terça-feira, 31 de março de 2009

a kiss from a rose on the grey

Você viram que bonitinho a véia levando seu filhinho David Panda pra reencontrar o pai biológico no Malaui? Eu juro que eu acho meigo o sorriso dela, de vera. E dá pra ver que o Seal, sempre rodeado de loiras, também ficou muito feliz em rever o filho.
s

E a Lola acompanhando a mãe? Eu gosto da Lola, pra mim ela é a melhor Betty, a Feia que existe. Além disso, tem outras coisas nela que eu adoro: me lembra minha irmã Lene no auge dos anos 1980, lembra a mãe dela em "Like a Prayer" (que eu adoro), também em seu auge nos anos 1980, e simplesmente porque ela já é style.
a
Ai, ai, a véia bem podia me adotar, junto com a fufura da Mercy. Ainda estou em fase de desenvolvimento intelectual, como este blog bem atesta. Posso começar no kindgarden, MomDonna! Adopt me, pleeeease!!!

Besos, everyone, só essa bobagem mesmo por hoje.
:P
d
s
P.S.: Desde antes do meu aniversário eu já tô cismado querendo um chapéu Panamá... um mais arrumadinho que esse da véia, eu acho.
P.S.2: Não entendeu o título? Serais possible? Clique aqui, alors.
ss

offline

Fernando perguntou: "Humberto, você consegue ficar 4 longos dias sem internet?"

Humberto responde: Bom...
t
... estando diante de uma paisagem dessas, a última coisa que eu consegui lembrar foi da internet, hehehe. E viva o mundo real, mesmo que sóóó de vez em quando. :)

Abrazos!


segunda-feira, 30 de março de 2009

e Deus criou a Gisa...

Olá pessoas queridas que leem o meu blog!!! Tudo bem com vocês?!

Estoy de volta, ainda colocando as coisas no lugar. Foi muito bom passar quatro dias sem acessar a internet e sem ver televisão, mas também é bacaninha dar um rolé pra ver o que pegou nesse período. Já rachei os bicos com os comentários do povo da moda sobre a “prisão” da Eliana Tranqueira, dona da Dasla (com A mesmo).
s
Mas o melhor mesmo foi ver o quanto meu faro continua aguçado para o que diz respeito a revistas e tops. Eu JURO que durante a viagem de volta pra roça, ontem, eu pensei que já era hora de a Gisa voltar a ser capa da Vanity Fair. E, pimba!, chego aqui a dou de cara não apenas com Gisele Bündchen na capa da revista (já falei, vou repetir, minha top favorita na capa da minha revista favorita), mas ainda por cima em fotos espetaculaaaaaaaaares e com New York ao fundo, eu deliro!, é um orgasmo logo de manhã!

Bom, povo, assim que for dando um tempinho eu vou postando aqui. Mil coisas pra falar.

ABRAZOS!
Gisa, gata, ME LIGA!!!

s

quarta-feira, 25 de março de 2009

passa rápido

Caríssimos amigos do “o Humberto explica”,

Este louco que vos escreve estará fora do ciberespaço por alguns dias, de modo que não poderei fazer uma das coisas que mais amo, escrever aqui.

Mas é por pouco tempo. Segunda-feira já estarei de volta. :)

Enquanto isso, já sabem, deleitem-se com os textos do Fernando, da Lorena, das Cerejas, da Alê, da Mayra, do Caio...

É isto, então.

Abração sincero pra todos!
s
s
P.S.: Uma musiquinha pra vocês lembrarem de mim se não aguentarem de saudade. :P
s
d

terça-feira, 24 de março de 2009

heróis

Quem tem que fazer uma ronda jornalística sabe que todo dia é um tal de notícia ruim, de bobagem do mais baixo nível, de Luana e Dado indo e vindo. Hoje, por incrível que pareça, apareceu uma nota bonitinha na internet. Bom, eu achei bacana. Tanto que mesmo supondo que todo mundo já tenha visto eu resolvi postar aqui no blog a imagem do bombeiro que se vestiu de Homem-Aranha para salvar um menininho autista, na Indonésia.

Vá, diz que não é legal uma história dessas? Um super-herói de verdade? Olha o sorriso do menino! :)

É bom ler esse tipo de notícia. Acho que dá mais coragem pra gente, sei lá, faz pensar no que vale no fim das contas, ajuda a esquecer os morcegos e a tentar botar um pouco de leveza na vida.

