quinta-feira, 4 de junho de 2009

1989 - Parte I

Eu sempre comento sobre anos que foram especiais para mim. Eu teria que escrever um livro para falar de 1989. Tanta coisa começou a mudar ali que eu poderia abrir um outro blog só pra falar disso (resta saber quem se interessaria pelas minhas “aventuras”, né?).

Mas 1989 não foi importante só pra mim. Graças a Deus, o mundo não gira em torno do meu umbigo.

Hoje faz 20 anos da histórica “peitada” que o jovem chinês deu nos tanques do Partido Comunista. Qualquer menino de 12 em 1989 já sabia o que aquilo significava – e apesar dos pesares (literalmente), sentia orgulho de ter acompanhado aquele ato todo de bravura. Sobre o corajoso chinês, acho que vale ver isto aqui. E sobre o Massacre na Praça da Paz Celestial, pra quem nunca ouviu falar nele, vale ler isto ou isto.

Minhas aventuras em 1989 podem não ter nada a acrescentar a ninguém. Mas à medida que eu for tendo tempo, vou falar delas aqui no blog. Nem que as use como desculpa para falar das coisas muito maiores que aconteceram no mundo naquele ano saudoso.

Abraços pra todos.
Muito bom dia.
d

4 comentários:

Caroline disse...

Nossa realmente este fato é de arrepiar.

Abs.

Sarah disse...

É claro que me lembro, e como.

Depois quando eu falo que a China é sórdida, eu que sou bruxa.

Uma vez, pensando e repensando sobre essa minha ojeriza cheguei a conclusão que ali se concentram uma grande quantidade de espíritos ainda muito grotescos. De modo geral as soluções encontradas por eles para resolver qualquer problema sempre estão ligadas à crueldade.

O bom é torturar, esfolar, esmagar ,eliminar. É assim que fazem com as pedras no sapato.

Nojo!

Fernando disse...

1989 faz tempo, né? Foi o ano que eu entrei na primeira série do ensino fundamental. Ô tempo bom...

Humberto disse...

Sarah, você sempre por dentro de tudo. Acho que se juntasse num buteco todo mundo que comenta aqui, o papo ia longe.

Fernandão, me senti o Matusalém com seu comentário, mas tudo bem. Vou repensar isso de falar de 1989 (rs). Engraçado como a idade é relativa; naquele ano eu era pré-adolescente e não te daria papo (hehehehe), mas hoje você é um dos meus.

Abraços pra vocês todos.