terça-feira, 1 de junho de 2010

day's anatomy

Maio de 2010, o mês esquisito, acabou e eu agradeço muito a Deus por isso. E veio junho.

O primeiro dia de junho foi peculiar. Porque ele começou com boas notícias. E uma sensação de que as coisas vão se ajeitar. Depois, mais no começo da tarde, as coisas deram uma "esquisitada".

Acompanhem parte deste animadíssimo dia deste blogador em "período sabático".

Em algum momento da manhã: Enquanto postava no blog, Humberto resolve tirar uma com a cara de seu amigo designer Fulano no Facebook, zoando seu trabalho e dizendo que tem preguiça de gente como ele.

13h: Xico comenta com Humberto que Beltrano, de quem este blogador nem lembrava direito, perguntou se Humberto ia bem. Humberto estranha a pergunta e já começa a pensar no por quê. Humberto se dá conta de que Beltrano e Fulano postam trabalhos parecidos no Facebook. (Putz! 1).

13.05h: Humberto manda mensagem pra Beltrano se desculpando pelo mal-entendido. Beltrano diz que não houve mal entendido, mas pede pra ver o trabalho de Fulano. (Ufa).

13.15h: Depois de procurar mil vezes pra confirmar, Humberto não acredita que Fulano excluiu seu perfil no Facebook. (Putz! 2, rumo ao Troféu Joínha).

13.20h: Humberto liga o fodas e termina seus posts. Luciana Mello comentou no blog, hoje é só alegria. Humberto então põe roupa pra lavar.

14.10h: Um telefonema recebido e Humberto lembra que nem todas as famílias são como a dos Molinskys. Só rola de contar com Deus mesmo pra resolver as coisas.
s
Circa 15h: Humberto tenta twittar seus novos posts, mas dá todo tipo de biziu. Humberto lembra que não tirou a roupa da máquina. Então decide sair do computador, pendurar a roupa no varal e sair logo de casa, pois tem que voltar na academia pra renovar a matrícula e depois correr pro Mercado Central. Antes de ir, Humberto consegue twittar em paz e é taxativo:

15.30h: Tal qual a mocinha no clipe dos Paralamas do Sucesso, com a mesma calma, Humberto vai ao bucólico quintal de sua casa pendurar suas roupas. Como qualquer pessoa normal, na hora de lavar roupas, Humberto veste o que tem de mais fudido e estrupiado no guarda-roupa. Ele ainda tem que passar as peças hoje. Assim, tudo segue em paz, até que na hora de pendurar as últimas peças...

15.45h: Humberto pisa num prego enferrujado, surgido não se sabe de onde, que atravessa o chinelo de couro e se aloja no pezinho de pisciano do moço. Não dói. Uma primeira tentativa de puxar o que parecia ser um espinho grosso e a certeza de que não era espinho, mas um pregão dos bons, muito bem instalado.

15.46h: Primeiro grito másculo: "Mãe! Acode! Alguém! Acode! Aqui!"

15.47h: Lá vêm pai e mãe de Humberto, saídos diretamente deste desenho aqui, ó.
(Pai): "Vou arrancar".
(Humberto, rosnando): "Não chega perto!"
(Mãe): "SANTÍÍÍÍSSACRAMENT'DALTAR!!!"
(Humberto): "Me leva ali no hospital?"
(Pai): "Pra quê?"
(Humberto só pensa): "Sangue do cordeiro, dai-me força..."

16h: Depois dos mais variados xingamentos do pai e dos ataques histéricos da mãe, Humberto senta no banco do carona da super possante Belina 1989 de seu pai e segue para o hospital, no Concórdia, a 10 minutos de casa. Até que enfim, pagar a Unimed vai valer alguma coisa. Observação: impossível descrever a emoção de sair com meu pai no volante.

