domingo, 31 de maio de 2009

keep smiling

Bendito seja Deus pelo final de semana bento que eu tive. Que a semana seja benta também. Pra vocês todos, pra mim, pra todo mundo.

Abrazos!
s

sexta-feira, 29 de maio de 2009

boooora galera!!!

Povo todo que lê e dá vida pra este blog, bom final de semana pra todos vocês!
s
Façam como este blogador aqui, vaza pra nite e trata de sujar muito o All Star!!
d
Abrazos pra todo mundo, bora ser feliz!!!

s

quinta-feira, 28 de maio de 2009

geladeira

Sandra Annemberg dando notícia boa:Sandra Annemberg dando notícia ruim: Sandra Annemberg dando notícia de tragédia:Sandra Annemberg xingando a sua mãe:
Acharam que eu tinha esquecido da campanha "SBT, contrata a Sandra", né? Esqueci nada. Ainda mais quando eu sei que não sou o único que veria valor na contratação de tão renomada jornalista por tão séria emissora de TV. Dá uma olhada no que saiu há poucos dias na coluna do Flávio Ricco:
Vamos lá, Seu Sílvio, esquece essa Maísa e chama a Sandra!

P.S.: Fernando, sorry, eu sei que você não acha a campanha muito justa, rs.
P.S.2: Não custa tentar uma outra campanha também... "SBT, contrata o Luciano Huck".

P.S.3: OK, vamos combinar, o melhor mesmo é desligar a televisão e ponto final. Só tem porcaria na TV aberta mesmo...
s

quarta-feira, 27 de maio de 2009

juízo

Eu acho que eu devia aposentar o blog e deixar minha rainha do carnaval favorita me substituir. O "Luma Explica" ou "Luma Ensina" seria um sucesso. Pelo menos entre algumas das minhas leitoras. Não acredita? Mira isso.
s
Êita! Aprende mulherada, aprende!
s
Besos!

terça-feira, 26 de maio de 2009

watch out!

Ana Carolina vai cantar "Força estranha" no show das cantoras em homenagem ao centenário de Roberto Carlos. Sai de baixo!!!
d

segunda-feira, 25 de maio de 2009

aqui estou, inteiro a seu dispor

Não, gente, essa aí não é nenhuma das minhas amigas tapando os ouvidos no ônibus pra não ouvir a bullshitada que a pobrada conta em voz absurdamente alta. Essa aí é a Charlotte, a Casiraghi, a neta da Grace, a filha da Caroline, a sobrinha da Stephanie, a de Mônaco. Isso mesmo, a princesinha.

Ela não é fina? Olha a cara dela assistindo ao Grande Prêmio de Fórmula 1 em seu país, ontem.

Ai, é só isso. Só pra dar uma levantada na moral deste blog, depois de falar de Maísa, Jucas e outras tosqueiras afins.

Um pouco de glamour e luxo não faz mal a ninguém, não é vero?

Besos!
s

nóis é perfeito, mas também nóis erra

Olá everyone, tudo em riba?!
d
Pra começar bem a semana, já zoando o povo, que tal duas das capas deste período? Hum?

Olha aí em cima, que beleza! Nem eu no PaintBrush conseguiria fazer uma arte tão bem feita quanto essa na capa da Veja, "a superior". Alguém me explica essas pernas de um lado e o tronco do outro. Alguém? Alguém?

Eu vi essa tosqueira numa banca, sábado. E antes que eu pudesse me contorcer de tanto rir, vi também a capa da Quem. OK, quem responde pelas capas dessa revista Quem? O sujeito me coloca a Suzana Vieira mais jovem que uma menina de 12 anos, depois coloca a Cráudia Leche, no auge do bebê doente, na capa do dia das mães e agora me põe esse casalzinho (???), com cara de "não foi bom, mas eu gozei". Não pode ser alguém que está muito satisfeito em trabalhar na publicação, não pode. Alguém aí que tenha assistido o "Big Bother 9", me diz, por que cismaram com esses dois? O cara eu prefiro nem comentar, mas a menina, o que é essa cara de dodô? Ela me lembra total a Raílde, do "Domésticas" (sem o brilho e a graça de Raílde, é claro).

Enfim, que acabe logo o mês e venham as capas mais bonitinhas de junho.

