quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

sobre tops e não-tops

Não falei que a Heidi Klum como top model nunca me desceu? Na verdade, o que nunca me desceu foi insistirem em a chamar de top model (o mesmo vale para a Tyra Banks, by the way).

Eu gosto da Heidi Klum, mas ela é um caso assim mais Ana Hickmann, não dá pra dizer que ela e a Gisa são top models, por exemplo – Heidi é uma boa modelo comercial, uma boa celebrity, uma Angel da Victoria’s Secrets; a Gisa é a única über model so far.

Anyways, eu até gosto da Heidi Klum, eu vejo umas fotos bacanas dela e tal e eu sei que ela é estrela nos EUA; mas eu nunca a tomei como uma top mesmo, como um ícone de moda (até a Ana Hickmann fez coisas mais fashion que ela). De todo modo, isso sempre foi uma percepção que eu achava que era só minha. Só que agora eu sei que Karl Lagerfeld pensa coisa parecida. Então, assunto encerrado: Heidi é uma “alemõa” bacana como modelo, mas não é uma top.

Dito isso, tenho que dizer que é uma sacanagem de biba recalcada chamarem uma mulher dessa de gorda. Tudo por conta dessa capa da GQ alemã aí acima. Ah, vá, nem como modelo de passarela (só da Victoria’s Secrets, é vero) a Heidi é gorda. Aí já é querer detonar a mulher demais.

Besos pra everyone.


P.S.: Só pra constar, eu tenho a edição de 30 anos da GQ estadunidense, que é estrelada pela Heidi, que incorporou musas de todos os tempos, como Brigitte Bardot, Farrah Fawcet e Marilyn. Simplesmente, um espetáculo do crescimento.
d

Um comentário:

Sarah disse...

Ah, acho ela um luxo, linda e mó gente fina.

Aliás, o casal Heidi e Seal é muito maneiro.

Onde já se viu falar que ela é gorda ou qq coisa que o valha? Pura falta do que conjecturar.

Mesmo o comentário daquela figura empalhada do Karl dizendo que não a conhece ( e nem a Cláudia conhece). Falar isso é falar mal de si mesmo, ou assinou o atestado de antisse ou de cinismo.