segunda-feira, 31 de agosto de 2009

existe vida na noite da Pampulha

Eu ando redescobrindo a Pampulha, principal ponto turístico aqui da roça. Tô quase começando a gostar tanto quanto gosto do Mercado.

Na vera, não vou falar do basicão da Pamp porque todo mundo já conhece. Se você que mora fora quiser conhecer, visita de manhã mesmo porque é tudo bem simpático.

No fim de las cuentas, o objetivo deste post é apontar o caminho da felicidade para as leitoras locais. E ele fica na noite da Pampulha! As interessadas podem começar por aqui, ó.

Se rolar alguma coisa, não se esqueçam, contem aqui para este bloguista casamenteiro, hehehe.

Besos pra todas!
d

o código Nova

Eu ando tendo uns sonhos esquisitos. Na verdade, sempre tenho sonhos esquisitos. Mas alguns veem como roteiros de filme (ruim). Talvez porque mistura todas as bobagens na minha cabeça com a sessãozinha de cinema antes de dormir.

Anyways, eis que o "thriller" desta noite foi sobre mim e mais alguém que não lembro quem rodando pelos sebos de TuBHcanga. Até aí um sonho normalíssimo. Mas daí, logo no primeiro sebo (que era enorme), alguém estava fiscalizando o local. E daí no outro sebo tinha mais alguém fiscalizando o empreendimento novamente. E assim foram, nos vários sebos (aí já ficou ficção demais, qualquer coisa demais em BH é ficção). A trama continua e em todos os sebos fala-se sobre uma edição da Nova (olha que podre) da década de 70 com a Bruna Lombardi na capa preta -- Tchan-ran!, e foi por causa desta informação que Humberto, o protagonista, e sua amiga sem cara e nem nome (a coadjuvante) ficaram indo de sebo em sebo. Afinal, Nova dos anos 70 com Bruna Lombardi na capa, é digna de correr atrás durante todo o filme. Mas e as inspeções nos sebos? Alguma coisa a ver com isso? Mas é claro! Porque os sebos eram apenas fachada de uma máfia (que contrabandeava Novas da década de 70?). A coisa é que essa máfia começou a sumir com os inspetores -- e, claro, logo começou a correr atrás do Humberto e sua amiga, os doidos que queriam a edição de capa preta com a Bruna Lombardi. Eu sei que o sonho ficou nessa palhaçada o tempo todo, eu correndo, a outra correndo, clima de suspense, gente atrás de nós, eu fuçando prateleiras empoeiradas atrás da revista e eis que, finalmente!, achei a revista! Ou melhor, eis que, no sonho, eu lembrei da revista -- que existe, sim, mas com a Farrah Fawcett na capa. E aí vem a parte mais tosca do sonho: No que lembrou desse detalhe, o Humberto do mundo onírico parou e soltou: "Mas que merda, não existe essa revista não, isso é sonho." E, pimba, eu acordei.

Fala a verdade, isso é sonho de gente normal?

P.S.: OK, acho que tô sem inspiração pra escrever um post que valha.
P.S.2: Tentei achar a capa no Google, mas só achei com essa imagem bem pequena, na versão Cosmopolitan.
P.S.3: Lembrei que vi chamadinhas de "O Código DaVinci" na TV a gato ontem, isso deve explicar alguma coisa.
P.S.4: É só começar com essa aflição de mestrado que eu começo a sonhar com revista de novo.
E, finalmente, P.S.5: Eu ando meio de saco cheio da minha hemeroteca, mas SE por acaso alguém tiver uma Nova dos anos 70 com a Farrah Fawcett ou a Bruna Lombardi na capa e quiser me dar, fique à vontade.
Fue.
s

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Humberto, como faz pra casar?

Esta é uma pergunta que me foi enviada há semanas. Eu confesso que fiquei pensando no que poderia dar como resposta. Porque o blog nasceu como um "Humberto Explica", não exatamente um "Humberto Sabe".

Bom, eu não sei de nada. Mas depois de pensar nas respostas mais óbvias como "engravide", "banque seu marido" ou "chute o balde", eu acabei chegando a uma conclusão (incrivelmente, eu confesso de novo): Acho que o caminho pra casar (aliás, por que esse desepero pra casar?) é justamente não estar desesperada pra casar. Acho que a solução é estar feliz e completa ainda solteira. Eu fiquei pensando que ser uma pessoa realizada, com objetivos e uma vida ativa e plena deve ser o que abre o caminho para que alguém possa se interessar verdadeiramente por você. Porque ninguém gosta de gente que depende demais dos outros (bom, há quem goste). Ninguém que te mereça ou que vá te fazer feliz gosta de gente que depende demais dos outros.
d
Por isso, se as bobagens que eu escrevo servem pra alguma coisa, que fique aqui esta sugestão: dê-se o valor que você merece, construa e viva bem a sua vida. Eu aposto como sua luz vai brilhar mais e vai acabar atraindo alguém também iluminado. E daí, se isso vai dar casamenteo ou não eu não sei. Mascom certeza vai significar um momento muito mágico na vida de vocês dois.
d
Será que isso foi uma resposta?
g
Besos!
s

hum...

