quinta-feira, 6 de agosto de 2009

o rei e a pantera na capa da Vanity Fair

A edição deste mês da Vanity Fair tem duas capas (o leitor escolhe a que quer), uma com Michael Jackson e outra com Farrah Fawcett. Duas coisas me veem à cabeça com isso.

Em primeiro lugar, o desespero que toma revisteiros como eu quando uma publicação decide fazer mais de uma capa para um mesmo número. Dá vontade de ter todas, mas nem o mais fanático por revista é trouxa o bastante pra gastar dinheiro comprando o mesmo produto com várias caras diferentes. Eu lembro, por exemplo, quando a Vogue brasileira fez 30 anos e soltou a edição com umas dez capas – todas com a Gisa. Acabei ficando sem nenhuma.

A segunda coisa que me fez pensar essa edição com capa dupla da Vanity Fair foi justamente o quanto a revista é fair. A morte da Farrah foi praticamente ignorada em quase todos os veículos de comunicação do mundo por causa da morte de Michael, mais tarde no mesmo dia. Poderia ter tido menor destaque na Vanity também. Mas a publicação optou por prestar à eterna pantera a mesma homenagem que prestou ao rei do pop. Isso pra mim é mais uma demonstração do tipo de detalhe que faz da Vanity Fair a minha revista favorita.

E, cá pra nós, as duas capas, que têm suas semelhanças, ficaram lindas.

Adoro coisa bem feita.

Besos.
s

6 comentários:

Fernando disse...

Puuuuxa!!! Atiça mesmo a vontade de querer as duas revistas. Se eu fosse comprar realmente não saberia dizer qual escolher... As duas estão com capas belíssimas!

R. paschoal disse...

Eu fico com a Farrah, sem sombra de duvidas! Homenagem mais do que merecida!

Humberto disse...

Eu acho que compraria as duas se pudesse, porque são dois ícones muito ícones. Mas eu prefiro a da Farrah também, até pela justiça que foi feita - Tanto que foi a capa dela que ficou no alto do post :P

Abrazos.

Vinix disse...

Ficaria com a Farah pela batalha, mas com a do Michael, pela significação pessoal.

Sarah disse...

Duas capas pra lá de merecidas, lindas.
Eu fico com a do Michael, claro.

Aliás, a notícia bizarrinha que eu li sobre o Ryan O´neil ter cantado a Tatum ( filha dele) no funeral da Farrah foi patético.O gagázódromo não reconheceu a própria filha.

Humberto disse...

KKKKKKKKK, Sarah, eu conheço um cara que flertou consigo mesmo num consultório médico, hahahaha!