quarta-feira, 13 de junho de 2012

o Porta

Vi muito pouca coisa sobre a Parada Gay de São Paulo este ano na TV. Só uma rápida menção no "Fantástico". O muito que li a respeito foi uma discussão sobre o número de participantes, por conta de uma pesquisa da Folha -- e nós conhecemos as pesquisas da Folha.

Com certeza deve ter havido uma cobertura televisiva maior, mas falo do que vi. Assisti um pouco ao "CQC", que fez uma edição especial, mas aí falamos de um programa humorístico. Ontem tentei assistir ao "A Liga", mas cada vez que sintonizava na Band lá estava aquele senhor deputado homofóbico, falando como se tivesse alguma propriedade no assunto.

E eu me pergunto: Por que ainda dão credibilidade a esse senhor? A quem interessa dar tanta atenção a ele?

O Edilson Cravo, do "Lua 2 Gatos", fez um post justamente falando sobre esse elemento, e sobre visibilidade e a Parada. Também vi vários twitteiros falando do tal deputado e por aí vai. De forma que repito aqui o que sugeri pro caro colega Cravo em seu blog: Temos que parar de falar desse senhor parlamentar. Do contrário, só estaremos dando visibilidade a ele (e é isso que ele quer).

Evidentemente, não digo que devemos ignorar a existência desse imbecil (por mais que eu adorasse isso), porque ignorar esse tipo de gente e discurso pode ser perigoso. Mas penso que podemos falar dele, quando e SE for muito indispensável, sem citar o nome. Sugiro que pra falar desse homem façamos como já fazem alguns jornais, que noticiam sobre aquela facção criminosa de São Paulo sem citar sua sigla de três letras, justamente pra não "popularizar" a coisa. Já que estamos falando de um sujeito que vive apenas de propagar uma ideologia criminosa, não vamos mais dar a ele a visibilidade que precisa pra continuar no poder e às custas do sofrimento dos outros.

Enfim, é só algo que penso que podemos fazer. Chamem de porta, chamem de parlamentar ignorante, de deputado homofóbico. Mas não chamem pelo nome.

Há muita gente realmente importante e genuinamente engajada na luta pela criminalização da homofobia, e essas sim merecem sempre nossa atenção e respeito. Não vamos gastar nossa beleza e dignidade com quem não tem nem sabe o que é isso.

Abrazos a todos.
.

6 comentários:

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

perfeita sua percepção e sua análise ... parabéns ...

Serginho Tavares disse...

senti falta de uma cobertura maior este ano com relação a parada, o que vi foi mais falatório a respeito dos números do que da parada em si!

e sobre o tal senhor, se todos começarem a fazer como você disse, o nome dele deixa de existir e consequentemente ele também. ignorar é a solução!

beijos e parabéns pelo post!

Cores da Crise de meia idade! disse...

Humberto Helênico,
Também não pronuncio o nome de quem nomeia os outros de algo que não conhece!
Bjs

Alan Raspante disse...

Fui na parada de SP no ano passado e só. A desse ano eu só fui saber quando ia acontecer no dia anterior... Enfim, acho que não ligo mais pra esse tipo de coisa, ainda mais quando o pessoal só vai mesmo pra fazer uma suruba à céu aberto do que propriamente uma conscientização. Agora, o tal deputado? Só fui saber algo agora, rs

E o que eu tenho a dizer? Nada mesmo. Vou levando assim mesmo, quando menos saber é melhor. Sei que não tou perdendo nada...

Edilson Cravo disse...

O Humberto:

Gostei do codinome "O Porta" e aja peroba, hein...kkkkkkkkk.
Abraços.

Obs: Obrigado por me citar e ao Lua na postagem.

Edilson Cravo disse...

Meu "haja" saiu sem o h...foi mal...kkkkkkkk.