas é assim mesmo, a vida é dinâmica. Como diria a Sheryl Crow, “everybody gets high, everybody gets low”.

Eu, que já fui acusado de ter uma vida de “Malhação” (segundo a Alê, toda semana tem alguma coisa diferente acontecendo comigo), sugiro o seguinte: Se a vida anda aprontando dramalhões mexicanos com você, deixa baixar a Maria do Bairro. Suta o balde! Se os seus rolos com nome de galã latino andam aprontando coisas surreais com você, faça como a mocinha que sempre começa pobre e termina rica: Encara, gata, vai à luta! Se precisar do chororô, chora, mas arregaça as manguinhas. Chorar com a cabeça no travesseiro é uma coisa, chorar, sacudir e dar a volta por cima é outra muito diferente – e muito mais digna, eu acho.

A vida pode ser mais fácil na televisão, mas é mais gostosa na vera. Porque na TV só o final é feliz. E na real, a gente tem momentos bons e ruins, a gente encontra gente nova e deixa passar quem venceu a data de validade, a gente se fode e a gente se dá bem – A vida real, gata, não é feliz só no final, não. A vida real é feliz o tempo todo. Principalmente quando a mocinha é linda, inteligente, saudável pra caramba, tá bem de trabalho, bem de grana, dirige seu carro, tem os pais por perto e mais um monte de amigos que a adoram.

Eu acho que é isso aí. Viva as emoções de cada capítulo. Vai saber se não é no de amanhã que um Gianecchini passará a fazer parte da trama?

Besos mujer. Besos leitoras todas do elenco. Besos bem novelescos, hehehe.

P.S.: “Com muita honra... Helena del Son Bento, yo soy!....”

segunda-feira, 2 de junho de 2008

howdy ho!

Humbert is back!

E aí, povada, sentiram minha falta? Acharam alguma bobagem à altura pra ler? Se acharam, me contem, quero saber as novidades!

Pra encurtar a história, o final de semana foi bão. Experiências novas, um taaaanto atrasadas, mas em tempo. Um milhão de coisas na cabeça e na alma, umas duas ou três neuras a menos, uns mil planos a mais... Uma história de vida muito bacana ouvida e uma vontade maior ainda de tirar meus três livros logo da gaveta...

Enfim, tô de volta!

Vai aí abaixo mais uns dois postzinhos, pra matar saudade de escrever aqui.

Helena e Polly, os posts que vocês pediram virão logo. Sarah, thanks pela assiduidade. :)

Besos pra everyone!

a 10 dias do Dia dos Namorados...

Nesse friozinho, dá uma saudade daquilo tudo que você poderia ter sido. Fiéda...

pérola televisiva IX (Saia, Justa!)

Estava Humberto lá de ótima, se preparando pra tomar um espetáculo de banho e sair pra dar um espetáculo de relaxada, quando resolveu ligar a televisão. TV a gato desta vez, uma pausinha da TV aberta.

Dei um tempinho nos seriados e fui zappeando até cair no GNT (Gente Nojenta) e ver o quê? “Saia Justa”.

Se eu tivesse só uma coisa a dizer seria “Jesus toma conta”. Putaquepariu, que merda é aquela? Como é que alguém pode ganhar pra falar merda. Mas merda.

Eu juro que não entendo. Tenho um moooooonte de amigas. São todas divertidas, têm idéias diferentes, graças a Deus, coisa e tal. E daí me fazem um programa de TV com quatro mulheres conversando fiado e o negócio é um pooooooooooorre!!! Sinceramente, até o papo da mulherada aqui em casa quando tá fazendo unha é mais engraçado. Até as fofocas das vizinhas são mais inteligentes!

Anyways, lá estavam Mônica VaideVogue, Betty Brejo, Maitê Cada Proeza e Tintura Márcia Tiaburra falando (ao mesmo tempo, claro) a bobajada de sempre, quando a primeira deu o tema: as fotos seeeeeeeeexies da atriz mirim estadunidense Miley Cyrus.

