sexta-feira, 22 de julho de 2011

uma certa Fabiane Laube


Já que esta foi a “semana dos amigos”, achei que a música da sexta-feira merecia ser especial. Por isso deixo aí uma cantora, que além de ter uma voz maravilhosa é uma amiga das mais especiais na minha vida.

A história é a seguinte: o dia da prova que definiria os intercambistas para o Texas, no século passado, foi bem no dia do meu aniversário. Naquela época eu era muito ansioso, e ainda por cima eu tinha uma crença de que meu aniversário era sempre (e era mesmo) dia de muita merda acontecer. Daí, só de a prova ser no tal dia eu já fui uma pilha pros testes.

E aí aconteceu o primeiro contato: numa sala cheia de gente querendo matar os adversários, à primeira bobagem derrotista que eu devo ter falado uma mão levinha tocou meu ombro e eu ouvi a voz de gente boa dizendo: “Fica nervoso não, rapaz, que nós vamos conseguir”. Eu nunca tinha visto aquela criatura dos olhões azuis na faculdade. Mas é impressionante como o santo bateu na hora.

Daí aconteceu mesmo (aqui em casa já se dizia do tal “falar pela boca de um anjo", e eu acho que foi bem por aí): fomos selecionados os dois.

A Fabiane chegou antes ao Texas e não acompanhou umas situações esquisitas que eu tinha passado no Brasil com os outros selecionados. Por isso, quando eu cheguei aos EUA eu estava meio arredio com todo mundo. Mas eu já gostava dela como se a gente se conhecesse desde sempre -- isso a assustou um pouco, e aí ela é que ficou meio arredia comigo.

Sei que a gente foi se aproximando, e só posso dizer que os meses que passei ao lado dessa pessoa maravilhosa foram dos melhores da minha vida. Amizade difícil até de descrever em palavras (talvez ela consiga em música).

Antes que a gente se aproximasse, os outros intercambistas me falaram sobre ela ser cantora e ter uma voz maravilhosa. Eu fiz pouco caso; achei que fosse só mais uma contação de goma deles. Mas aí, quando eu e ela já costumávamos ficar juntos pra rir muito, numa tarde ela disse que ia cantar pra eu ver.

E aí eu me sentei, ainda não esperando muita coisa (naonde que uma pessoa baixinha daquela vai cantar alguma coisa?)... e Fabiane Laube começa a cantar “Mio Babino Caro”. Eu lembro nitidamente de sentir a sala e o piso de madeira todo vibrando, eu nunca, nunca tinha experimentado aquilo na minha vida. Pela primeira vez eu ouvi uma pessoa cantar de verdade. E a vontade de chorar? E os pelos arrepiados? E a vergonha de já ter “cantado” em público?

Eu ainda me emociono de lembrar desse dia. Assim como me arrepia lembrar das “Ave Marias” nas tardes nos jardins da Biblioteca de Estudos Latino Americanos. Nossa, ô tempo de felicidade, Deus do céu.

Fabiane deixou eu voltar sozinho pro Brasil e foi ser feliz na Finlândia. Ela continua cantando, como você pode ouvir no vídeo, e compõe também. Ela me liga de vez em quando, me faz rir muito e me enche de alegria como se a gente não tivesse nunca se separado. Ainda me deve umas balinhas de vodka finlandesas. E ainda vai fazer muito, muito sucesso, essa danada.

É isso então, meus queridos. Bom final de semana pra nós todos porque, como diria minha sábia e talentosa amiga do coração, “nós vamos conseguir”.

Suukkoja!

P.S.: Pra conhecer mais sobre a música da Fabiane (façam favor), cliquem aqui e aqui.
.

10 comentários:

FOXX disse...

amizades q independem da proximidade são maravilhosas!

Dan disse...

fiquei emocionado com o texto.
gente assim é pro resto da vida.

e o sr, se comporte no fds ok?
eheheh

bjo lindão!

FOXX disse...

ps: um desafio: se o humberto explica, me explica pq eu tow sozinho? rá!

Paulo Braccini - Bratz disse...

gostei e muito ...

alan raspante disse...

Nossa, como ela canta bem. Muuuito bem mesmo!

Humberto e essa grande família de amigos...!

Diego Rebouças disse...

Ai, que texto enorme! não vou ler não.

Dêco disse...

AS pessoas realmente ligadas são assim. Podem estar distante mas permanece no coração.
Beijos e bom fds!

Caroline disse...

Deus conserve essa amizade, pois é tão raro.

Abs,

Ro Fers disse...

Bela declaração de amizade, cujo a distancia jamais apagará esse sentimento bonito que é amizade...
Bela voz ela tem...
Forte abraço!

Janaína disse...

Que mulher bonita!
Que voz bonita!
Beleza é isso: talento, carinho e amizade sincera independente de distância.