segunda-feira, 16 de março de 2009

que puxa

Amor, se eu faço ideia do que seja isso, é o que eu senti pela minha mulher – que já não é a minha mulher, mas continua sendo a minha amiga. Sobretudo, amor é aquilo que eu sinto pelo meu filho – que não é meu filho, mas o meu neném de quatro patas, que vazou pra melhor lugar em 2005, exatamente quatro anos atrás.

Como eu ando querendo ver o lado positivo de tudo, não vou falar da dor que eu senti quando meu filhote morreu – primeiro porque não daria pra descrever e segundo porque, por mais significante que seja pra mim, eu sempre fico meio com vergonha de contar, imaginando o que deve ser a dor de quem perde filho de vera.

De toda maneira, esse blábláblá todo é só pra falar que eu descobri, via Ricardo Lombardi, um site que contém todas as tirinhas do Charlie Brown e seu Snoopy. Dica totalmente assinada embaixo por este blog.

Muito tempo atrás eu já fui bem Charlie Brown. E meu neném, coincidentemente, era chamado de Snoopy por muita gente.

Ver as tirinhas do Minduim me fez lembrar do Plutón, que viveu comigo 16 anos, e lembrar da “madrasta” dele, tudo ao mesmo tempo. E tudo isso nesta hora em que eu me pergunto o por quê desses relacionamentozinhos de bosta que eu venho tendo...

Postzinho lenga-lenga este, não?

Só pra começar a semana mesmo. Divirtam-se com os quadrinhos, pelo menos. E sejam sinceros com os seus sentimentos. E, façam o que eu digo não façam o que eu faço, fujam de gente pateta que não vale, como diria minha mãe mexicana, um pedo em la cuchara.

Besos!
s

10 comentários:

Caroline disse...

Amigo, esse negócio de ser sincero com os sentimento é algo muito séri, cruel e perigoso. Eu que o diga essa semana. E olha que ela nem começou direito.

Abs e se cuida.

Humberto disse...

CremDeuspai, mas já? Os meus pelo menos são os da semana passada ainda (rs). Como diria a biba, "coraaaaaaagem", amiga, coragem.

Caroline disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Caroline disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Humberto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Janaína disse...

Concordo com a Caroline, Humberto! Esse negócio de sentimento sincero é algo realmente muito sério. Tive a prova concreta disso há duas semanas. Sentir sinceramente as coisas é o meio maior defeito e a minha maior qualidade. Mesmo que isso acarrete uma dor fodida a qual eu não fiz por merecer, como a que eu tenho sentido nos últimos dias, o que vale é a verdade do nosso coração. Mesmo que às vezes só a gente a compreenda.
Beijos de verdade do meu coração sincero.

R.Paschoal disse...

Pra esse tipo de momento, eu ouço "Ultraviolet" do U2.

[ But your love is like a secret, that has been passed around ]

Humberto disse...

Sabe o que mais?, pra melhor ou pra pior, que a gente seja sincero mesmo. Porque pior que a dor do pé-na-bunda deve ser a dor na consciência. Então, que a gente se foda, mas que pelo menos tenha paz de espírito, rs. :)

R. Paschoal, vou ouvir a música.

Abrazos pra todos!

Anônimo disse...

Olá Humberto,
sentimento é tudo na vida!! ser sincero em seus sentimentos nos torna transparente e leve!!
Viva a sinceridade!!!

bjs e saudades!!

Humberto disse...

Quem é você, Anônimo, não me mate de curiosidade???
Bjos tb!