16.35h: Humberto, tal qual o Saci Pererê e muito, muito mal vestido, se dirige ao guichê de atendimento e ouve: "Aqui agora é só SUS, ninguém tira prego do pé não". Morrendo de vontade de perguntar "E enfiar no cu, alguém enfia?", Humberto se contém e segue pra matriz da Unimed, na região hospitalar, um pouco mais distante. Mas vai tranquilo, com foco na solução.

17h: Humberto agradece a Deus por ter chegado vivo ao hospital. Again, tal qual o Saci Pererê é, enfim, colocado numa cadeira de rodas e levado ao terceiro hospital, ao lado, para onde o pronto-socorro mudou e ninguém fez o favor de informar.

17.05h: Médico com cara de cu atende. Médico não quer nem tocar no pé sem fazer mil raios-x antes. Tudo bem. Procedimento regular. Antes, claro, o médico com cara de cu chama um médico que fez estágio com Juscelino Kubistcheck pra avaliar o caso. Depois de muita avaliação, de uma enfermeira e um cara do raio-x legais, o médico parte para o procedimento cirúrgico.

17.40h: Moça na sala, acompanhando velhinha que sofreu uma queda, pergunta: "Você não é o Humberto, irmão da Lena?" (Humberto sente leve medo do tanto de gente que o conhece sem ele saber)

17.45h: Médico tirando o seu da reta de todas as maneiras possíveis e inimagináveis diz: "Humberto, até posso tirar com anestesia, mas serão quatro agulhadas, acho que vai doer muito mais. O senhor opta por intervenção sem anestesia?" - Humberto, sabendo o que aconteceu nas últimas vezes que tomou anestesia local (24 horas dormindo) e lembrando que tem viagem marcada amanhã, "opta" por "sem anestesia mesmo, doutor".

17.46h: O médico puxa o prego como a gente abre uma latinha de cerveja. Nem doeu. E foi melhor que tomar Cristal, por exemplo.

17.55h: Demonstrando que vale a pena pagar plano de saúde, Humberto sai praticamente sem curativo, sem ser levado de cadeira até o estacionamento e mancando como o Saci Pererê. Ainda tem que tomar anti-tetânica amanhã, no Posto de Saúde, olha que beleza. Mas qualquer coisa é válida quando o que mais se quer na vida é evitar que seu pai roda duríssima pegue o trânsito central na hora do rush com uma Belina velha.

18h às 19h: Êba! Trânsito com o pai dirigindo a Belina velha. Prova de que tem muita coisa pior que pisar no prego enferrujado.

19.05h: Mãe começa a falar do pé machucado e vai até as 19.30h monologando, mas aí o assunto já virou a filha de não sei quem aqui da rua que vai casar com não sei quem que "tem um empregão, minino!".

19.35h: Humberto, que ainda vai terminar de pendurar as roupas e passar as outras, senta e decide que os leitores do seu blog merecem acompanhar sua trajetória num dia tão simpático. E jura que depois do banho vai sentar quietinho e assistir um filme em paz.

Conclusão: o dia terminou bem mesmo. Para cada problema, uma preocupação na proporção exata e uma solução a mais ágil possível. E o que não tem solução, solucionado está.

E no fim, quer saber? Foi hilário até pra mim.

Besos, sorry o post gigantesco, mas eu tinha que detalhar. E de agora em diante, tem que ser muito mais incômodo que um prego no pé pra me tirar do sério.

Junho, te amo.
Besos pra todos!

s
P.S.: Mas é infalível, o dia que eu esqueço de rezar...
s

13 comentários:

Guilherme disse...

Eita Humberto que dia, hein? ainda bem que acabou tudo bem. Nada como um dia após o outro, mês novo, ânimo novo, e que aconteça coisas boas daqui para frente!
Sai urucubaca!!!
abração, e espero ler novas e boas aventuras!

xico Arantez disse...

MAS E O PÉ? SOBREVIVEU?? GANGRENA? TÉTANO? DIFTERIA? COQUELUCHE?? O QUE HOUVE?

helena disse...

Que zica amigo! Boa recuperação pra vc! E saravá meu pai!

o Humberto disse...