Abrazos pra everyone, dias melhores pra todos nós!
:)
c
s
P.S.: Pra quem não viu "Domésticas", fica a dica.
s

sexta-feira, 22 de maio de 2009

botando pra fora

(de Oliveira)

(Chaves)
g
(da Cida, na novela "A Favorita").

Escolha o seu, porque o meu eu já chamei a noite inteira. Sem mais por hoje. E sem besos também, por precaução.
:P
s

quarta-feira, 20 de maio de 2009

bizarro, bizarro, bizarro

Há uns tempos eu vinha querendo escrever sobre aquela criancinha mala que trabalha naquele canal que eu tenho ojeriza, o SBT. Mas eu sempre achei melhor não falar nada, porque eu já tinha dito que eu tenho medo dessas crianças prodígio e porque eu tenho pelo menos uma amiga muito brilhante que adora a menininha em questão.

Na verdade, o que me incomodava nem era a menina (não tive paciência de assisti-la na TV por mais de um minuto). Meu problema era com a pressão absurda, absurda, absurda que a emissora e principalmente a imprensa marrom-bombom fazem sobre ele. A comparação ridícula com o trabalho da Xuxa – com leituras toscas dos dados do Ibope, inclusive. Em resumo, me deixava de queixo a exploração descarada e indiscriminada da pobre da menina, que só agora vai fazer 7 anos.

Pois bem, finalmente resolveram ver o óbvio. E agora todo mundo (pode me incluir aí, deixei pra escrever só agora mesmo) resolveu que é um absurdo o que fazem com Maísa (a menina, não a musa). Quero só ver no que isso vai dar.

***
s
Hoje eu tô mais pra Maysa, a cantora, que Maísa, a malinha. E como, ao contrário do que diz aquele cliché, não dá pra fazer limonada com este limão azedo aqui, termino este texto.

Besos pra everyone.


P.S.: “Mas as crianças adooooram a Maísa...”
P.S.2: Sem comentários pro "CQC" criticando o Sílvio Santos. Como se só o SBT tivesse perdido a noção com o uso da imagem da menina.
s

terça-feira, 19 de maio de 2009

só Jesus na causa

Olha isso que eu achei na “Folha de São Paulo” de hoje. Mas olha mesmo!
KKKKKKKKK, é podre, mas é hilário!

Descrito como “um jornal que não serve nem pra limpar a sua bunda”, o “Sensacionalista” tem “matérias” de todas as editorias regulares em qualquer jornal e fala de tudo que está na pauta –
e de tudo o mais – da maneira mais absurda e engraçada imaginável.

Além da entrevista com o namorado da Madonna, hoje também está imperdível a nota sobre a atriz que vai viver a Margarida no cinema e sobre a nova aposta da indústria portuguesa de sorvetes.

Ai, Deus, vai pro favoritos do blog ontem!

Abrazos pra everyone!
s

Ditto e feito

Lembram daquele papo todo de a Kelly Clarkson estar gorda e tal? Então, algum de vocês já ouviu falar da Beth Ditto?

Provavelmente, sim. Ela é a vocalista do The Gossip, descrita como uma banda de indie rock estadunidense pela Wikipedia. Além disso, Beth é super-ultra-top-mega queridinha do povo da moda. Já foi capa de não sei quantas revistas fodinhas, como essa a número 1 da Love, aí acima.

Anyways, fato é que eu tenho ouvido alguma coisa da cantora (I mean, música) e tô gostando (depois de todo mundo, eu sei...). O clipe de “Standing in the way of control” rola quase que diariamente na MTV de manhã cedérrimo. Eu gosto dos berros da Beth. Também ouvi uma outra faixa, "Heavy cross", achei cool (não um cool Malu Magalhães, cool de bacana mesmo).

Enfim, resolvi falar da Beth pra pôr mais lenha na fogueira da relação entre boas cantoras e seus pesos, pra dar a dica musical e simplesmente pra falar da Beth por aqui. Depois deixem suas impressões.

Abrazos!


P.S.: Não tenho tido tempo de responder os comentários, mas vou fazê-lo logo. Eu fico aflito quando não comento os coments. :P
d

segunda-feira, 18 de maio de 2009

homem-jaca

Depois da Josi, do “Big Brother”, Caê, o “Big Bother”. Mira que ótemo.
s
A-do-rei a mãozinha dele pro povo parar de dar gritinho, hehehe. Consigo até imaginar a música que ele teve vontade de cantar depois, fulo da vida: “B...eeeta, b..eta, eta, eta...”.

