quarta-feira, 22 de abril de 2009

California dreamer

Alguém aí acompanhou o caso da Miss Califórnia, que teoricamente perdeu o concurso de Miss Estados Unidos por ter afirmado entender que o casamento deve ser entre homens e mulheres?

Dá uma olhada no vídeo. Ela é sorteada para responder à pergunta do (bom, tosco) blogador-biba Perez Hilton, um cara que sacaneia celebridades naquele país. Ele pergunta sobre a legalização do casamento gay – E Carrie Prejean dá sua resposta.

Caíram de pau na pobre da Miss, e o cara mesmo chegou a escrotizar com a moça num vídeo no blog dele no dia seguinte.

Francamente, apesar de não concordar com a opinião da miss, entendo que foi só a opinião dela – e entendo que essa foi declarada sem nenhum tom ofensivo, de maneira muito franca e, penso, extremamente corajosa.

Muito se falou sobre o “discurso” intolerante da moça. Honestamente, nos poucos segundos que ela tinha para formular sua resposta, dava pra esperar toda uma teorização sobre preconceito, cultura e valores sociais? C’mon, é um concurso de miss. Ter uma miss, estadunidense, que tenha uma opinião formada, ainda que contraditória, já é muita, muita coisa. E a repercussão à resposta da jovem pareceu-me muito mais intolerante. É como se ela tivesse obrigação de responder o que o entrevistado queria, de ser a favor do casamento gay (bom, se era pra ganhar, ela talvez deveria ter concordado... mas manter sua posição ali, naquele momento, no mínimo demonstra que ela tem personalidade. E comigo ela ganharia uns pontinhos).

O foda de alguns discursos da “minoria” é que eles pregam a igualdade e tal, mas uma igualdade que parta da opinião deles. É como se fosse apenas uma troca de comando do “poder”, não uma luta pela igualdade. Eu prefiro acreditar que do mesmo modo que há homossexuais, há heterossexuais, bissexuais, whateversexuais. Penso que talvez as pessoas pudessem ser menos xiitas.

Continuo entendendo que qualquer debate requer espaço para opiniões diferentes. E penso ainda que quem pergunta deve dar a liberdade ao outro para responder o que quiser.
s
Bom, o assunto iria longe. Mas acho que está bom, por ora.

Abrazos!
s

6 comentários:

Janaína disse...

Alguém me explica onde está o direito à liberdade nos EUA, "a terra da liberdade"!!!???
Cabe aqui questionar não só a liberdade, mas também o respeito à expressão, à união legalizada ou não entre pessoas do mesmo sexo e principalmente, a liberdade de opinião que, declaradamente, foi cerceada aí. Se os estadunidenses são realmente livres, porque será que apenas 4 dos 50 estados legalizaram a união civil entre os homossexuais? Diante de uma dessas, faço minhas as palavra de George Michael, meu "divo-deuso" e ícone da irmandade: "Freedom!!! Freedom!! Freedom!!!
You've gotta give for what you take!"

cerejas disse...

Humberto super concordo com vc...me cansa escutar o pove respondendo só o que os outros querem ouvir...eu sou a favor do casamento gay tanto quando sou a fovor da liberdade de expressão e opnião!!! Hj escrevi o posto sobre a Michelle Obama...
Bjss, em conserva

Sarah disse...

Não sou a favor do casório gay.

Humbert disse...

Viram como é o debate? Aqui mesmo, tem quem aprove, quem reprove. Cada um, se não sabe de tudo, pelo menos tem (ou deveria ter) o direito de dizer o que pensa. Eu não compartilho da opinião da miss, mas acho que a maneira como ela colocou seu ponto de vista é muito mais lúcido que o chilique que a biba lá deu.

Enfim, esse mundo às vezes me cansa.

Besos.

Fernando disse...

Então... aqueles que eram oprimidos agora oprimem... é mais ou menos isso???? Política é uma bosta mesmo, seja feita com quem for... tsc, tsc...

Humberto disse...

Tsc, tsc mesmo, meu caro.