Bom dia pra everyone.


P.S.: Não contei, mas no final de semana (que foi bom) eu presenciei um assalto a mão armada aqui na roça. Levaram celulares e mais várias bugingangas de amigos meus. Sabe lá Deus por quê (bom, Ele sabe), eu fui o mais calmo na hora. Enfim, valeu pra repensar as bobagens que nos estressam e as pessoas que nos irritam – e pra parar de dar a elas tanta importância. (by the way, falando em Bombeiros, foi no 3º GI que nós fomos parar pra pedir ajuda. Fomos muito bem atendidos pelos soldados, que chamaram a PM. Bom, saímos ilesos do incidente e o resto é o de sempre).
s

sexta-feira, 20 de março de 2009

top 5 com os erros dos outros é refresco

Há tempos eu venho adiando um post pra falar que o “CQC”, que eu achei ótimo quando começou, virou mais uma chatice na televisão aberta. Nem vou escrever, acho que qualquer um que assiste (ou assistia, como eu) sabe que o sucesso subiu à cabeça e o povo seguiu o mesmo destino derradeiro do “Pânico”.

Fato é que hoje eu li este post no site do Caio. Fala do Marcelo Tas, chefe da trupe do programa da Band. E, pra variar, é mais uma demonstração do bom-senso do Caio, uma leitura crítica do mundo que está cada vez (muito) mais rara.

Sugiro totalmente a leitura. Até porque o post ressalta o que é um blog e diz tudo o que eu gostaria de dizer sobre essa ferramenta que eu adoro.

Abrazos, se eu não postar mais hoje, bom fim de semana pra everyone!
s

quinta-feira, 19 de março de 2009

um plus a mais

O maravilhoso jornalismo mineiro.
s

uai, uai, uai?!

Como assim a Ludimila Dayer tá namorando o cara do Outkast e ninguém me conta? Gente, todo mundo dando seu jeito e eu aqui enfiado na roça? Eu quero namorar famosa também, Scarlett me liga!
,

o pato e o gato

Achei isso hoje no UOL e ri demais. É tosco e o pato me lembra muitas das malas que eu conheço, mas eu ri. Aliás, eu lembrei do (sumido) amigo Fulano e de algumas amigas que estão, digamos, desesperadas e talvez isso tenha sido o que mais me fez rir.


Besos.

terça-feira, 17 de março de 2009

soul saying

Ao que parece, Amy finalmente resolveu gravar seu novo álbum. Eu espero que seja verdade. E espero mais ainda que venha coisa muito boa, pra eu poder dar voz à minha alma.

E já que o post é sobre ela, vai um pouquinho do de sempre, que nunca é demais. E eu nunca me canso.
s
Abrazos!
s

segunda-feira, 16 de março de 2009

Beyoncé, beyond

E viva a beleza negra! Depois da histórica edição com Michelle Obama, a Vogue estadunidense traz em sua capa a simpática Beyoncé. E ela está linda. A revista diz com todas as letras que mulheres de verdade têm curvas – o que nos faz esperar que a muitas vezes sem sal Vogue Brasil troque a infinitamente mais sem sal Daiane Conterato (e afins) pela Mulher-Melancia.

Brincadeiras à parte, adorei a capa com a Beyoncé. Uma mulher como a Anna Wintour definitivamente não é foda como é à toa.

Abrazos pra everyone.
c

Jen Aniston em 007 - you go, Bond girl!

E diz que há uma chance de minha amiga Jennifer Aniston ser a próxima Bond Girl. Adorei! Já tô na torcida!

Na verdade nunca vi um 007. Apesar de todo o glamour e tal, a série de filmes nunca me apeteceu. Assisti, na vera, uma única vez, no forward, porque precisava fazer um trabalho pra aula de Estudos Culturais, na Letras.

Mesmo assim, sempre adorei as Bond Girls. Ursula Andress, Jane Seymour, Grace Jones, Teri Hatcher. Acho fair que a Jen seja a mais nova célebre na lista. Apesar de todo o seu passado como atriz cômica e de filminhos românticos (como o “A razão do meu afeto”, que eu adoro), acho que ela é style (e gostosa) o suficiente pra se sair bem como uma das deusas de 007 (veja as fotos abaixo).

Jen, gata, não liga pra essa tal de Peida, digo, Freida. Vai que agora é sua, mulher!

