terça-feira, 10 de março de 2009

uma certa Gia Carangi

Alguém pode acabar achando que é algum tipo de bizarrice de minha parte falar tanto em modelos que já se foram. Não é bem assim a coisa. Realmente sou fascinado pela beleza e pelo trabalho da Adriana de Oliveira, como já cansei de dizer aqui – nesse caso, eu acompanhei a breve carreira dela.

Há uma outra modelo já falecida por cuja biogrfia eu me interesso. Desde 1999, quando assisti a “Gia”, talvez único filme realmente muito bom que Angelina Jolie tenha feito além de “Garota interrompida” (Fernando, não me mate), também fiquei meio fascinado pela Gia Carangi, a top model dos anos 70 e 80 que inspirou o longa do HBO. Lembro que na época, quando estava no Texas, praticamente escavei toda a Biblioteca de Belas Artes em busca de fotos dela. Porque além de serem lindas, eram fotos do Francesco Scavullo e eram para as capas da Cosmopolitan. Enfim, era todo um conjunto de coisas que eu adorava.

Hoje, super sem querer, enquanto apurava uma nota, achei um blog de algum fã da Gia. E nesse blog há várias fotos, várias capas. Eu elegi esta aí acima para ilustrar este texto (amarela, como eu gosto, logo branca , como eu gosto, Cosmopolitan bem Cosmopolitan mesmo, como eram as que me fizeram ser um apaixonado por revistas e por suas capas lá uns 20 anos atrás).

O autor do tal blog parou de postar em 2007 e não deixou espaço para comments – nesse caso eu já teria escrito pra perguntar qualquer coisa, fazer contato. Mas vale dar uma passada lá. E pra quem não viu, vale muito ver o filme com a história de Gia. É pesadinho, mas vale.

Drogas são mesmo uma bosta. Foderam com a Gia, mataram a Adriana.

Besos to everyone.
s
s
P.S.: Quem viu o filme vai reconhecer esta imagem. De arrepiar os pelinhos.
s

17 comentários:

Janaína disse...

É... esse filme eu vou ter que ver, porque gosrtei das críticas que foram feitas sobre ele. Mas vou esperar meu emocional se estabilizar pra ver esse filme, porque parece ser tristíssimo e eu não tô podendo com essas coisas por agora... rs
Fiquei curiosa, porque não me lembrava da Gia Carangi. Linda mesmo! Outra perda lamentável.
P.S.: Humberto, você que é mestre em "associação-livre-imagética", me exmplica: é viagem minha ou em algumas fotos (em especial na última imagem que você colocou em destaque), ela lembra um pouco a Jennifer Beals, em Flashdance!? Acho que é o cabelão típico da época.

Humberto disse...

Janaína, gata, a gente não tem idade pra lembrar da Gia não. Ela morreu quando a gente era muito novinho ainda (bom, ainda somos :P). Deixa pra ver o filme quando estiver light pq ele é meio foda (mas a Angelina está liiiiiiiiiiiinda, pra variar).

Quanto à semelhança com a atriz do Flashdance, não sei, acho que é o look da época mesmo. Cabelão bem anos 80. ;)

Besos.

Fernando disse...

eu não assiti GIA, mas fiquei interessado, hein... Bela capa de revista, hein?

Humberto disse...

Rapaz, se a Angelina é a sua nº1 você já tinha que ter visto. No mínimo pelas várias cenas em que ela está TOTALMENTE peladinha! :P
Filmão.
Abs.

Sarah disse...

Só vim saber da existência da Gia quando vi o filme, que por sinal, me perdoe mas vc acredita que eu numlembro direito? Lembro só de uma cena da Jolie com um vestido branco na passarela, acho. Na verdade , acho que não prestei atenção direito, sabe quando a gente vê um pedaço, sai, volta. Preciso ver de novo porque todo mundo que viu recomenda.

A Gia era muito bonita, estilo beleza da Cindy, olhos e cabelos castanhos. mas a história dela é trágica desde a infância, uma vez li, terrível.

"Drogas são mesmo uma bosta. Foderam com a Gia, mataram a Adriana."

Pode crer...

Humberto disse...

