segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

cânone literário

"Detesto escrever pra gente pobre".
s
Essa pérola foi publicada na coluna da Mônica Bergamo na Folha, hoje. Claro, declaração fraca, só pra causar. Imagina se alguém que se dispõe a fazer literatura de verdade vai dizer uma bosta dessas.
s
De quem é a declaração? Vera Fisher. Super poetisa. A informação é de que ela "lança este mês o primeiro de uma série de dez livros. O romance, chamado 'Serena', estreia a coleção que terá como título apenas nomes de mulher e é 'vibrante' na descrição da própria autora." Ainda na matéria, Vera diz que não sabe escrever pra pobre.
s
Eu fiquei surpreso de saber que ela sabe escrever. Mas penso que é natural que seja difícil pra ela ter de aprimorar isso, imagina?, conseguir escrever pra pobre? E escrever pra todo mundo, então? Dificílimo! Mas adorei a riqueza do material. O romance chama "Serena". Mais umas três encarnações e ela vai conseguir fazer um romance profundo chamado "Sabrina".
s
Agora, eu me coço mesmo é imaginando um rico de verdade lendo isso. Imagina a cena:
a
Domingo à tarde, aquela lomba depois do almoço, Antônio Ermírio de Moraes resolve começar a ler alguma coisa. Ele levanta da poltrona da Bauhaus e se dirige à biblioteca. Lá, enquanto cuidadosamente passa os dedos pela lombada de seus livros, Antônio Ermírio vai vendo o que há de bom pra ler: "Hum...Tolstoi, não, T.S. Elliot, não, Guimarães Rosa, fraco, Gabriel García Marquez, fraco... Rubem Funseca, não, Clarice Lispector, argh, Salman Rushdie, nem morto, Umberto Eco, não, Vera Fisher... hum, oba! Vera Fisher! Fechou, vai ser esse mesmo que eu vou ler!"
s
Eu não sei o que me parece mais esquisito, o conceito que a Vera Fisher tem de literatura ou de rico.
s
d
P.S.: Não posso deixar de lembrar: Vera, acessa um simpático blog chamado "Suburbanismos". Vai lá e me conta depois sobre essa coisa de literatura e pobre.
s

11 comentários:

Heron disse...

Ela e sua cara de pobre...estica e vai, ai ai ai, ai ai ai ai ai ai, estica a cara, puxa e vai.

Caroline disse...

Quem vai comprar isso!!!

Abs,

Janaína disse...

KKKKKKK
Como diria a rica e sem noção da Narcisa: "Ai, que loucura! Ai, que absurdooo!"
Adoro, Humberto... essa sua acidez mais que sensata e a insensatez corrosiva desse povo como a Vera. Cara de pau "a vera" dessa mulher dizer que faz literatura. Pior: que não sabe fazer nada pra pobre. Nem imagino a riqueza literária que uma criatura dessas possa produzir. São Saramago, livrai-me desse mal, Amém!!

Dan disse...

A única coisa boa da Vera é que ela nasceu no mesmo dia que eu!
eheh

bj

o Humberto disse...

Heron, realmente acho que não tem mais onde puxar, impressionante!

Carol, o Adriana podia passar pra turma dele, já pensou? Prova final, estudo da obra de vera Fisher para ricos. hahahaha! Imagina as redações!

Jana,se eu tivesse força até lia "Serena" (olha que lindo que soa, rs), só pra poder caprichar mais num próximo post.

E, Dan, tá anotado o niver! :D

Besos!

R. Paschoal disse...

O melhor de tudo é que ela escreveu dez livros em um ano! Deve ser de um primor...

o Humberto disse...

Hahahaha, avalio!

Heron disse...

10 livros em um ano! Pobre não lê isto mesmo não...

Sarah disse...

Rolando de rir, sensacional, esmigalhou a Véia Fischer.

Issa aqui foi demais:
"Mais umas três encarnações e ela vai conseguir fazer um romance profundo chamado "Sabrina".

Não vai sobrar nenhuma edição pra pobre nenhum, o Eike vai comprar todas!

Caroline disse...

Boa amigo!!

o Humberto disse...

Hahaha, ri demais do seu comentário, Heron! Acho que vou comprar os 10 pra minha amiga Carol, que lê bastante e é RICA!!! hehehehe...

Sarah, eu tive que rir tb. Acho que o Eike além de ler tudo vai comprar os direitos e pedir a Luma pra interpretar no cinema, espera só!

Besos!