terça-feira, 16 de agosto de 2011

raise your glass!

Ontem foi “Dia do Solteiro”. Não entendo essas datas. Sei que são comerciais, mas algumas, como essa, por exemplo, qual o sentido? Alguém presenteia o outro por ser solteiro? A ideia era fazer a galera ir pra nite e gastar?

Fiquei pensando nisso. Especialmente porque me encontro num momento em que por nada nem ninguém neste mundo eu deixaria de ser solteiro. De forma alguma.

Quem acompanha o blog de longa data deve lembrar da minha fase Marilda. Era aquela época em que eu era solteiro, mas tava o tempo todo esperando aparecer alguém especial, o tempo todo com aquela sensação que ensinam a gente a ter, desde cedo, de que tem alguém reservado pra mim e que essa pessoa vai aparecer e tudo vai se resolver.

Apesar dessa espera por alguém que melhoraria tudo, eu lembro bem de que nessa mesma época estava tudo em ordem na minha vida – carreira, dinheiro, saúde, festas. E talvez por isso mesmo, por eu estar bem, apareceu a tão esperada criatura.

Eu vivi boas experiências ao lado dessa pessoa, depois passei por outras não tão boas, mas ainda assim tudo foi experiência. O carinho permanece, mas todo o amor não foi o suficiente pra enfrentar as maldades alheias e a história a dois (ou a mil) terminou. E aí eu me vi sozinho de novo. Mas as coisas já tinham mudado.

Primeiro veio uma fase em que todo mundo queria que eu já arrumasse logo uma outra pessoa, quase como uma obrigação. Eu era cobrado o tempo todo. E eu simplesmente não queria – não sou do tipo que deixa de gostar de um dia pro outro; na verdade nem sou do tipo que deixa de gostar, se for de verdade, apenas toco o barco.

Depois, veio uma fase em que eu comecei a me abrir de novo pra vida e até pras pessoas. Mas talvez até pra me curar do pesar sentido, eu decidi me priorizar. Decidi que não ia ficar sem dar meus beijos na boca, mas que não estava a fim de me envolver – não que eu vá andar por aí com um muro à minha frente, mas a coisa mais importante pra mim passou a ser me curtir.

Daí hoje, pensando nessa coisa do “Dia do Solteiro”, lembrei da minha infância. A gente nunca podia viajar (veja bem, não é que a gente não tivesse condições, é que a gente não podia viajar. A gente nunca podia passear nunca podia porra nenhuma. E aí, lembrando dessas coisas, caiu minha ficha de que, aos trancos e barrancos, agora sou totalmente dono desse nariz enorme que Deus me deu. E a situação se inverteu: eu posso não ter condições de viajar, mas eu posso viajar se eu quiser. E foi aí que veio a luz:

Estou solteiro e gosto disso. Não mais um solteiro Marilda, à espera de alguém responsável pela minha felicidade (ou, pior, alguém cuja felicidade dependa de mim). Mas um solteiro feliz pelo fato de ter uma vida toda pela frente, cheio de lugares pra conhecer, de experiências pra viver, de gente pra gostar. Um solteiro único responsável pela própria felicidade, guiado não pelas expectativas dos outros, mas pelas minhas. Um solteiro cheio de coisas pra aprender, pra provar.

E pensando na coisa, dessa forma, tenho que confessar: acho que a data é pra comemorar mesmo. E o melhor é que, ao menos por ora, ela é uma data que se repete todo dia pra mim. Fala a verdade, eu preciso de mais alguma coisa?

Besos.


P.S. longo: Em novembro, eu tava realmente muito mal. Muito. E tinha que resolver aquela situação toda sozinho, porque não era um assunto que se podia discutir e desabafar em casa. E eu, na verdade, sempre fui do tipo que só pede ajuda em último caso.

Sei que numa dessas, eu tava péssimo, choro entalado há semanas, e me aparece Dona Mãe, o ícone, com um pano amarelo na mão. Ela me joga o pano e pergunta: “Essa camisa eu dou de presente pra mulher ou pra homem?” Eu abro a camiseta, essa mesma que ilustra esse post, o sorriso nasce naturalmente, e respondo: “Essa camisa agora é minha.”

Impressionante como mãe é mãe, né? Sem precisar falar nada diretamente, e o mais incrível, sem saber bulhufas de inglês, ela disse exatamente o que eu precisava ouvir naquela hora: que a vida tava lá, todinha à minha espera. Cheers to being single!


15 comentários:

Serginho Tavares disse...

estar bem consigo mesmo, não tem preço!

Dan disse...

cheers!
e quando é que alguém casado pode ir pra bh do jeito q eu vou um dia, por exemplo?
ahahaha

FOXX disse...

quando ser solteiro é uma opção, é maravilhoso! não é?