POis assista de novo, a Angelina está um espetáculo, embora a história seja bem triste mesmo. Eu tb vi há um tempão.

Eu tb achei que tinha muito de Cindy nela. Na vera, a Cindy "surgiu" em 1983, provavelmente quando já estavam à procura de uma nova Gia (tanto que no começo photoshopavam a pinta da Cindy, achei uma capa da Vogue em que ela aparece sem ela).

Enfim, as modelos passam por mulheres sem conteúdo e tal (e, cá pra nós, muitas são mesmo), mas há as que têm uma biografia fedaputa. Talvez seja isso o que dá brilho a umas e não a outras. Sei lá.

Besos, Sarah.

Anônimo disse...

Esse é um excelente filme. ja vi várias vezes. e tambem fiquei interessada na historia de Gia. e fiquei com uma duvida.
Humberto quem foi o grande amor de Gia, Sandy Linter ou Elyssa Golden?

Rita disse...

vi ontem o filme Gia...
Não sabia nada sobre ela...foi triste ver a que ponto uma mulher tão linda chegou, por causa das drogas...
Da adriana eu me lembro bem, pq era adolescente na época...e ela era como um espelho para mim...
Parabéns pela postagem!

samara_spears@hotmail.com disse...

eu adorooo esse filme... esse filme é perfect ... gia carangi e sandy são lindas sam

Anônimo disse...

gia é mais beatifull linda mulher lesbica de todos os tempos. mais linda quer a angelina,adrina a mãe de robenilson etc.

j.san.der disse...

Olá Humberto, sei que a internet é cheia de publicações verídicas, mas também tem muitas que não são.
Li em uma página, sobre o filme Gia com Angelina Jolie, que alguns fatos, não são verdadeiros.
Já tentei em vários blogs e contatos diretos, mas não obtive êxito e gostaria se possível, contar com seu apoio e de quem souber exatamente, se há alguma divergência entre os fatos expostos no filme e a verdadeira realidade da Gia?
Desde já agradeço o apoio.

Jacob

o Humberto disse...

Rapaz, do que EU conheço da vida da Gia o filme foi bem preciso, sim. Provavelmente ficou alguma coisa de fora, afinal é filme e tem de caber, mas no geral é aquela história mesmo.

Eu amo particularmente a cena do Francesco Scavullo fazendo a capa da Cosmopolitan (até deixei link aqui mesmo no post). Aquilo pra mim é o resumo.

Abração.

j.san.der disse...

Bom dia Humberto, obrigado por me esclarecer sobre o conteúdo do filme, é que estou acostumado, que mesmo sendo baseado e ftos reais, geralmente existe uma distorção entre o real e o filme. Sou do tempo que para se ver Gia Carangi, tínhamos que folhear a revista, ao contrário de hoje, temos esta belíssima ferramenta, até certo ponto, pois existem os inexcrupolosos. Além do custo que é bem mais barato e infinitamente menos volumoso, em relação aos tempos atuais. Acompanhei desde 1977 através das fotos, sua evolução e início do declínio, até 1982, quando fui morar no interior, onde tudo que fosse relacionado a informação, principalmente de moda era remoto, até que em 1986 veio a triste notícia pela televisão. Para complicar, foram noticiar quase uma semana após e ainda disseram que onde está a lápide, não era ela que estava ali. Muito tiste, para uma pessoa, principalmente com o quilate dela.
Valeu Humberto, sei que a menos, um filme pode conter, mas detuparção jamais, por isso que eu tinha esta dúvida, sobre seu conteúdo.
Obrigado.

j.san.der disse...

Belíssimo O seu blogg. Belo trabalho, sério e de modo simples, porém bem ilustrado.
Abraço.

Anônimo disse...

Muito bom o filme excelente algum de vcs sabem o nome do livro da vida da gia carangi

Anônimo disse...

B noite super interessante o filme mas gostaria de aprofundar na vida de Gia Carangi pd se souberem me falar o nome do livro sobre a vida dela

Anônimo disse...

O filme é muito bom, mas a Angelina Joli não tem nada de parecido fisicamente com a Gia Carangi. Gia Carangi tinha olhos castanhos e a Angelina tem olhos verdes, dentre outras diferenças físicas.