quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

11 capas de revista em 2011

A capa mais bonita, mais significativa, mais emblemática e acompanhada do melhor conteúdo editorial este ano foi indiscutivelmente a da Trip de outubro. Ítem de colecionador, exemplar histórico, registro perfeito de um ano em que a homofobia foi intensamente discutida no país.

Também merece destaque, por motivos semelhantes, a capa de junho da Vogue Itália, estrelada por lindas modelos "plus size", muito mais perto da realidade do que as cadavéricas top models caindo de fome na passarela do SPFW.
Ainda dentro dessa categoria de capas emblemáticas, Dilma Rousseff na capa da Newsweek, em setembro. Apesar de algumas posturas lamentáveis da presidenta, é inegável a importância histórica de uma mulher, no poder em um país latino americano, conquistar tamanho respeito internacional.

A capa é de 1975, mas esta Nova está aqui na lista porque foi só em 2011 que eu soube que a capa com a qual sempre sonhei (literalmente) buscar realmente existe. Um leitor também apaixonado por revistas me deixou dias sem dormir, tentando entender porque eu sonhava com uma capa publicada anos antes de eu nascer. Muito "o Humberto (não) Explica" isso.
ItálicoEm 2011, Ana Maria Braga se superou e lançou (já lançou?) sua cópia da revista da Oprah. E a gente pergunta: Dinheiro taí, mas cadê dignidade?

Por falar em presença de dinheiro e ausência de dignidade, a Claudia fez 50 anos em outubro, mas apesar do tamanho de sua história, escolheu Angélica pra estrelar sua (muito, muito ferrero recheramente tosca) capa. A TPM, que sempre bate no peito sem silicone pra dizer que é diferente das revistas femininas tradicionais, completou 10 anos no mesmo mês e colocou a mesma Angélica na capa (melhorzinha). Dá pra ter fé nas revistas femininas brasileiras?

Critica-se a Veja por N motivos (99% válidos), mas a revista fez descaradamente o que as duas revistas supracitadas não fizeram: estampou em uma de suas capas mais discutidas do ano Angélica atrás de seu narigudo. Em outras palavras, deixou bem claro que mulher bem-sucedida na vida, completa, é a que tem marido e que sabe muito bem seu lugar na história.

Pelo conjunto da obra (e que obra), a Alfa merece destaque por suas capas pavorosas. Conseguem ser piores que as de revistinha chulé aqui da roça.

Na falta de uma estrela de verdade que topasse posar em sua edição mais importante do ano, a Playboy encarou a Galisteu pela segunda vez publicou duas capas. A primeira foi bacaninha apesar de ter sido execrada pelos leitores mais fiéis. A segunda, essa aí acima, merece menção pela coragem da revista -- e da própria Galisteu, claro.

Por falar em cara feia, dei a minha a tapa em julho depois que, contrariando totalmente minhas previsões, Flávia Alessandra não conseguiu emplacar uma capa nem na Globo Rural. Sacanagem.

Pra fechar bacana como começou, a capa de maio da Nova. Nada como um senso de adequação -- a piriguete mais bem resolvida do país na capa da revista mais sexualmente despudorada no mercado. Nem o que a sociedade espera de uma mulher nem de uma revista para mulher. Espetacular e memorável.

Foi doído deixar algumas outras capas de fora (como a da Bazaar número 1 com a Gisa, ou a da Claudia com a Renata Ceribelli photoshopada total), mas pra se adequar ao propósito da retrospectiva não teve jeito (fora que eu dei uma roubadinha aí na dobradinha TPM/Claudia, vocês viram).

Bom, é isso. Acho que 2011 foi meio fraco em termos de capa de revista.
.

12 comentários:

Fernando disse...

Muito bom o post Humberto, gostei muito da análise.

Reginaldo disse...

Tem post explicando a capa de 1975? fiquei curioso..rs

Adorei a com a PresidentA, como ela gosta de ser chamada.

Outra dúvida! você coleciona as revistas físicas ou só virtual?

o Humberto disse...

Fernando, seu sumido, bacana você por aqui! Que bom que gostou! :D

Reginaldo, tem o post sim, vou por um link. Quanto às revistas, tenho elas aqui, cara, são quase 800. Tô querendo dar um fim a elas, uma biblioteca, outro colecionador... Já passaram muito tempo comigo, rs.

Abrazos!

Wans disse...

Essa de 1975 é a Bruna Lombardi? Tb fiquei curioso. A capa da Vogue é a mais linda de todas e faltou a Playboy da Barbara Evans. Lindíssima!

bjão

o Humberto disse...

Pois é Wans, a Playboy da Bárbara tava na seleção inicial, mas pra caber onze ela sobrou na última peneirada. Linda mesmo.

Eu pus um link pro post da capa da Bruna Lombardi (ela mesma, hehehe), taí no parágrafo mesmo.

Abraço!

FOXX disse...

adoro essas suas criticas a revistas

melo disse...

a da TRIP é a melhor
as outras, eu pessoalmente declino com vontade e veemência..

o Humberto disse...

Hahahaha, adorei Melo. 2011 vou bem fraco mesmo.

Alan Raspante disse...

Não adianta, essa Trip é memorável. Que capa mais linda!

Heron disse...

lá vem você de novo! kkkk, Ana Maria com cara de 26, é a melhor de todas.

Igor Blatt disse...

Olá. Meus parabéns pela ótima análise de capas de 2011 e concordo quando diz que foi um pouco fraco. Mas a Flávia Alessandra estrelou a capa da revista Estilo de Setembro.

o Humberto disse...

Obrigado Igor!
E eu lembro dessa capa da Flávia, sim, mas perto da avalanche que eu esperava foi como nada.

Viu a capa dela na Nova deste mês, achei que ficou linda (ela).

Abraço!