É.. cai a Cráudia Leche, cai a véia, cai Beyoncé, cai a Josi, cai Caê... quem anda encerando esses palcos?

Abrazos, e segura o corrimão pra não pagar a língua!
s

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Michaela Bercu e a beleza da naturalidade

Eu sei que as minhas leitoras vão me tacar até pedra, mas eu tenho que comentar.

Bom, enquanto procurava as novidades sobre moda nesta semana, descobri que a capa de Vogue favorita da Anna Wintour (diretora da revista e mulher mais foda do mundo da moda) é também a capa da primeira edição da revista sob sua chefia, a de novembro de 1988.

É essa aí acima mesmo. Eu já tinha visto essa capa. E eu acho linda, linda, linda, linda – e linda! A top na capa é a Michaela Bercu, israelense, que era muito top nessa época.
d

Em 1990, quando eu era “o doido que gostava de modelos”, ela esteve no Brasil e fez umas capas maravilhosas. Todas as fotos dela são uma coisa – e foi tão difícil escolher uma só pro post que eu resolvi espalhar várias delas por ele. Eu era doido por essa mulher, doido, ela só perdia pra Cindy.

Anyways. Não é por causa da Michaela que leitora minha vai me xingar. É por causa da beleza anti-chapinha dela.

Eu olho pra essa capa da Vogue e, mesmo sabendo que é muito anos 80, eu não consigo deixar de achar que a beleza e esses cabelos da Michaela são a coisa mais linda do mundo. Tudo bem, o mundo e as maneiras de vê-lo são muito grandes, mas justamente por isso eu acho que é hora da mulherada dar um tempo pros cabelos. Será que todas elas têm que fazer chapinha? Eu jurava que isso era onda e ia passar, mas continua e continua. Será que não existe nenhuma corajosa disposta a assumir a beleza de um cabelo cacheado ou de um cabelo crespo bem tratado?

Tem uma foto da Michaela, abaixo, mais atual (e ela uns 20 anos mais velha, claro). Ela está de chapinha. Digam a verdade? O que vocês preferem?

Bom, o que vocês preferirem está valendo. Mas eu vou ficar na torcida pro movimento “free-your-hair” pegar uma hora. :P

Besos pra todas, não me zoem muito nos comentários, please.


P.S.: Pro Fernando, do Cine Buteco, vale lembrar que a Michaela foi uma das noivas do Drácula, no filme de Francis Ford Copolla, em 1992.
P.S.2: E aproveitando o sorrisão style e maravilhoso da Michaela, besos e bom final de semana pra todo mundo!

“Humberto, qual o significado de escutar, repetidas vezes, ‘você é a garota mais legal que já conheci na vida’, mas ficar só nisso mesmo?”

Aêêêêêêêêê!!!! Até que enfim alguma doida resolveu voltar às origens deste blog e fazer uma pergunta! Vamos lá, o Humberto explica!

Bom, a “perguntadora” ressaltou que ela escutou isso de pessoas diferentes em ocasiões distintas e que ela não engordou mais que 5kg (rs).

Então, gata-garota, acho que não tem nem que ser um Humberto pra explicar o básico dessa afirmativa masculina aí, não. Em bom português de macho, dizer "você é a garota mais legal que já conheci na vida" e "você é muuuuuuuito linda” e ficar só nisso significa que, para esse Zé, você é bacaninha e tal, mas não faz o tipo dele – e, como você é muito linda, pode ser que ele te ligue quando as prioritárias não derem bola pra ele. Assim, basicamente, é isso.

A fim de salvar a minha pele, cabe lembrar que o slogan deste blog, inspirado no clássico do New Order, é “the wisdom of the fool won’t set you free”. Ou seja, a pouca frequência com as respostas pode ter feito eu perder o jeitinho de explicar questões fundamentais como a sua (rs). E as chances de a minha explicação ser pura bullshit são todas. Em resumo, não me odeie, please.

Se serve de consolo, vou insistir na máxima-clássica de que "homem é igual biscoito" (vai um vem dezoito), então não perca seu tempo com esses Zé bostas. Procure seguir a cartilha da escola Luma de Oliveira de relacionamentos. Você terá muito mais a ganhar com isso.

