quinta-feira, 5 de abril de 2012

ressurreição do coelhinho

Uma coisa que me irritava profundamente quando eu morei nos EUA era o número de feriados no Brasil. Toda hora tinha um, sempre "emendado". Não, eu não me irritava pelo fato de não poder aproveitá-los, acredite. Na verdade, o que me emputecia era que sempre que eu precisava de alguma coisa aqui ou que alguém resolvesse alguma burocracia pra mim, isso ficava sempre pra muito depois porque era feriado -- de novo e de novo.

Vamos dar um desconto para o fato de que eu já estava imerso numa cultura protestantista onde tempo é dinheiro, mas, convenhamos, precisa mesmo tanto feriado no Brasil? Precisa parar toda hora? Tá, a gente rala pra caraglio, ganha pouco, mas será que é tão necessário assim?

Bom, esse era um questionamento que eu tinha muito em 1999. Lembro que naquele mesmo ano de 1999, pela primeira vez em que eu não fui à procissão da Sexta-Feira da Paixão. Eu fui criado numa família católica. Ninguém aqui em casa nunca foi beato ou xiita, mas a gente teve essa educação religiosa (basicamente, fazer catecismo, coroar, crismar), mas tudo sem pressão -- eu, por exemplo, nunca fiz questão nenhuma de me crismar, e aos 14 anos já era crítico o suficiente pra não concordar com muita coisa no catolicismo.

Se toda essa criação católica isso serviu pra alguma coisa, serviu para a gente desenvolver um senso de respeito. E de compromisso e de coerência. Eu não fui à procissão em 99 porque eu fiquei de cara com o "Ô Jesus Cristo, cadê você?, Eu vim aqui só pra te ver!" que eu ouvi os "fiéis", incluindo várias Donas Marias, gritando na quinta-feira de lava-pés. Então, como eu não acreditava naquele teatro na rua, eu simplesmente não participava dele. Tirava o dia pra refletir sobre coisas que a gente não costuma parar pra pensar.

Enfim. À medida que eu fui me desencantando com as práticas e, sobretudo, com os representantes da religião católica, eu fui me afastando. Mas sempre mantive o respeito, seja por quem professa essa ou qualquer outra fé, por mais estúpida que me pareça. Respeito por quem não tem fé nenhuma também, até os que defendem isso de maneira quase tão insuportável quanto os mais crentes. Eu não me acho melhor que ninguém porque acredito ou não em qualquer coisa.

Juntando as duas histórias, chego no ponto que queria neste post: ainda me incomoda o excesso de feriados neste país, mas agora me deixa ainda mais encucado o fato de que toda aquela galera que adora criticar religião, ou que (muito apropriadamente) se "empenha" pra relembrar condição do Brasil como país laico, não tem o menor problema com os feriados religiosos. Tudo bem pra eles em descer a lenha na Igreja Católica por N motivos, mas que ninguém se atreva a cancelar os cerca de oito feriados santos de que fazem muito bom uso os religiosos ou não.

Bonito isso, né?

Penso mesmo que dia santo nenhum devia ser feriado. Por que cargas d'água só as comemorações católicas merecem parar o país? Pra quê parar o país? E que zona ainda maior se tornaria isso se todas as religiões passassem a ter feriados também? Melhor seria deixar a fé para cada um, no máximo dentro dos templos que cada um adora.

Boa Páscoa a todos. Seja lá o que ela significar pra você.


P.S.: A quem possa interessar, hoje me considero agnóstico, isso (equivocadamente) entendido como "aquele que crê em Deus, mas exercita sua fé independentemente de igreja". Ainda acredito e procuro praticar o que de bom aprendi na minha formação católica. E fico chocado tanto com um Papa escroto e seus muitos padres pedófilos quanto com o que sobrou daquelas procissões que a gente acompanhava duas décadas atrás.
P.S.2: Confesso, não tenho muito respeito por devotos da Madonna.
.

9 comentários:

Mr. TV disse...

Caraglio, que post bonito e sincero, eu sou católico, também não tivemos pressão por parte de meus pais, fiz tudo o que a doutrina pede, e continuo indo à missa, não fervorosamente, mas vou e gosto e acredito, tenho fé. Claro que tem coisas que não dá pra aceitar, chega a ser insano, mas do meu jeito fui extraindo o que não precisava e sigo com minhas crenças, sem ofender a de ninguém.
Abraço.

E ヅ disse...

Eu sou a favor de observarmos feriados para todas as religiões, ONGs, sindicatos e qualquer outra coisa que se invente. Fomenta o turismo e alivia o estresse.

o Humberto disse...

Pois é, Edu, eu ia falar da parte do turismo, que é um dos lados bacanas do feriado. Dá outro post, vou tentar mais pra frente, valeu!

Mr., você sempre um cara simpático. :)

Abraço pros dois!

FOXX disse...

agnóstico não é aquele que duvida da existência de Deus? q não tem certeza?
pq o que vc definiu na verdade seria espiritualista.

o Humberto disse...

Eu disse no texto que era uma definição equivocada a minha.

Lobo disse...

Nossa, nem me fala em procissão, já fui obrigado a ir em, tipo, umas milhares quando era criança. Fugi de umas dezenas, inclusive quando mandaram eu fazer papeis importantes em peças malditas.

Ainda bem que a tortura acabou. Ninguém mais me torra a paciência, e alguns até ficam meio receosos quando digo que não posso chegar perto da igreja senão pego fogo hahaha.

Pros chatonildos que tentam enfiar a fé deles nossa goela abaixo, eu sou satanista. A cara que eles fazem é impagável :p

Serginho Tavares disse...

eu adoro feriados porque não tenho que ver a cara azeda do meu chefe quando o saldo dele ta baixo
huahuahuahaua

Tony disse...

Olá, Humberto. Caí no seu blog quando eu procurava informações sobre a saudosa Adriana de Oliveira, pois eu também sou blogueiro, e hoje fiz um post em homenagem a ela. Como você também parece ser fã, caso queira, apareça por lá para conferir. Abraços.

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Para não fugir à regra hoje estou com o EDU em tudo o q ele diz ... q sintonia meu Deus! rs

Qto ao lado subliminar do post tb estou com vc ... um saco esta coisa de religiosidade nos dias de hoje ...

O Raphael do Pote de Ouro postou algo na sexta q deu polêmica e hoje ele postou uma resposta ... como as pessoas são intolerantes para com os pontos de vistas dos outros ... chega desta coisa de tudo ter q ser politicamente correto ... q saco ... vamos ser mais felizes e mais alegres ...

Parabéns e beijão

ps: temos q marcar o nosso encontro né?