quinta-feira, 13 de setembro de 2012

viajando na maionese com Marisa Monte

"Se nos mantemos em sintonia com nossos sentimentos, se nos conservamos íntegros, aumentam as chances de esbarrarmos na felicidade. Além do mais, o ser humano possui uma capacidade incrível de recuperação. Claro que certas tristezas nos abalam enormemente. Ainda assim, acho possível superá-las -- não no sentido de eliminá-las, mas de transformá-las. 'Faça sua dor dançar', não é? Ou melhor: compreenda que a dor pode até continuar presente, desde que modificada."


Essa foi a resposta dada por Marisa Monte quando perguntada pela revista Bravo! deste mês se ela acredita em suas canções otimistas. Não morri de amores pelo que ouvi do álbum novo dela, "O que você quer saber de verdade" (PAVOR da música do Xorxinho e da Nina), mas gosto da voz da Marisa. Também acho que ela administra de maneira inteligente sua imagem.

A entrevista é bacana. Um pouco rasa, especialmente pra uma revista que paga de cult, mas é bacana. Das declarações da cantora, gostei particularmente dessa aí acima. Acho que é bem por aí mesmo a coisa.

Lembro bem quando Marisa Monte começou, eu gostava muito de "Bem que se quis". Depois fui gostando de outras, mas nunca fui desse povo (comentado por ela na revista, inclusive) que trata a mulher como o último biscoito do pacote intelectual. Gosto da voz, gosto de algumas músicas, acho uma artista coerente. Ponto final.

Quem me deu a revista foi meu amigo gaúcho, loirinho e não tão baixinho, Clênio. E do repertório da Marisa, minhas músicas favoritas são "O Que Me Importa" e "Não Vá Embora", (que apesar de adorar, eu evito como posso ouvir, porque é me traz uma das lembranças mais doídas que eu tenho -- e que continua presente, mas, como sugere a cantora, modificada. Bem modificada.


P.S.: O Mr. TV já tinha me mandado a capa pelo Facebook. Eu gosto. Ficou meio Frida Kahlo, o que eu curto, é um tanto escura, o que não sei se curto, mas eu gosto do resultado final. Tá minita.
.

7 comentários:

Rafa disse...

Tenho fases que adoro MM e outras que me passa despercebida... Mas independente disso, o show sempre vale a pena. Gostei muito do último CD. Ah, e não tem artista mais inteligente na MPB no sentido de administrar a própria carreira...

Edu ardo disse...

Tb gostei do último CD. Tinha alguma aversão aos primeiros pq irmã escutava sem parar. Mas com o tempo fui me rendendo.

Clenio disse...

Adoro Marisa do fundo do coração, tenho os cds, os dvds, fui aos shows, tenho foto, autógrafo, o kit completo hehehe
E realmente a entrevista é superficialzinha. Mas Marisa é o máximo e "Depois" é linda, 1berto, deixa de ser ranzinza hahahaha.

Bjos do loirinho não tão baixinho (tu quem diz...) Clênio
www.lennysmind.blogspot.com
www.clenio-umfilmepordia.blogspot.com

o Humberto disse...

Hehehe, meu querido, a entrevista, o trabalho do entrevistador, foi fraca. Marisa se saiu muito bem! :)

Bjo lindão!

Mr. TV disse...

DA Marisa Monte? Eu gosto! E gosto muito!! Muito talvez pq me lembra uma pessoa mto querida que fez parte de um momento importante da minha vida e clr, concordo com o Humberto, tem músicas que eu não curto, mas no geral, eu gosto! Eu gosto (que chato isso né?), eu gosto, matraca rs! Lindão, da música do Xorxinho e da chata da Nina eu tbm gosto (kk)).

Caroline disse...

Também adoro!! As antigas então...Não vá embora...faço das suas palavras as minhas....bem modificada mesmo rsrsrs...

Bjo

Vinicius Valente disse...

A Marisa é um caso sério! Detesto como pessoa, amo como artista. Achei o último Cd meio aquém do que ela já produziu, mas tem algumas músicas que se salvam. Gosto mesmo da época dos Tribalistas...rs

Acabei de conhecer seu blog e gostei bastante do que li. Um abraço e muito prazer.