sábado, 17 de dezembro de 2011

festa de aniversário

A única festa de aniversário que eu lembro de ter tido foi aos meus 5 anos. Na verdade não lembro se foi mesmo uma festa. Lembro do bolo em forma de violão, azul, e da presença das minhas madrinhas. Lembro também que nessa idade eu já não gostava de tortas doces e já preferia (mas nunca ganhava) as salgadas (suspeito que não tenha sido mesmo uma festa, já que dali a três meses seria o aniversário de um ano da minha irmã e se bem conheço Dona Mãe ela já estava economizando tudo pra festa que realmente importava – e dessa aí eu lembro muito bem).

Fato é que depois disso nunca mais tive festa de aniversário. Tendo nascido em fevereiro, meu niver sempre caía no carnaval, então eu cresci acostumado a ser aquele que nunca tinha ninguém por perto na data. Na escola rolava a festinha de todo mundo, nunca a minha.

Pode estar soando “trauminha” até aqui, mas nunca foi esse o sentimento. Eu realmente cresci não me importando com a comemoração do meu aniversário (pra completar, durante aaanos fiquei cismado que algo ruim sempre acontecia no dia).

Anyways. O fato é que em 2009 eu resolvi comemorar o aniversário com uma grande festa. Achei que merecia muito, queria muito fazer algo inesquecível. Não tinha ideia de por onde começar, então arrumei o tempo que não tinha, juntei a grana toda que tinha e fui parar numa tradicional loja de festas infantis aqui de BH – sim, era a referência que eu tinha dessa tal coisa de aniversário.

Só posso dizer que quando entrei naquele lugar, a impressão que tive era de que eu tinha sido transportado de volta aos 5 anos de idade. A alegria era tanta que as vendedoras toda hora me paravam pra perguntar se tava tudo bem comigo, porque eu parecia uma criança com dinheiro pra gastar, aquele olhar “psicopaticamente” feliz. E eu escolhia bala, escolhia balão, escolhia letra cafona pra fazer mural, tudo que tinha direito – arrumei até uma vela em forma de caneca de cerveja e um chapelão preto e branco, assim como os balões, que também eram pretos com bolas brancas, além de umas bolas infláveis enormes... “Como é que eu pude passar tanto tempo sem fazer festa de aniversário?”, era só o que eu conseguia pensar.

Sei que saí de lá com duas sacolas gigantes de badulaques e mais coisas. Depois disso foi a vez de convocar os convidados e garantir que eles conseguissem manter em segredo a festa. Quando finalmente chegou o dia foi a hora de sair pra comprar muuuito salgado, muito, os melhores, os mais caros, eu queria uma festa inesquecível. A bebida já estava encaminhada.

Por fim, com tudo comprado, faltava só esperar a ajuda dos bons amigos para montar tudo enquanto eu saía pra voltar e encontrar a surpresa. Foi uma tarde mais tensa do que eu esperava – na correria, esqueci de comprar o pernil, que seria servido com pão de queijo e, pra piorar tudo, caiu uma tempestade que encharcou o local da festa (e se os convidados não viessem??).

A chuva deu uma trégua, eu saí, nem lembro pra onde fui, acho que pro shopping. Quando finalmente voltamos, foi uma das maiores alegrias da minha vida ver que todos os amigos dele, os amigos de verdade dele, estavam lá e que tinham preparado tudo e que nós tínhamos conseguido preparar a melhor das festas surpresas pra ele. Foram praticamente três noites de festa, três noites vendo muita gente querida abraçando ele com carinho de verdade.

Eu ainda não ganhei uma festa de aniversário, nem sei como me sairia com uma coisa dessas – não fui treinado pra isso. Mas posso afirmar, sem dúvidas, que aquela comemoração, naquela noite chuvosa de dezembro, foi a mais especial na minha vida. E aquele sorrisão no rosto dele valeu por todos os carnavais sem minha torta salgada.


Dois anos se passaram.
Feliz cumpleaños, tomui iofe.


P.S.: Este post (programado) foi escrito em alguma noite de junho ou julho. Meu desejo hoje, 17 de dezembro de 2011, e sempre, é que meu querido aniversariante tenha muita saúde e muitas felicidades. E que o tudo que há de bom nele, incluindo o tal sorrisão, continue iluminado por muitos e muitos anos.
.

21 comentários:

Tainá disse...

ai Humberto, você é o mais divo na face dessa terra, sem brincadeira. e não adianta vc ficar com essas bobagens tipo a tag desse post (que eu rachei), porque não tem como: tudo que a gente faz de coração sempre vai dar certo né?
beeeijos.

o Humberto disse...

:)
Ê Dona Tainá, você que não existe. Não é à tõa que meu santo foi com o seu de cara.

<3

o Humberto disse...

Ah, e sou uó pra organizar festa mesmo, hehehe... besos lindona! ;)

FOXX disse...

gente, a festa não era pra vc? =O
e eu achando...

gente...
que pessoa mais sortuda pra ter vc fazendo a festa de aniversário dele...

gente...
é muita sorte mesmo!

nunca tive nenhuma festa de aniversário tb, só uma de 1 ano, cuja unica lembrança são as fotos...

o Humberto disse...

:)
Eu nunca entendi pq fazem festa pra gente quando a gente é bebê e não pode aproveitar, Foxx. Hoje mesmo tenho uma pra ir.

Mas, olha, eu me divirto com o aniversário dos amigos. Me jogo junto com eles e pra mim tá de boa. ;)

Mr. TV disse...

e eu que quase chorei aqui de dó por vc nunca ter tido uma festa e qdo chego no final, q era pra ser final feliz pra vc, a festa era pra outra pessoa. kkkkkkkk... o Humberto deve ta se rachando aí, enganou os bobos na casca do ovo kkkk... gente, vamu fazer uma festa pra ele? hehehe abs

o Humberto disse...

