sábado, 23 de julho de 2011

pai de todos

Um professor de arte mudou a vida de Gringo Cardia e o ajudou a se encontrar.

Eu sempre admirei muito o Gringo. Mas hoje diria que sou mais fã do professor que ele teve aos 8 anos.

Família numerosa, casa sempre cheia, centenas de professores. Na minha vida, alguém como esse professor do Gringo nunca apareceu, muito pelo contrário. E eu achava que não, mas a verdade é que eu me ressinto com isso. E, particularmente nos últimos dois dias, pensar nessas coisas tem me incomodado bastante.

Não era normal, não. Não era só desatenção, não era só desamor... era descaso mesmo. E isso não era certo. Quem tem que se virar pra corrigir os erros dos outros agora (aliás, desde sempre) sou eu. E eu tô de saco muito cheio.

:/
.

5 comentários:

FOXX disse...

#comofas pra te dar um abraço?

o Humberto disse...

:)

Janaína disse...

Também não tive assim... grandes mestres. Um (a) ou outro (a) professor (a) que tinha algum diferencial que me causava admiração, mas nenhum deles que pudesse me inspirar verdadeiramente a ser algo maior, destaque, referência em alguma coisa. Isso é algo de que eu também sinto um pouco de falta, Humberto. Especialmente porque a gente vive cercado de gente que sempre comenta: "Nossa... você é tão boa nisso! Faz tão bem aquilo!", mas aquele conselho, aquele incentivo, aquela inspiração que pudesse vir de alguém cujo papel é verdadeiramente direcionar, nunca aconteceu. Acho que é, em parte, por isso, que às vezes a gente ainda fica tão sem direção na vida, mesmo sabendo que é capaz, mesmo depois de grande, sem saber o que fazer com as próprias pernas, com a própria bagagem. Tô muito nesse momento, nessa dúvida. E à medida que o tempo passa e que as coisas não acontecem (ou pelo menos não como a gente queria), a única certeza que fica, em meio a tantas dúvidas, é a vontade de fazer, de fazer bem, e de fazer agora. Penos que essa seja a chave. Só preciso achar a porta, agora.
Até que isso aconteça, sigamos no labirinto, meu caro! Até a saída surgir, temos tempo suficiente para reflexão e auto-conhecimento.
Meu beijo perdido pra esse seu coração que é um achado!

Luciano disse...

Que legal que você também admira o trabalho do Gringo. Eu sou amigo do irmão dele, Wellington Cardia, que é médico gastroenterologista aqui em São José dos Campos e um gato.
Muque de Peão

o Humberto disse...

Você é ummoço muito bem relacionado mesmo, hein Luciano?

Adoro o Gringo.