Mr. TV disse...

só se é feliz de verdade quando a gente não joga para cima da outra pessoa a sua felicidade... e parabéns por pensar assim, e queridão, pode apostar que assim desse jeito, cm esses pensamentos, as pessoas só tendem a se aproximar, ninguém quer o peso de tornar a outra pessoa feliz, a todo custo, existe a prioridade se completar um ao outro e assim sim ser felizes juntos! e todo mundo tem a fase Marilda na vida, graças a Deus a minha já passou, foi depois de descobrir que tudo só depende mim que as coisas começaram a acontecer positivamente. Besos tb!!

Mr. TV disse...

só se é feliz de verdade quando a gente não joga para cima da outra pessoa a sua felicidade... e parabéns por pensar assim, e queridão, pode apostar que assim desse jeito, cm esses pensamentos, as pessoas só tendem a se aproximar, ninguém quer o peso de tornar a outra pessoa feliz, a todo custo, existe a prioridade se completar um ao outro e assim sim ser felizes juntos! e todo mundo tem a fase Marilda na vida, graças a Deus a minha já passou, foi depois de descobrir que tudo só depende mim que as coisas começaram a acontecer positivamente. Besos tb!!

Mr. TV disse...

desculpe, mas num sei porque mandei esse comentário duas vezes. sorry...

S.A.M disse...

Ser feliz por opção em qualquer ocasião é maravilhoso!

Isso sim é o que faz a vida valer a pena.

Abençoados os que tem Dona Mãe do lado!

Abração!

Lobo disse...

Um brinde a ser solteiro!

Não, acho que não precisa dizer mais nada. Adorei a leveza do texto. Acho que é mesmo uma época para se fazer tudo que tem vontade, porque uma vez que o coração quiser assentar, começam as podas...

Cheguei aqui por indicação do Diego (também tô na maratona dele rumo a publicação do conto hahaha), e olha, tô adorando seus posts.

Um beijo!

Paulo disse...

Me chame de Pollyana ou romântico ao extremo, mas eu ainda acho que pra todo mundo existe o tal Mr Right. Tudo bem, é difícil de achá-lo, a gente quebra a cara trocentas vezes até encontrá-lo, but... uma hora ele vai aparecer!

:D

Ro Fers disse...

Aproveite bem esse momento, viaje, faça novas amizades e curta de montao...

Caroline disse...

Concordo com Sérginho.
Se cuide!!

Abs

Anônimo disse...

http://www.novelistica.galeriadenovelas.com/
dá uma olhada na nova coluna do blog Galeria de Novelas

o Humberto disse...

Em resposta a todos:

Serginho, tem mesmo que estar bem consigo mesmo senão não anda nada!

Dan, vem mesmo! =D Vamos quebrar essa roça, hehehe.

Foxx, ser solteiro é opção sua tb, vc sabe rapaz.

Mr. TV, parceiro, você já começou acertando: “só se é feliz de verdade quando a gente não joga para cima da outra pessoa a sua felicidade”. E acredite, se aproximam sim, e eu já conheci muita gente legal este ano. E ainda bem que nossa fase Marilda passou, rss. O episódio que eu linkei me trouxe lembranças demais, mas eu ri um bocado (dela e de mim mesmo).

S.A.M., adoro qdo vc comenta aqui rapaz. :)
Realmente, mais vale viver a vida sob a opção de ser feliz. Eu não tenho paciência nem tempo pra chorumela mais não. E vou falar de vc com a Dona Mãe, ela vai rezar pra vc ter uma vida próspera e cheia de gatos, hehehehe...

Lobo, meu caro, bem-vindo! Diego te mandou pra cá, né? Hehehe... Obrigado pela “leveza do texto”, esse foi um dos escritos de madruga (não costumam ser os mais leves, rs). No mais, tô me curtindo mesmo. E definitivamente, quando chegar (se chegar) alguém, vi ter que se adaptar, pq eu não cometo o mesmo erro mais não. Vamos ver né? Bjo rapaz!

Paulo, meu querido... vou te chamar de Pauliana, rs. Sério, não sei pq te zoam tanto, vc sempre me pareceu o mais romântico dos blogueiros pra mim. Eu até suspeito desse mr. Right, sabe? Tem que ver se vai dar conta de mim, rs. ;-)

Ro Fers, pode deixar que eu vou aproveitar bem essa vida pra viajar, fazer novas amizades e curtir tudo que houver. Obrigado meu caro!

Carol, amiga, eu me cuido. Falta aquele job de R$ 67.000,00 que vc me prometeu.

Anônimo, vou ver seu blog.


Ufa!
Todos vocês, meus companheiros, brigadão, grande abrazo!

alan raspante disse...

Estar de bem consigo mesmo, é a melhor coisa que pode acontecer com um ser humano!

Reginaldo disse...

Feliz dia do Solteiro pra você então, uai! rs