Não deixa de ser curioso como às vezes aquilo que nos fazem para nos prejudicar acaba justamente nos fortalecendo.
f

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

1,2,3, voltando...

Hola povo, estou em débito com o blog, né? Sorry, prometo que vou voltando.

É que nesta de faxinar a vida, acabei me dando um tempo offline e, confesso, já tava até me acostumando (estava). Nem sei bem sobre o que falar, por ora. O que pega no mundo? Sim, porque eu não fiquei off só da net, mas de TV também. (Mentira, fiz um esforço e vi a Naza. Não esforço pra ver a Naza, que é a melhor, mas pra aguentar o resto do elenco naquela novela chata).

Bom, acho que tô de volta. Vou dar um giro pelos blogs dos meus amigos todos pra me atualizar do que se passa no mundo (a propósito, hoje é níver do R. Paschoal, do ótimo Suburbanismos!).

Besos, povo. Estoy de volta, sea para lo mejor o lo mejor!
;)
hh

terça-feira, 18 de agosto de 2009

next!

Olá everyone!

Estive sumido, arrumando as bagunças. Ainda estou arrumando, tem muita coisa pra ser ajeitada nesta vida. Tô num período de faxinão geral. Hora de me desfazer de tudo que é ruim ou que já não tem mais serventia e deixar espaço para a luz entrar.

Luz, pode entrar!

Bom, isto por ora.
Abrazos pra tout le monde!
:)

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

lá como cá

Soube hoje que é a maravilhosa da Charlize Theron a estrela da capa de setembro deste ano da Vogue EUA. Achei até curioso, já que pouco antes, no almoço, minha amiga Caroline me ligou pra perguntar o nome do filme que deu o Oscar à atriz (“Monster”, 2003).

Enfim, fui procurar uma foto da capa e caí no site de um cara, BryanBoy, que, pelo visto, gosta de descer o pau em revistas como eu. Tem um post dele, de 2007, fazendo aposta de quando Charlize seria capa da Vogue de novo. E não é que o cara acertou? (OK, ele disse outubro de 2009, mas foi só um mesinho, vai?). Ele se baseou na mesma lógica que eu usei um tempo atrás pra prever as capas da Paola Oliveira e da Flávia Alessandra na Nova em 2010.

Pelo visto a falta de criatividade é um problema que vai das revistas mais chuletas às, ainda, mais fodas. Como diria a personagem da Paulina Poriskova em “Adorável Sedutora”, tudo muito “pervisível”.


P.S.: Eu realmente acho a Charlize uma das mulheres mais bonitas que eu já vi no cinema. Mas na capa deste ano eu achei que ela ficou a cara da Galisteu. :/
s

castanholas

E cada vez que aquele sapato batia no tablado o coração batia mais forte no meu peito.
s

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

garçon, traz o torresminho

Acreditar ou não acreditar em Deus é coisa de cada um. A relação com o Criador e a maneira como se entende o Próprio também é uma coisa muito particular, eu penso.

Eu conheço muita gente que acredita, que tem fé e tal. Conheço muito mais gente ainda que pede e pede e só pede. Vai, eu também peço pra caramba.

Eu respeito, mas não gosto de igreja. Minha fé é em Deus mesmo e ela é fruto de muitas coisas que aconteceram ao longo da minha vida.

Entonces. Isso tudo pra dizer que eu (e acredito que mais um monte de gente) acabo agradecendo bem menos do que deveria. A gente acaba sendo engolido pela correria do dia a dia e acaba não refletindo sobre a vida, sobre tanta coisa boa que a gente recebe toda hora, inclusive a própria vida.

Eu pensei nisso por causa de uma matéria que eu vi (mas nem li, olha a correria de novo) no G1, sobre um caminhão que tombou enquanto transportava porcos. Sinceramente, já parou pra pensar que judiação? O bicho nasce bicho, porco, é criado pra ser abatido e ainda por cima despenca de um caminhão em movimento. É ou não é pra agradecer a Deus o fato puro e simples de ter nascido homem?

OK, eu e minhas filosofias de butequim. Mas fiquei com tanto dó dos porquinhos que acabei viajando na maionese (e também queria uma desculpa pra agradecer o presente español que eu recebi).