Hum? Humberto, Miley o quê? Sim, isso é um nome próprio e não uma nova água aromatizada no mercado. Anyways de novo, a tal da menina (na foto acima) tem um seriadinho teen nos Estados Unidos e interpreta a adolescente que todo pai naquele país caduco gostaria de ter como filha (boazinha, loira e desprovida de vida sexual). E daí essa menina fez umas fotos mais ousadinhas para a Vanity Fair (a fotógrafa, aliás, foi ninguém menos que a Annie Leibovitz) e isso virou escândalo.

Bom, esse era o tópico da conversa das marmotas. O que saiu? Bosta, claro, o que mais sai dali? Saiu tooooooodo aquele papo de erotização precoce da criaaaaaaança, que a as crianças isso e aquilo e tal. Tá, OK, há certos exageros mesmo e até pra mim parece que a gente era criança por mais tempo antigamente (mas antigamente ficou lá nos antigamentes, onde tinha que ficar). De todo modo, o que me tirou do sério foram as conclusões naaaaaaada hipócritas dos quatro cavalos do apocalipso:

Márcia, a gênia: “A mídia super erotiza as crianças! A mídia é má! Essas loiras que apresentam programa infantil, então, suuuuuuuuper péssimo para a sexualidade das crianças!”
Maitê: “Os pais não sabem criar e põem as crianças na frente da TV. A minha filha não assiste TV, eu eduquei para não assistir.”
Beth: “É mesmo um absurdo essas loiras e esses programas, TV não é coisa pra criança.”


Humberto, com meeeeeeeeeeeeeeega preguiça e agradecendo a Deus por ter nascido homem, pergunta:

- Em que porra de veículo de comunicação essas idiotas falaram coisas assim? No jornal do poste?! No fanzine do Pedrinho?
- Super atualizada a filósofa, tipo que rolam mil programas infantis apresentados por loiras hoje em dia. U-hu, parabéns pela sua capacidade de só falar sobre as coisas que você sabe!
- As loiras são péssimas, né Beth? Aproveita e diz isso na cara da Angélica a próxima vez que ela for gravar um “Estrelas” com você, tá gataannn?
- Claro, os programas infantis das loiras (of coooooooourse nenhuma delas tem peito o suficiente pra dizer o nome da Xuxa abertamente – ou assumir o recalque) é que erotiza as crianças. Novelas das seis (pra não dizer as das oito), protagonizadas por elas, são um docinho. Em 1986, lá nos antigamentes, TODOS os meninos da minha turma da 2ª série do primário tocaram, gloriosos, suas primeiras punhetinhas para uma tal de Dona Beija que desfilava pelada em seu cavalo toda noite na TV Manchete. Você já ouviu falar, Maitê? Se já, conta pra Márcia, a atualizada.
- Se a porra da TV é algo tão nocivo, por que elas trabalham numa, então? Se TV não é coisa para os filhos delas verem, por que os filhos dos outros podem? (Sim, porque elas adoram dizer, “as crianças me adoram, pedem autógrafo e tudo” mesmo quando interpretam a puta mais puta da novela).

Só mais uma pergunta: Eu preciso dizer do que essas quatro devem estar precisando?

Sorry se a última pergunta soa um tanto machista, mas sinceramente... Se é pra fazer tosqueira, põe logo a Gemenez, a Márcia Goldshit, a Olga Maugiovanni e a Sandra Anemblergh pra apresentar a josta do programa. As asneiras vão continuar no ar, mas com muito menos pedantismo e muito mais gargalhadas pra quem se habilitar a assistir ao “programa da nova mulher brasileira”.


P.S.: MUITO OBRIGADO, SENHOR, porque eu nem cheguei a ver a Luan & Pio Vanni nessa coisa. Imagino o nível.