Hahaha, mas foi uma festa minha tb, meu querido! :D

E o post não é um pedido de festa não, rs, apesar de parecer.

Esse foi um desses textos escritos na madruga, quando faz silêncio na roça e me dá vontade de sair escrevendo. Quase nao publiquei, na verdade. :P

alan raspante disse...

Eu já ia falar que não tinha entendido lá muito coisa... AFINAL, PRA QUEM ERA A FESTA? Me perdi e não tô me achando, rs

Caroline disse...

Lindo post, lindas palavras...

Bjos.

Gay Incomum disse...

Eu tive algumas festas de aniversário.
A de 1 ano que tbm só lembro por foto; a de 6 anos, filmada e registrada tbm na minha memória até hoje; a de 9 anos; a de 10 e a de 12 mais simplesinha; e a de 24 que meus amigos fizeram pra mim.
Tbm já organizei festa surpresa para amigos. Em todas me diverti muito.
E nisso vc tem razão, não importa de quem é a festa, o importante é se jogar.
Hoje não ligo mais pra ter festa de aniversário, é só mais uma data em minha vida, E pode parecer solidão, deprê, mas ficar sozinho no meu canto refletindo, às vezes é o melhor.

Abração!!

Lobo disse...

Ah, eu nem gosto mais dos meus aniversários. Comemoraram para mim até +- os meus 18 anos, mas depois várias coisas aconteceram e ele se tornou apenas uma lembrança, que prefiro que fique no passado e não seja revivida nunca mais.

Mas admito que sempre me divirto quando fazem festas pra adultos com temas de criança hahaha. Os adultos são muito mais crianças que muito crianças nessas situações XD.

Beijo Humberto!

Reginaldo disse...

Adoro festa de adulto em buffet infantil, quem sabe em um ano destes me inspire pra isto. ;-)

Boa semana!

Débora disse...

Eu estava ao seu lado quando ele se foi... nunca vou me esquecer. Como tudo na vida tem seu lado bom, esse caso serviu para aproximar a gente mais ainda e ao mesmo tempo nos deixar sem entender porque ...''no meio de tanta gente chata e encontrei voce...''
Lov U. Besos

Débora disse...

...''* eu encontrei você..."

Janaína disse...

Eu não gosto de festa de aniversário. Na verdade, aniversário (pelo menos o meu) é algo que pra mim, não faz muita diferença. Mas eu me lembro de algumas festinhas na época de infância e, da fase adolescente e adulta, me lembro mais da minha festa de 15 anos. Uma catástrofe! Ela tinha sido planejada por muito tempo pra ser um sonho realizado em dezembro, mas virou um pesadelo quando meu avô (o planejador, patrocinador e executor) teve um infarto fulminante em 31 de outubro. Desde então, aniversário, pra mim, não tem muito "clima". Mas vovó, festeira que só ela (e que tb perdi no último dia 24/11), dizia: "Flha.. temos que comemorar. Afinal, a vida continua. E se seu avô estivesse aqui, com certeza teria até foguete!". Admirava também a Glauciane, que já começava a "alugar" a gente faltando um mês pro aniversário dela. Aquela ali era uma loucura quando o assunto era festa de aniversário... rs
Talvez agora, sem ela, sem meu avô, sem vovó, eu consiga entender melhor a impotância de celebrar mais um ano de vida. Afinal, todo ano representa uma nova chance que a gente está tendo, um passo a mais no caminho (incerto, mas constante) cujo fim, todo mundo sabe qual é. Talvez em 2012 eu festeje, junte o povo que me é querido e abrace todo mundo. Não só pela data ou pelo motivo de receber o abraço e o presente, mas muito mais pra não deixar passar as oportunidades que temos de ter por perto aqueles que amamos pra celebrar a vida; porque depois que ela acaba não tem mais o que celebrar.
Assim sendo... bóra começar a pensar em fazer um carnaval particular em fevereiro próximo, Humberto?! Bóra botar nosso bloco na rua?! rs
Beijo!

Mar de LUNA disse...

Muito bom o seu texto, quase chorei no começo e terminei ás gargalhadas.
Empresta-me sua história?
Nunca tive festa de aniversário...e nem presentes. Acontece que faço no dia 31/12. E sempre foi assim: No natal todos recebiam presentes e ao final alguém olhava pra mim (que nunca ganhava nada) e dizia: "O seu vc vai ganhar no aniversário, viu?" Acontece que, quando alguém me presenteava... bem de leve ( ok, presente é presente, mas refiro-me ao ato em si) eu sempre pensava que, se todos ganham duas vezes -no natal e no aniversário, pq eu não? E também nunca tive os parabéns cantado na escola pq todos estavam em férias. E assim continua. Nas redes sociais ninguém ainda me felicita pq neste dia todo mundo tem mais o que fazer, não é?

Dan disse...

eu te faço uma festa baby! ô se faço!
ps: e eu sou ótimo organizador... ahahha

o Humberto disse...

Como responder a tantos comentários tão bacanas? :D

Vocês são uns ótimos!
Obrigado pelo cariho!

melo disse...

eu gosto de festa de aniversário e achei esse relato lindo..
me fez lembra de uma festa que também não tive mas que fiz de conta que tive, 6 anos acho, chamei o povo da rua mas não tinha nada em casa..
quase matei os pais de vergonha!
acho que nunca é tarde para ter a festa que você sempre sonhou ter...

Tainá disse...

passei por esse post hoje.
realmente idependente de qualquer coisa o sorriso dele vai continuar por muitos e muitos anos humberto.
<3

o Humberto disse...

E eu só vi esse seu último comentário hj, Tainá.
S2

Saudade da sra.