E, por fim, tenho que agradecer a pergunta. Meninas, podem usar o espaço e perguntar o que quiser. Minhas respostas são toscas, mas são de grátis.

Besos!


P.S.: Na foto, a atriz Ginnifer Goodwin, protagonista do filme “Ele não está tão a fim de você” (que é bem fraquinho, mas trata bem desse tipo de dúvida).
P.S.2: O filme é fraquinho, mas a cena da secretária eletrônica já é clássica, kkkkkkkk!!!
s

quinta-feira, 14 de maio de 2009

senhora do photoshop

Olha, eu não tocaria neste assunto não fosse o fato de eu ter recebido emails de leitores fiéis cobrando um post sobre isso.

Na verdade, não vou falar nada mesmo. Preferi só postar as imagens aí, em respeito aos meus digníssimos amigos de blog. As conclusões ficam pra cada um.

Com vocês, Suzana Viera, em fotos (e maquiagem) de Fernando Torquato para a revista Quem.
:P

(difícil fazer legenda, sorry.)

terça-feira, 12 de maio de 2009

patrulha

Eu andei lendo umas notícias sobre duas cantoras esses dias. Uma cantora era a Amy, ícone. A outra era a Kelly Clarkson, que ficou famosa por ter sido a primeira vencedora do “American Idol” – você deve conhecê-la por conta daquela música “Because of you”.

Anyways, as matérias que li não tratavam do talento nem do trabalho das jovens. Falava do corpo das duas. O que me leva à primeira pergunta deste post: o corpo de uma cantora é assunto assim tão imprescindível para analisar seu trabalho?

As matérias que tratam da Amy, a gente já sabe, falam do quanto ela está magra e do quanto isso é péssimo. Grande novidade.

As matérias que tratam da Kelly Clarkson falam do quanto ela está gorda e do quanto isso é péssimo.

Como diria uma outra cantora, um pouco menos talentosa que as duas supracitadas, so what?

Um post do site Papel Pop foi o que mais me chamou a atenção. Eu gosto do site, é muito engraçado na maioria das vezes, mas eu não entendo algumas críticas de seu autor. Na verdade, não entendo o por quê delas. Hoje o cara escrotizou tanto com o fato de a Kelly Clarkson estar gorda que eu cansei. Primeiro, cansei porque qualquer mortal minimamente atento já tinha sacado que a menina tem biotipo de mulher mais gordinha – e naturalmente devia ser forçada por agentes a se manter magra; Segundo, porque a voz da menina é ótima, e no fim é isso que importa. É uma cantora, não uma top model, ora bolas.

Esse tipo de nota me faz pensar no quanto a mídia e os comentaristas e muitas pessoas, de modo geral, são malas. Em vez de cuidar de suas vidas ou de algo que importe, ficam preocupados com a vida dos outros, com o corpo dos outros, preocupados em contribuir com a infelicidade dos outros.

É muito bizarro esse estilo de vida que aceitamos. É viver demais em função bisbilhotar e, se possível, importunar os outros. Deus do céu, será que é assim tão difícil ter um pingo de bom senso hoje em dia?

São os anos 2000, eu acho, é a década do “Big Brother”. É a naturalidade que ganhou a preocupação com o que não nos interessa.

A Amy tá magra? A Kelly Clarkson tá gorda? Problema das duas. Se é que elas consideram isso problema. Afinal, alguém se lembrou de perguntar se elas estão felizes como estão? Não lembrou, né? É que felicidade não interessa. Muito menos a alheia.


P.S.: Outra cantora, muito menos talentosa que Amy e Kelly, também vem sendo alvo da patrulha do peso alheio. Encheram tanto o saco de Jessica Simpson que ela acabou ganhando a (maravilhosa) capa deste mês da Vanity Fair, justamente por isso. Desconsiderando photoshops e roupinhas-que-ajudam, eu deixo aqui a pergunta que está na chamada da revista: Você chama isto de gorda?
s

Gisele Bündchen

Definitivamente, eu não tenho como dizer o quanto eu admiro a Gisa e sua trajetória.

Dá uma olhada na beleza. Dá uma olhada, por favor, nisso. E se você fala inglês (e está com um pouquinho de tempo), dá uma olhada nesta matéria do “The Independent”.

Eu já falei muito da Gisele aqui. Muitas vezes até brincando. Mas eu honestamente admiro esta mulher.

Um brilho.