Vou torcer mesmo.
Besos.

já vai?

Acho que vai-se criando uma certa sintonia entre blogueiros amigos. Muitas vezes eu li posts da Lorena que pareciam ter sido escritos por/para mim. Já foi assim com a Polly também. E agora foi a vez do Fernando. Que eu saiba, o autor do CineButeco é de São Paulo; nós nunca nos vimos; é um chegado de internet mesmo. E mesmo assim, sem sonhar com as bizarrices que se passam na minha vida, ontem ele postou esta música do Keane. Quando vi até me assustei. Porque era tudo que eu precisava ouvir – na verdade, dizer – ontem mesmo.

Benditos autores de blogs.
s

que puxa

Amor, se eu faço ideia do que seja isso, é o que eu senti pela minha mulher – que já não é a minha mulher, mas continua sendo a minha amiga. Sobretudo, amor é aquilo que eu sinto pelo meu filho – que não é meu filho, mas o meu neném de quatro patas, que vazou pra melhor lugar em 2005, exatamente quatro anos atrás.

Como eu ando querendo ver o lado positivo de tudo, não vou falar da dor que eu senti quando meu filhote morreu – primeiro porque não daria pra descrever e segundo porque, por mais significante que seja pra mim, eu sempre fico meio com vergonha de contar, imaginando o que deve ser a dor de quem perde filho de vera.

De toda maneira, esse blábláblá todo é só pra falar que eu descobri, via Ricardo Lombardi, um site que contém todas as tirinhas do Charlie Brown e seu Snoopy. Dica totalmente assinada embaixo por este blog.

Muito tempo atrás eu já fui bem Charlie Brown. E meu neném, coincidentemente, era chamado de Snoopy por muita gente.

Ver as tirinhas do Minduim me fez lembrar do Plutón, que viveu comigo 16 anos, e lembrar da “madrasta” dele, tudo ao mesmo tempo. E tudo isso nesta hora em que eu me pergunto o por quê desses relacionamentozinhos de bosta que eu venho tendo...

Postzinho lenga-lenga este, não?

Só pra começar a semana mesmo. Divirtam-se com os quadrinhos, pelo menos. E sejam sinceros com os seus sentimentos. E, façam o que eu digo não façam o que eu faço, fujam de gente pateta que não vale, como diria minha mãe mexicana, um pedo em la cuchara.

Besos!
s

quinta-feira, 12 de março de 2009

que burro, dá zero pra ele!

Eu não consigo nem engatar minha leitura de “Wuthering Heighs”, que eu comecei em janeiro! Tô me sentindo o último dos tapados. Não gosto de desistir das coisas ou mesmo de dar um tempo, mas acho que vou passar uns vários livros na frente. Por enquanto meu conhecimento do clássico de Emile Brontë está igual ao da Rachel (vá ao minuto 6:25 do vídeo e você entenderá).

Ah, Cathy, será que eu vou dar conta de ler a sua história de amor com o Heathcliff? Ou vou acabar optando pelo caminho mais fácil e alugar o filme (ótima desculpa pra ver a Juliette Binoche)?

Whatever.
Abrazos!


P.S.: Eu sou tão ridículo que li a sinopse do filme e voltei a ter vontade de ler o livro. Como diria a Mari, minha amiga, “ô éguo!”.
d

terça-feira, 10 de março de 2009

uma certa Gia Carangi

Alguém pode acabar achando que é algum tipo de bizarrice de minha parte falar tanto em modelos que já se foram. Não é bem assim a coisa. Realmente sou fascinado pela beleza e pelo trabalho da Adriana de Oliveira, como já cansei de dizer aqui – nesse caso, eu acompanhei a breve carreira dela.

Há uma outra modelo já falecida por cuja biogrfia eu me interesso. Desde 1999, quando assisti a “Gia”, talvez único filme realmente muito bom que Angelina Jolie tenha feito além de “Garota interrompida” (Fernando, não me mate), também fiquei meio fascinado pela Gia Carangi, a top model dos anos 70 e 80 que inspirou o longa do HBO. Lembro que na época, quando estava no Texas, praticamente escavei toda a Biblioteca de Belas Artes em busca de fotos dela. Porque além de serem lindas, eram fotos do Francesco Scavullo e eram para as capas da Cosmopolitan. Enfim, era todo um conjunto de coisas que eu adorava.

