domingo, 26 de agosto de 2012

chuta pro gol, carai!

Quando era criança odiava futebol. Odiava, odiava. Futebol pra mim era aquela merda que eu era obrigado a fazer na aula de educação física, e que, por isso mesmo, duas vezes por semana me fazia sentir um pouco mais detestado do que já era em casa (porque eu era aquele que sobrava na divisão dos times, ninguém me escolhia, eu era aquilo que o time tinha de levar por obrigação).

Na Copa de 1986 eu comecei a gostar um pouquinho do esporte, por conta do Maradona, que era o melhor. Eu acompanhava mal e porcamente a competição (gostava de outras coisas, da Luiza Brunet de musa na Playboy, da loira do Araquém etc), mas ali comecei a me interessar um pouquinho, acho que mais pra ter assunto no recreio.

No ano seguinte foi a primeira vez que eu lembro de ter seguido melhor um Campeonato Brasileiro. E mais legal ainda, foi a primeira vez que eu joguei futebol com prazer: tinha uma peladinha na casa de um amigo, rolava num espaço mínimo, e o mais hilário é que no fundo o jogo era 6 muleques de 10 anos contra a tia dele, a Ticida (uma bofe imensa, que era professora de educação física). Eu não perdia um desses jogos, porque ao contrário daqueles na escola, me faziam me sentir um garoto normal. E eu adoraaaava a Ticida, ela era muito bacana -- Ela que não deve ter boas lembranças minhas, já que eu, bem, quebrei alguma coisa na canela dela, o que a rendeu um belo gesso e nos custou dois meses sem os jogos.

Depois disso, sabe lá Deus por quê, larguei o futebol pra lá de novo (acho que foi quando eu cismei com revistas, veja que bosta). Fui voltar a acompanhar futebol em 1994, mas era tão bom no assunto que achava que repescagem era "refrescagem" (sim, meus amigos me zoavam só um pouco).

Daí, ali por 96, 97, já tendo alguma noção, é que eu comecei a ficar fanático mesmo (meu último post de niver não me deixa mentir). O foda é que eu sou Atleticano, daí era todo ano tendo certeza que ia ganhar o campeonato, pra depois morrer na praia. Mas torcer pra time é isso mesmo. Se não for pra torcer por ele, melhor não ter. Eu não ganho nada com os jogos, eu acho o fim da picada jogador de futebol ganhar o que ganha enquanto professor tem de ficar meses em greve pra ganhar ML$ 100,00 de aumento, mas fazer o quê?, a gente acaba torcendo. E eu não sou desses que tem um time em BH, outro no Rio, outro não sei onde -- eu sou Atlético onde for.

Mas se tem uma coisa que deixa atleticano puto é a roubalheira (sem contar a imprensa bairrista). E nessa, depois daquela final de 1999, que eu acompanhei pelo computador, direto de uma biblioteca na Universidade do Texas, tenso que só, eu desesquentei. Parei de torcer, parei de acompanhar, larguei o futebol pra lá de novo, com vontade.

Quando meu time caiu, acho que em 2006, e no ano seguinte foi campeão na série B, eu não acompanhei nem comemorei (onde já se viu comemorar vitória em série B?, não era nem pra tá na série B).

Fato é que agora, em função dos últimos resultados, eu me vejo um pouquinho como era em 1997. Mas o pé continua atrás. Nervos pra ver os jogos nunca tenho (culpa da Márcia Fu, que acabou com todos no Brasil x Cuba das Olimpíadas de 96), então só acompanho via gritaria na rua. Fico em casa, fingindo que leio ou assisto alguma coisa, mas aguardando os berros. Dá uma vontade de torcer também, de ir pro buteco, mas não quero passar de novo pela frustração de 97, 98, 99... então eu virei exatamente o torcedor da charge que ilustra este post.

Vamos ver no que vai dar essa merda. No futebol, assim como no amor, na carreira, nos estudos, na programação da "Sessão da Tarde", eu já não tenho muitas ilusões, não. Mas vamos acompanhar. E torcer. :P

Abrazos a todos, este post foi só pra eu voltar a escrever mesmo.
;)


P.S.: Enquanto eu escrevia o texto, a porra do cruzeiro fez um gol aos 48 minutos. Então, né, já viram.
P.S.2: O Humberto torcedor do vôlei feminino na época da Márcia Fu era do tipo que quase infartava. Só digo isso.
.

7 comentários:

Anônimo disse...

Humberto! Adorei... Saudades, beijo, Ivana

Clenio disse...

Te entendo quase completamente, com a diferença que meu time (Internacional) tem algumas vitórias bem emocionantes nos últimos anos que me fazem AINDA torcer quase fanaticamente.

Qto à Márcia Fu, sou MarciaFuTeam pra sempre... que mulher, hein??? Mas quem acabava com meus nervos tbem eram Paula, Hortência e cia... adorava assistir aos jogos de basquete feminino da Olimpíada de 92 só por causa delas...

Abração e até breve, meu querido
Clênio
www.lennysmind.blogspot.com
www.clenio-umfilmepordia.blogspot.com

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

não suporto futebol ... #fato

Margot disse...

Humberto...gosto do galo #fato...rsrrs, seja onde for.
Abraços e gracias por me receber.

Alan Raspante disse...

Eu sigo sem gostar de futebol. Até agora, não rolou nenhum sentimento :( rs

Maaaas, pra todos os efeitos, eu sou corinthiano, rs

Edilson Cravo disse...

Detestooooooooooo futebol com todas as minhas forças.

Obs: a única exceção são os jogos do Brasil na Copa.

Abraços e linda semana.

Mr. TV disse...

eu sou palmeirense e tive que aprender a lidar com as zoações na última década, se tive (meu Deus!!, esse ano quando ganhou a Copa do Brasil nem acreditei, porra! nem lembrava o que era isso? kkk... mas velhinho, se tu quer me ver enfartar chama eu e meu irmão pra ver Palmeiras e São Paulo (ele é são paulino) e tenha a sorte de ver o São paulo fazendo um gol, juro! a pressão acelera, aliás, nem é bom chamar (e pensa no bicho chato que é meu irmão, ou sou eu o bicho chato rss, sei lá, tu entendeu), abraço cara, bom post!