Besos pra everyone, bom dia.
s

sexta-feira, 8 de maio de 2009

chuta!

Acho que já comentei que já fui muito, muito parecido com o Charlie Brown. Eu jurava que já não tinha muito mais semelhança com ele. Mas aí eu vou vivendo dia após dia. Dias como esses últimos. E vão me fazendo coisas surreais. E eu chego realmente muito perto de entregar os pontos. Mas aí, pimba!, mesmo assim, eu continuo insistindo.

Eu sou muito o Charlie Brown tentando chutar a bola que a Lucy segura. Graças a Deus.

Besos pra everyone, bom final de semana pra todo mundo!
:)
m

beleza pouca é bobagem

Eu vou te contar, dinheiro faz bem demais. Dinheiro traz a felicidade e a felicidade traz a beleza. E olha só como a Gisele anda bonita, putamerda. O cabeçudão dela também tá bem na fita.
s
Gisa finalmente assumiu que casou naquelas duas ocasiões. Na verdade, eu estive no primeiro casório, na Califórnia, mas não rolava de contar aqui, sabe como é? Foi até por isso que eu cancelei as comemorações do meu aniversário, já que as datas meio que coincidiram.

Ai, Deus... que pelo menos um pouco da felicidade, da beleza (e, principalmente, da grana) dessa mulher sejam dados a esses pobres mortais aqui.

Besos, Gisa, me liga, please.
s

uma mudança faria bem

É interessante como o mundo vai mudando. E às vezes a mudança acontece onde a gente menos espera.

Não é que o site ParentDish.com fez uma enquete com mais de 10 mil pais e mães estadunidenses, perguntando com quem eles deixariam seus filhos caso precisassem, e, veja só, deu o casal Ellen DeGeneris e Portia de Rossi (as duas aí na foto)? Isso não é bacana?

A mudança não para por aí, não. Em segundo lugar na lista, está a (ainda) solteira Jen Aninston! Seguida, claro, por Brangelina (Brad Pitt + Angie Jolie).

Ellen e Portia venceram a Madonna também, mas, convenhamos, isso não parece muito difícil não.

Achei um tanto histórica essa medição. E vocês, o que acham?

Abrazos.
s

P.S.: A Ellen DeGeneris não é a cara daquele filho chato do Ferraço, naquela novela igualmente chata? :P

the beautiful people

Eu já tava com saudade de ouvir algum boato novo sobre essas duas. Que tal o desta semana?

:P
s

quinta-feira, 7 de maio de 2009

quarta-feira, 6 de maio de 2009

medo e o lobo

Precisa dizer alguma coisa? Não seria uma ótima releitura da historinha clássica? Na verdade, fica uma pergunta: quem sofreu a mutação mesmo?
d

um vapaporra de vez em quando faz muito bem

Eu já comentei algumas vezes que minha cyber-friend Lorena Pôssa muitas vezes parece escrever por mim. Mas hoje ela bateu o recorde. De manhã e mais tarde.

Na foto acima, parte da minha mesa no trabalho, com as imagens da Amy com a pulga atrás da orelha e da Liliane Ferrarezi linda e maravilhosa, com cara de “ai, cansei da pobrada”. Minhas musas, pra quem eu olho quando preciso insistir.

Tem também um recadinho, escrito num post it, que eu colei pra deixar bem claro o que eu não vou mais deixar: que me ponham pra baixo.

Resumindo: Lorena, mulher, coragem! E xinga mesmo. E se afasta dessa gente negativa que só faz atrasar a vida.

Besos pra everyone.
s

terça-feira, 5 de maio de 2009

complicado

Viram a Claudia Leitte na capa da Nova? (“Humberto, é isso mesmo, você falando de Cráudinha Leitche no bluóg?”). Nem vou comentar esses fundos esquisitos que a revista vem usando em suas capas. Aliás, comentar o mau gosto nas capas da Nova não é novidade pra ninguém.

Nem vou falar da Nova. Vou comentar é sobre a estrela da capa de maio mesmo. Mês das mães. E nenhuma mãe poderia ser mais perfeita para a capa dessa revista que a cantora baiana em questão.

Anyways, que eu não sou fã de Claudia Leitte também não é muito novidade por aqui. Mas até aí grandes bostas, não vai mudar a vida de ninguém ser mais ou menos bem quisto por mim.