Hoje, super sem querer, enquanto apurava uma nota, achei um blog de algum fã da Gia. E nesse blog há várias fotos, várias capas. Eu elegi esta aí acima para ilustrar este texto (amarela, como eu gosto, logo branca , como eu gosto, Cosmopolitan bem Cosmopolitan mesmo, como eram as que me fizeram ser um apaixonado por revistas e por suas capas lá uns 20 anos atrás).

O autor do tal blog parou de postar em 2007 e não deixou espaço para comments – nesse caso eu já teria escrito pra perguntar qualquer coisa, fazer contato. Mas vale dar uma passada lá. E pra quem não viu, vale muito ver o filme com a história de Gia. É pesadinho, mas vale.

Drogas são mesmo uma bosta. Foderam com a Gia, mataram a Adriana.

Besos to everyone.
s
s
P.S.: Quem viu o filme vai reconhecer esta imagem. De arrepiar os pelinhos.
s

segunda-feira, 9 de março de 2009

o sorriso mais lindo do mundo

Finalmente comprei meu exemplar da biografia de Clara Nunes, espetáculo da belezura, do talento, do carisma. Acho que já mencionei que o sorriso dela é o mesmo da Janaína, grande amiga, grande leitora. Como o tempo anda curto, e eu comprei mais um monte de livros, minha mãe vai ler primeiro. Depois que eu finalmente puder me dedicar a essa leitura eu comento aqui, sobre o livro e sobre a grande cantora. :)

Besos.


P.S.: Já sabem, se precisarem rodar a baiana, optem pela Morena de Angola que leva o chocalho amarrado na canela - você derruba o barraco como, mas com muito mais estilo, hehehe.
s

mulheres e mulheres

Não consegui escrever ontem, dia 08 de março, o fa(migerado)moso Dia Internacional da Mulher. Ano passado foi uma longa semana de posts sobre o assunto, que renderam os mais variados comentários. Foi excelente.

Como, por motivo que eu desconheço mas agradeço, o “o Humberto Explica” se tornou um blog cheio de leitoras, acho justo celebrar de algum modo a data, mesmo entendendo que ela nem deveria existir – disse e repito, dia da mulher é todo dia.

Este ano tinha decidido, porém, não babar o ovo, mas puxar a orelha. E daí encontrei uma citação da atriz Sienna Miller, que esteve no último post. Pega no flagra com o marido de outra ano passado, Sienna ainda ouve muito por isso (é quase uma Jennifer Aniston ao contrário. Em resumo, se a mulher põe o chifre ouve, se toma o chifre ouve). E é da Sienna Miller a afirmação que eu vou deixar aqui pra que vocês, queridas leitoras e amigas, reflitam:

“Nós dizemos que queremos ser iguais aos homens, mas eles não se sentam para ficar dizendo maldades uns sobre os outros. Não há irmandade entre as mulheres”.

Aproveitando também que este é um blog que praticamente vive das histórias de Angelina Jolie x Jen, deixo aqui o link para um blog de mulherezinhas que eu achei semana passada. Elas despejam veneno, digo, falam da Jen. Acho que serve de exemplo do que eu estou falando. Deixo também o lamentável texto que o maior-ego-do-mundo, Rosana Herman, escreveu sobre a ministra Dilma Russeff (consegui o link em um outro blog, somente). Enfim, (maus) exemplos de mulheres pisando na bola com outras mulheres não faltam. Todas vocês devem conhecer histórias e devem ter passado por isso.

Pra fechar, fica aí a imagem de algumas das mulheres que eu mais costumo ouvir as outras mulheres descendo a lenha. Os motivos nem sempre são os mais plausíveis (beiram a pura birra mesmo). Será que é pra tanto?

Pra não dizer que eu peguei pesado e que eu estou no mau-humor (não estou), deixo o link para o texto mais bacana que eu já li no Dia da Mulher. É longo e por incrível que pareça é do KibeLoco. Mas é o post que eu gostaria de ter feito para minhas leitoras.

Parabéns a todas vocês, não só pelo dia, que já passou, mas pelo dia a dia. Pela luta diária e constante e ainda longe, muito longe de terminar.