É isto. Gracias!
d
ss
P.S.: Buena sorte, señor!
s

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Déia na Véia

Minha queridíssima amiga e ser do outro mundo (um superior a este aqui) Andréa Barbosa vai dar as caras no Programa da Hebe de hoje, como tradutora e como Andréa (quem conhece entende o significado). Vou ter que assistir (o que a gente não faz pelos amigos?).

A véia deve ter ficado doida com a Déia, hehehe.

Hasta mañana, pueblo!
Besos!
s
s
UPDATE em 11/08/09: Mira aí o vídeo! KKKKKK, me contorci de rir da Déia, definitivamente a peça mais rara que eu conheci na minha vida! Pelo menos pra mim e pra Alê valeu esperar até tarde pra ver, hehehe.
s

sábado, 8 de agosto de 2009

dez anos desde o Texas

Hoje faz dez anos que eu fui pro Texas. É um momento muito particular, mas eu até tentei escrever alguma coisa pra compartilhar com vocês. Porém, achei melhor só lembrar a data mesmo. Eu já falei muito aqui sobre a minha passagem pelo estado da estrela solitária.

Dez anos atrás eu partia para uma mudança de proporções tão grandes que o Humberto que viveu até ali cairia pra trás se alguém lhe contasse antes.

O Humberto de hoje se diverte com isso. E ainda sente um carinho muito grande por todas as pessoas que conheceu na Universidade do Texas e por todas as experiências que viveu naquele um ano.

Ô saudade de tudo. Mas já foi. :)

xoxo
ss

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

caminho colorido

Esta foi uma semana de mudanças. Eu já havia decidido mudar algumas coisas, mas mudaram justamente as que independem da minha vontade (talvez eu ter decido mudar tenha aberto o caminho para mudanças mais profundas). Amanhã é possível que mais coisas mudem. Vai saber?
aa
Eu sempre acreditei que mudanças são sempre pra melhor, mesmo que a gente não entenda na hora. E às vezes até acontece de a gente entender. :)

Acho que é isso, por ora.
Obrigadão a todo mundo que passa por aqui no blog.

Besos, bom final de semana!
s

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

o rei e a pantera na capa da Vanity Fair

A edição deste mês da Vanity Fair tem duas capas (o leitor escolhe a que quer), uma com Michael Jackson e outra com Farrah Fawcett. Duas coisas me veem à cabeça com isso.

Em primeiro lugar, o desespero que toma revisteiros como eu quando uma publicação decide fazer mais de uma capa para um mesmo número. Dá vontade de ter todas, mas nem o mais fanático por revista é trouxa o bastante pra gastar dinheiro comprando o mesmo produto com várias caras diferentes. Eu lembro, por exemplo, quando a Vogue brasileira fez 30 anos e soltou a edição com umas dez capas – todas com a Gisa. Acabei ficando sem nenhuma.

A segunda coisa que me fez pensar essa edição com capa dupla da Vanity Fair foi justamente o quanto a revista é fair. A morte da Farrah foi praticamente ignorada em quase todos os veículos de comunicação do mundo por causa da morte de Michael, mais tarde no mesmo dia. Poderia ter tido menor destaque na Vanity também. Mas a publicação optou por prestar à eterna pantera a mesma homenagem que prestou ao rei do pop. Isso pra mim é mais uma demonstração do tipo de detalhe que faz da Vanity Fair a minha revista favorita.

E, cá pra nós, as duas capas, que têm suas semelhanças, ficaram lindas.

Adoro coisa bem feita.

Besos.
s

terça-feira, 4 de agosto de 2009

batata no forno

A certeza de se estar certo sobre algo que gente teimosa insiste em repetir que você está errado é uma dádiva. A sensação de que mais cedo ou mais tarde (em alguns casos BEM mais cedo) as máscaras vão cair e uma vez na vida os justos vão se dar bem é indescritível.

Consciência tranquila e auto-conhecimento são presentes de Deus. O resto é pinto.
s

olé!

É estranho e é difícil explicar, mas depois daquele flamenco alguma coisa mudou. Mudou bastante. Mudou pra melhor, eu acho. Eu sinto.

Sempre gostei de flamenco, desde a Raquel, passando pela aula no Texas e chegando até o último domingo.

Definitivamente não sei explicar. Mas gosto, seja lá do que eu esteja falando.

Mais do que nunca, abrazos y besos!
s

domingo, 2 de agosto de 2009

farruca

Duas músicas na cabeça neste comecinho de semana. Esta. E esta.

Boa semana pra todo mundo.

ABRAZOS!
a