segunda-feira, 12 de julho de 2010

acho, logo é

Semana começando, já amanheço lendo de tudo na internet. Sempre foi um prazer pra mim acordar e saber o que há de novo ou o que dizem sobre o que está acontecendo, desde a época do jornal batendo na janela do meu quarto.

Tem sempre muita coisa boa pra ler, como este texto do Daniel Piza. Mas ultimamente, tem sido um festival de bobagens que tá começando a dar muita preguiça. As bobagens engraçadinhas ainda valem, afinal todo mundo tem que rir. O que mata mesmo são as bobagens que pagam de sérias: uma praga cada vez mais crescente na internet é o profissional do "acho", gente que opina sobre tudo, sem que tenha o mínimo trabalho de fazer uma pesquisa antes ou ao menos se certificar de que sabe do que está falando.

Eu diria que é uma geração Cláudia Leitte de intelectuais, em todas as áreas do (não)conhecimento. São posts, artigos e principalmente twits com opiniões sem embasamento ou argumento nenhum. Coisas como as que costumam ser proferidas por gente cabeça como Isabella Fiorentino.

O pior é que tudo que é dito por essas pessoas se torna verdade indiscutível. Ressalte-se: INDISCUTÍVEL. Porque além de se acharem no direito de dar como certa qualquer bobagem, esses novos intelectuais não permitem discordância. Ao menor sinal de que você vai argumentar em contraposição já vêem com a clássica "essa é a minha opinião" ou o "não aguento a turma da patrulha na internet".

Ora, tem dó. Se é só "a sua opinião" e "ninguém tem nada com isso", então guarde-a só pra você. Publicar pra quê? Eu entendo que se uma pessoa não tem preparação para o diálogo, não tem também para formular opiniões e consequentemente não tem também para expressá-las. Eu não sou obrigado a ler merda e ficar calado. Se você quer escrever tolices, especialmente na internet, esteja preparado pra ouvir de outros usuários que você escreveu uma tolice.

Eu amo internet. Qualquer um que já tenha um dia feito pesquisa de escola naquelas enciclopédias velhas dá valor a tudo que se pode descobrir e aprender na web. E eu amo ainda mais o fato de que todo mundo, como eu aqui mesmo, tem a oportunidade de dizer o que pensa. Mas eu torço pra que a rede seja cada vez mais espaço para a troca de ideias, mesmo as fracas. Esperar de um meio de comunicação como esse que ele funcione numa via de mão única como costumavam ser os meios no passado é um pensamento absurdamente atrasado. Usufrua do seu direito de dizer o que pensa. Mas esteja aberto para ouvir o que pensam sobre o que você pensa, dê-se o direito de voltar atrás ou ainda de repensar, discutir, aprender e elaborar melhor seu pensamento.

Pra começar a semana tá bom né? Já cumpri com minha cota de achismo.
Abraço sincero a todos.


P.S.: Reforço a sugestão de leitura, costuma valer muito mais ler as palavras do Daniel Piza que as minhas.
s

2 comentários:

Fernando disse...

POST Desabafo!

o Humberto disse...

Devo ter pegado pesado, né Fernando, só você comentou. :P