É isso aí, Gui, junho vai ser dos bons!

Xico, você tá parecendo minha mãe quando quer acalmar a gente na hora do desespero, hehehe.

E Heleninha, nada de zica por aqui, por aqui só coisa boa! Eu suspeito que tem um componente de invejinha nesse prego de ontem, mas eu vou acender uma vela de olho grego e mandar a energia desse povo de volta pra eles. ;)

Abração pra todos! Obrigado pelos votos de melhoras.

Janaína disse...

Humberto.. já vi muita gente enfiar o pé na jaca na véspera do feriado, mas enfiar o pé no prego é a primeira vez! KKKKKK
Brincadeiras à parte, este post jogou por terra a máxima do "seria cômico se não fosse trágico". Conseguiu ser as duas coisas!
Apesar do acidente, do seu pezinho furado e do desespero que eu imagino que tenha sido, já deixo registrado meu voto neste post entre os melhores do ano. Adorei o relato cronológico dessa tragicomédia! Muito bom!
Beijo, querido!
E melhoras aí, hein!

o Humberto disse...

Hehehe, eu acho que tá difícil fazer outro post igual. Mas tava tão bizarro que as coisas iam acontecendo e eu já ia imaginando tipo "24 Horas". Humberto Bower, rs.

Mas eu sobrevivi. E bem! :D
Besos, Jana, brigadão!

Tainá disse...

Aaaaah gente, nem preciso de falar que ri litros né?
Melhoras para vc xD

Sarah disse...

Sensacional, rindo demais!
Tem coisa que parece que só acontece com a gente mas é muita creuzice, estendendo a roupa no varal, odo mal trapilho e ainda fura o pé kkkkkkkkkkk, viagem.

Mas a descrição detalhada foi show demais e os pontos altos: fulano x beltrano,médico com cara de cu, Juscelino "Cú"bistcheck, a velhinha que te conhece sem vc conhecê-la ( isso é demais),Belina 8.9

Locsss

PS: cuide bem destes pies,bailaor!!

xico Arantez disse...

AINDA NÃO CONSEGUI DESCOBRIR COMO SE RI LITROS!!

Caroline disse...

Nossa amigo desculpe, mas chorei de rir. Minha parte favorita foi do seu pai dirigindo.

Abs.

R. Paschoal disse...

[1] Adoro quando jogamos indiretas e as pessoas "erradas" catam o recado. Ainda mais nesse ramo artístico, onde ego inflamado é mais perigoso que bomba de hidrogênio;

[2] O segredo de uma roupa lavada com maestria é o amaciante. Abuse!

[3] Prego no pé? Tenho chilique só de pensar! Deve ter sido algo bem desagradável... Espero que não tenha gangrenado!

Um abraço antitetânico!

o Humberto disse...

Obrigado a todos pelos votos de melhoras. O pé já tá Ok! :D

No mais:
Tainá, eu tb rio litros disso agora. Mesmo no dia eu ri.

Sarah, a "creuzice" foi a melhor. Ri demais do seu comentário.

Carol, pode deixar que eu vou pedir meu pai pra te levar na Masb qualquer hora dessas, você vai ver que é uma experiência inesquecível.

E Rafael:
1)Nem era indireta, era uma brincadeira entre amigos. Mas a carapuça deve ter servido muito bem, porque parece que a pessoa tá magoadérrima até hoje, a que entendeu o recado errado. Toda hora põe um recadinho ofensivo no Facebook agora, kkkkk!

2)KKKKK, abuso demaaais do amaciante. Mas eu gosto mesmo é de abusar do OMO, kkkkkkk!!!

3) Gangrenado? KKKKKKK, virou o Xico né? Até que não doeu muito nada não, foi mais aflitivo que doloroso.

Abraços antitetânicos pra todos vocês!

Reginaldo disse...

rsrsrs... Putz, antigão o post, mas estava em (Também poderá gostar de..) e acabei me divertindo com a sua saga.

Bom final de semana ai!