Enfim, quando da divulgação exaustiiiiiiiva do fato de que duas semanas após dar à luz a moça já estava exibindo excelente forma física eu até pensei em postar a respeito, mas achei que ia ficar parecendo uma versão mega-power de um post publicado sobre a Angélica ano passado. Achei melhor largar pra lá. Outras pessoas comentaram o fato – o texto que deu mais repercussão e até irritou a cantora foi publicado no jornal “O Tempo” (aquele jornal, lembram?), e eu, particularmente, achei de péssimo gosto e um tanto indelicado.

Não tenho intenção de julgar a Claudia Leitte nem ninguém. Cada um sabe das suas. Mas, sinceramente, lendo hoje a informação de que o filhinho de três meses da cantora está internado com meningite eu tive vontade de escrever. Na verdade, vontade de pensar o que se passou, o que se passa. Será que vale a pena deixar um filho recém-nascido, digamos, meio de lado pra recuperar a forma física em duas semanas? E pra fazer mil shows, gravar mil programas? Será que não rolava uma pausinha, uma licença-maternidade? Não é insegurança demais, medo demais de sumir da mídia, não? Porque na época do carnaval, eu até entendia ela ter que voltar à ativa rápido, é A época em que cantoras como ela brilham e tal, tinha que dar um jeito de voltar mesmo, por mais absurdo que soasse. Mas passado o festejo, eu acho que dava pra dar um tempinho, curtir o bebê fofo, voltar depois, renovada, cheia de experiências novas.

Bom, eu não sou mulher, não sou famoso, não sou mãe (muito menos de um bebê que está doente). Não tenho parâmetro nenhum pra avaliar a questão. Nem tenho que avaliar questão nenhuma, quem sou eu? Eu torço, de vera, é pra que o menino se cure logo, que a mãe dele tenha paz e que os dois vivam como lhes seja possível para serem sempre felizes.

Mas, amigo de uma mulherada e estudioso da imagem da mulher na mídia que tenho sido, eu torço também pra que essa moda de voltar à boa forma em tempo recorde não se torne regra para todas. Porque senão, imagino, o que vai ter de mãe e bebê infeliz por aí não será brincadeira.

Juízo pra todos nós.

Abrazos.
S
S

P.S.: Posso até não ser fã da Claudia Leitte, mas pelo menos é um alívio alguém diferente na capa da Nova.
P.S.2: Não consegui a imagem da capa mesmo da revista ainda, com o fundo ridículo, quando achar atualizo.
s

segunda-feira, 4 de maio de 2009

quer dividir?

Este post não tem nada a ver com um certo publicitário aqui da roça. É um texto curtinho, sobre a “música na cabeça da semana”. Divide comigo, vai? Eu tenho que compartilhar com mais alguém quando essas “canções” surgem do nada e garram no meu ouvido.

Dessa vez, não sei se foi porque tocou um milhão de vezes no feriado, em todos os lugares onde eu estive, ou porque era pra ser mesmo. Enfim, sejam bonzinhos, cliquem na imagem aí em cima, escutem as mocinhas bonitas e divirtam-se com o chicletim da vez. Depois tentem fazer qualquer trabalho intelectual ouvindo martelar na sua mente: “I-hate-this-part-right-heeeeeeere...”.

Hahahaha,
bezos, boa semana pra everyone!
s

domingo, 3 de maio de 2009

déjà vu

Este é o Malvino Salvador interpretando um lutador de boxe na novela “Sete Pecados”. Na trama, ele era um machão, namorado da Nívea Stelman, que a tratava feito uma anta. No folhetim, ele tinha esse look aí. A novela acabou e ele já estava em...

...“A Favorita”. Nessa novela, Malvino Salvador era um operário, machão, que tratava a Helena Ranaldi feito lixo. Ele usava esse look aí acima. A novela nem acabou e ele já estava escalado para ser...

...O mocinho de “Caras e Bocas”. Nessa nova novela, em que ele aparece com esse look aí da foto, Malvino Salvador interpreta um pobre, machão, que trata a irmã cega feito uma incapaz.

Resumindo: Depois a porra da Globo ainda não sabe porque o ibope de suas novelas não para de cair. Tem mais de um ano que somos obrigados a ver o Malvino Salvador fazendo o mesmíssimo papel com a mesmíssima cara! Isso pra não falar de outros atores com quem acontece a mesma coisa. Será que é tão difícil assim fazer uma boa escalação? Telespectador cansa também, carái, novela é justamente pra assistir na hora de descansar.

