sábado, 2 de maio de 2009

o Estadual Central e o túnel do tempo

É até difícil acreditar que hoje faz 15 anos que cheguei num dos lugares onde eu fui mais feliz na minha vida. Onde eu conheci a pessoa mais importante da minha vida. E onde eu comecei a mudar tudo.

O Estadual Central seguramente mora no coração de cada um que estudou ali. Quem estudou nas antigas, então, nossa mãe!

Eu cheguei ali nervoso que só Deus sabe. Naquela época era tímido de passar até mal de vergonha antecipada. Ainda por cima, cheguei no meio do ano, sem conhecer ninguém e chamando toda a atenção do mundo. Era tragédia anunciada!

Mas eu me encontrei naquele colégio. Fiz os melhores amigos. Adquiri uma certa independência, finalmente. Ri, mas ri de doer tudo. Me senti querido e (MUITO) popular pela primeira vez. Deus do céu, era muito bom. E tudo isso logo depois da fase mais difícil da minha breve vidinha (que por pouco tinha ido pro saco).

Tudo colaborava. 1994 foi um ano muito bacana. A economia tava OK, as músicas eram as melhores, tudo era bom. Mas o Estadual tinha seu brilho próprio. Havia uma aura de liberdade, de ousadia e de capacidade de fazer tudo que não podia ser mais perfeita pro bando de adolescente doido que circulava ali. Eu tenho muita saudade das minhas amigas, do meu grupo de amigos. Das bobagens, das neurinhas, das gargalhadas. Eu ainda guardo carinhosamente (mas Deus sabe onde) todos os bilhetinhos trocados durante as aulas. Sobretudo, guardo tudo na memória. Porque era um desses momentos em que a gente era feliz E sabia.

Tudo tem sua época. O importante, eu acho, é tentar viver de maneira que todas as fases sejam memoráveis – eu já ando meio saudoso de 2007, veja que coisa.

Eu espero que todas as pessoas com quem eu convivi no Estadual Central estejam muito bem. Por mais que me doa imaginar que já deve ter filho de alguns deles estudando lá. :)
sP.S.: Cheguei tímido de passar mal. Quando saí, já tinha apresentado um monólogo no teatro gigante do colégio (esse aí da foto, obra de Niemeyer). Acho que dá pra dar uma ideia de todas as transformaçõs...
P.S.2: Não custa lembrar: a escola era pública – mas todo mundo tinha noção. Até aquele considerado o mais imbecil na época tinha mais conhecimento e escrevia melhor que a maioria dos alunos de escola privada hoje. (F/S)inal dos tempos na educação brasileira.
s

5 comentários:

Sarah disse...

Amei esse post.Imediatamente me veio à mente minah época de colegial,1994..., em escola estadual. Época de rock and roll puro. Que saudades Humberto!!!

Não consigo imaginar vc um adolescente tímido!!! Mesmo que por pouco tempo.

Caroline disse...

Amigo,
Também estudei lá e como era bom. São tempos que não voltam mais e ficarão pra sempre na memória.

É engraçado todo os alunos de certa forma tinham conhecimento. Alguns mais do que outros, mas tínhamos objetivos, metas e sonhos. Sempre me pergunto onde estão os meu amigos que estudaram comigo, pois na faculdade só me deparei com gente sem um pingo de educação e senso crítico.

Que saudade....

Abs.

Obs.: Um dos seus melhores postes dos últimos meses.

Janaína disse...

Adorei esse post, Humberto! Não estudei no Estadual Central, mas minha irmã, sim. Ela é mais velha que eu 10 anos e pelo que ela conta, ela também sente muita saudade de lá e da época de estudante dela. Acredito que quem passou pelo E. C tenha realmente boas histórias para contar. Apesar de eu ter estudado em escola católica e de "regime militar", também sinto falta de alguns poucos amigos que fiz por lá. Isso me trouxe um monte de lembranças. Como voce gosta de indicar músicas e livros, quero sugerir uma trilha pra esse post: "Meus bons amigos", do Barão Vermelho, banda que também gosto muito e me recorda coisas muito bacanas da adolescência.

Humberto disse...

Sarah, mulher, não fui tímido por pouco tempo, não, foram 17 anos. Pra ser sincero, por mais difícil que pareça acreditar, eu ainda sou. :P

Carol, mulher, você que passou pelo Estadual sabe o que é aquilo na vida de qualquer um. Pelo menos era. E ainda faltou citar as caminhas do Liparini na Serra do Curral. Chegava em Nova Lima vermelho de terra até a testa e rindo de um canto ao outro da boca de tanta felicidade. Ai, meus 17! Ah, e thanks pelo “um dos melhores posts”. :)

Janaína, minha filha, sua irmã é das minhas. E eu vou te contar, segundo me consta, na época dela o negócio era muuuuito melhor.

O que eu sei é que no Estadual ou onde for, pros mais soltinhos ou pros tímidos, essa época é muito boa. Depois escrevo mais sobre isso.

Abrazos pra todas!

Humberto disse...

Sarah, mulher, não fui tímido por pouco tempo, não, foram 17 anos. Pra ser sincero, por mais difícil que pareça acreditar, eu ainda sou. :P

Carol, mulher, você que passou pelo Estadual sabe o que é aquilo na vida de qualquer um. Pelo menos era. E ainda faltou citar as caminhas do Liparini na Serra do Curral. Chegava em Nova Lima vermelho de terra até a testa e rindo de um canto ao outro da boca de tanta felicidade. Ai, meus 17! Ah, e thanks pelo “um dos melhores posts”. :)

Janaína, minha filha, sua irmã é das minhas. E eu vou te contar, segundo me consta, na época dela o negócio era muuuuito melhor.

O que eu sei é que no Estadual ou onde for, pros mais soltinhos ou pros tímidos, essa época é muito boa. Depois escrevo mais sobre isso.

Abrazos pra todas!