Cuidem-se. Se possível, umas das outras.
s
Besos!
ss

matemática





a

sexta-feira, 6 de março de 2009

sexta-feira teaser

Sexta-feira no fim, fim de semana no início. Humbertão exausto, mas pronto pra sutar o balde.
d
Deixo meu abraço de sempre, uma música pra ouvir alto amanhã de manhã, quando acordarem felizes da nite e uma foto da Sienna Miller, que eu confirmei, pela Wikipedia, que nunca fez nada de consistente, mas que proferiu o comentário que me fará postar no próximo domingo, dia 8 de março. Se tiverem um tempinho passem aqui pelo blog. Ou leiam na segunda-feira.

Be happy, folks. Beijem bastante.
Por ora, fui!
s

quinta-feira, 5 de março de 2009

olhos de ressaca, alma embriagada, felicidade genuína

Desde que eu li o último post da Lorena, no EntreMinhas Linhas uns dois dias atrás, uma música não sai da minha cabeça. E da minha alma, eu diria.

Na verdade ela já estava em mim desde que a ouvi a primeira vez, mas foi tão rápido que eu acabei esquecendo. Lembram que eu comentei, em dezembro, que tinha visto parte do capítulo final de “Capitu”, na Globo, e que tinha adorado? Eu lembro nitidamente que eu pirei mesmo foi na cena final, sobretudo com a música que tocou (e com as Capitus jovem e adulta, claro).

Anyways, a música da minissérie é a música de que a Lorena fala. Trata-se de “Elephant Gun”, da banda Beirut, e eu simplesmente não consigo parar de ouvir. Ela incrivelmente sempre me arrepia os pêlos todos, do jeitinho que aconteceu quando eu ouvi na TV.

O link pra ouvir a canção é este (é do Youtube, eu não assisti ao clipe. Só escuto a música, pra não tirar nem a Maria Fernanda Cândido da cabeça nem as outras coisas tantas que me passam quando ouço).

Já falei mil vezes do quanto música mexe comigo. Não saber cantar ou tocar nenhum instrumento é bem frustrante. Mas eu me delicio com os acordes dos outros.

Besos.
Thanks
Lorena. ;)


P.S.: Como mencionei, não vi a série inteira, por burrice. Parece-me que a música era tema da Capitu jovem. Mas vai a foto da Capitu madura mesmo, que é a perfeição pra mim.
s

terça-feira, 3 de março de 2009

meoooowww...what?

Esta eu achei no site da Érika Palomino, enquanto fazia minha ronda diária pelo que acontece nesse nosso mundo-cão.Aliás, diz respeito ao mundo dos cães mesmo. Mais particularmente aos cães de bibas.

Num ponto bacana de São Paulo, alguém teve a brilhante ideia de inaugurar um Pet Shop para animais de estimação de gays e simpatizantes. Bacana, não? Pelo menos assim ninguém vai ter que ser zoado (maltratado) na hora de levar o poodle pra tosar. Também gostei do nome da loja. Enfim, coisa pra pet shop boy nenhum botar defeito.

Eu só não entendi uma coisa: Entre os mimos vendidos na loja para os caninos há itens como...

Bolsa de couro de cobra com couro de antílope (R$ 1.000)...

Bolsa de couro de avestruz com couro de jacaré (R$ 1.000)...

Bolsa de couro de vaca (R$ 460)...


Então o estabelecimento se baseia no respeito ao ser humano e aos bichinhos, desde que esses sejam fofos, né? Tipos, se abrir uma filial na Coreia vai comercializar bolsa de poodle e escova de bigode de gato fácil? O que será que o Peta vai achar dessa escolha coerente de produtos pra comercializar num pet shop?

Whatever, né?

Abrazos pra everyone.

segunda-feira, 2 de março de 2009

just let it be, dude

Deus deve mesmo ter dó da minha burrice (intelectual, espiritual, de vida...). Numa segunda-feira em que eu já acordei me sentindo um bosta e que eu reatei com minha esposa depois de umas turbulências, Ele me deu a graça de receber uma ligação da Luisa, essa sim, inteligente que só ela, pra, sem esforço nenhum, me dar um ânimozinho de novo.

É MUITO bom ver gente bacana se dando bem. Ver o esforço e o talento de alguém sendo reconhecido, sobretudo em tempos em que o que conta é a puxação-descarada-de-saco, é um alívio e uma forcinha a mais pra ter paciência.

Lu, mujer, você não existe. Aliás, existe sim. E merece todo o sucesso que você vai fazer.

Besos, gata.
Besos everyone.


P.S.: A Luisa adora os Beatles. Eu adoro “Let it be”.
s