PelamordeDeus, acho que a falta de criatividade tomou conta do mundo. Pelo menos do mundo das comunicações.

Santa Clara, rogai por nós!
s

P.S.: Nem vou citar o caso "Selton Mello no cinema".

sábado, 2 de maio de 2009

o Estadual Central e o túnel do tempo

É até difícil acreditar que hoje faz 15 anos que cheguei num dos lugares onde eu fui mais feliz na minha vida. Onde eu conheci a pessoa mais importante da minha vida. E onde eu comecei a mudar tudo.

O Estadual Central seguramente mora no coração de cada um que estudou ali. Quem estudou nas antigas, então, nossa mãe!

Eu cheguei ali nervoso que só Deus sabe. Naquela época era tímido de passar até mal de vergonha antecipada. Ainda por cima, cheguei no meio do ano, sem conhecer ninguém e chamando toda a atenção do mundo. Era tragédia anunciada!

Mas eu me encontrei naquele colégio. Fiz os melhores amigos. Adquiri uma certa independência, finalmente. Ri, mas ri de doer tudo. Me senti querido e (MUITO) popular pela primeira vez. Deus do céu, era muito bom. E tudo isso logo depois da fase mais difícil da minha breve vidinha (que por pouco tinha ido pro saco).

Tudo colaborava. 1994 foi um ano muito bacana. A economia tava OK, as músicas eram as melhores, tudo era bom. Mas o Estadual tinha seu brilho próprio. Havia uma aura de liberdade, de ousadia e de capacidade de fazer tudo que não podia ser mais perfeita pro bando de adolescente doido que circulava ali. Eu tenho muita saudade das minhas amigas, do meu grupo de amigos. Das bobagens, das neurinhas, das gargalhadas. Eu ainda guardo carinhosamente (mas Deus sabe onde) todos os bilhetinhos trocados durante as aulas. Sobretudo, guardo tudo na memória. Porque era um desses momentos em que a gente era feliz E sabia.

Tudo tem sua época. O importante, eu acho, é tentar viver de maneira que todas as fases sejam memoráveis – eu já ando meio saudoso de 2007, veja que coisa.

Eu espero que todas as pessoas com quem eu convivi no Estadual Central estejam muito bem. Por mais que me doa imaginar que já deve ter filho de alguns deles estudando lá. :)
sP.S.: Cheguei tímido de passar mal. Quando saí, já tinha apresentado um monólogo no teatro gigante do colégio (esse aí da foto, obra de Niemeyer). Acho que dá pra dar uma ideia de todas as transformaçõs...
P.S.2: Não custa lembrar: a escola era pública – mas todo mundo tinha noção. Até aquele considerado o mais imbecil na época tinha mais conhecimento e escrevia melhor que a maioria dos alunos de escola privada hoje. (F/S)inal dos tempos na educação brasileira.
s

ain't no sunshine when she's gone

Pra quem esteve em TuBHcanga ontem o feriado foi bento. O dia inteiro friozinho, depois de dias de calor infernal. Rolou até uma chuvinha pra completar o cenário. Excelente pra descansar, ficar na cama, se possível acompanhado, vendo um filminho.

Bom, eu não estava acompanhado. Mas tava muito de boa comigo. Dormi lindamente. Foi um dia agitado aqui em casa, então tive que deixar o filme pra depois. Pra noite. Rolava até de sair, porque a chuva parou e tal, mas eu tava no clima de ficar no edredon, quieto, vendo um bom filme. Daí tinha um milhão de longas pra escolher. E não me deu na teia de ver justo “Notting Hill"?

Pois assisti. É um filme que vi quase dez anos atrás, quando ela se foi. Deu saudade dela, do que eu era naquela época, de uma inocência que vazou com força. E, por incrível que pareça, ver esse filme valeu pra eu perceber que preciso ser um pouco mais sweet. Acho que tomei tanta naba na última década que fui ficando escaldado demais. Nessa de achar que todo mundo vai me machucar, já me envolvo com dez pedras na mão. E talvez seja hora de confiar (e arriscar) um pouco mais. Hora de beijar um pouco mais delicadamente. Retornar com os afagos. Sei lá.

Bom. É isto. Beijos.


P.S.: Realmente adoro filmes.
s