quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

pernas pra que te quero

Viram a perna viva da Angie no Oscar, querendo fugir do resto do corpo? -- O que é compreensível, já que tá ficando pesado demais pra ele, cada vez mais franzino, carregar essa cabeça linda, mas cada vez "maior".

Num segundo nêgo criou um Twitter pra perna aparecida e noutro criaram um Tumblr pra copiar a pose da que nossa querida Angelina fez na hora de entregar um prêmio.

O mais curioso, entretanto, contudo, todavia, foi dar-se conta de que Angie, vejam só, já tava "se inspirando" num look usado pela Jen em 2010. Não é um amor que essas duas tendo o rabo cheio de dinheiro, sucesso, beleza e o escambal a quatro ainda sejam tão humanas, demasiado humanas, a ponto de querer fazer picuínha uma com a outra depois de tanto tempo?

Não me venham com papo de coincidências, não me venham dizer que o modelo é comum e blábláblá. Angie escolheu pensando em Jennifer sim, e caprichou na pose pra poder mostrar que fica melhor e tal.

Daí agora é a opinião de cada um. EU, sinceramente, por mais que ame Angelina, tô cada vez com mais medo dessa cabeça e dessa magreza (sem contar a palidez). Pra mim, então, Jen, saudável e loira-morena, segurou muito melhor a onda.

Enfim, tinha uma data já que essas duas não apareciam por aqui. Mas as musas são assim mesmo, sabem dar um tempo pra gente sentir saudade delas, até de seus momentos mais próximos ao de qualquer mulher comum. E depois voltam pra lembrar que são musas.

Amo.
.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

a vida corrida da gente

Há tempos uma novela não me pega. Salvo engano, a última que segui foi "A Favorita", lá em 2008. Depois disso ou a preguiça ou a falta de tempo acabaram me deixando longe desse tipo de trabalho, que eu já adorei muito.

Fato é que nas últimas semanas comecei, bem sem querer, a ver umas cenas de "A Vida da Gente", novela das 6 (veja bem!), enquanto fazia um lanche. E eu devo confessar que senti um arrependimentozinho de não ter visto o folhetim desde o começo.

É uma daquelas novelas bem das 6 mesmo, mas boazinha, sabe? Tem uma boa história, tem uma fotografia bacana e tem algumas interpretações que são fantásticas. Quem me ganhou mesmo foi a Marjorie Estiano e a Ana Beatriz Nogueira. Aliás, a Ana Beatriz é uma atriz muito pouco reconhecida pelo tamanho do seu talento (há aaaaaaaaaaaanos essa mulher só dá show). A relação das duas é muito instigante na trama e os diálogos (sobretudo as discussões!) são muito bons.

De modo geral é a história dessa família central que me interessa mesmo, mas há outras bem interessantes também.

A novela acaba esta semana. Eu muito provavelmente vou ver o fim só no Youtube e só na semana que vem. Mas ainda assim vale.

Eu gosto de falar de trabalhos bem feitos, vocês sabem. E essa novela aí, pela qual eu não dava nada de nada no começo (tanto que nem me apeteci de ver) acabou sendo uma boa surpresa.

Besos, bom dia a todos.


P.S.: A Gisele Fróis também, putamerda, muito boa.
.

sábado, 25 de fevereiro de 2012

o cantador de histórias


Como fazer um post bacana pro dia de hoje? Fazer um texto longo? Fazer texto nenhum? Não postar e sair pra viver?

Pensei em algo que eu amasse muito e que além de ser importante pra mim pudesse dizer bastante a meu respeito. E não precisei pensar demais: houve uma primeira ideia com capas de revistas, outra com fatos marcantes, mas não teve jeito, ganhou a música!

Assim, pra celebrar esta data (que ainda não sei se me traz alegria ou dor de barriga), resolvi pensar em uma música que me lembre, de alguma forma, cada ano desta minha gostosa e intensamente vivida vida. Procurei escolher músicas daqueles anos mesmos, e não foi fácil ter que abrir mão de algumas. Mas tem de tudo aí abaixo. Então, chuta um ano qualquer aí e viaje no tempo. Bom, no tempo da minha história.


1977 1978 1979 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 0 dia de hoje


Eu sei, este post e essa coisa das músicas é muito coisa de nerd à toa, mas, sinceramente, achei uma experiência bem bacana, lembrei de muita coisa e cheguei à conclusão de que valeu a pena -- que a vida valeu a pena.

É isso, então. No mais, muito obrigado pelo carinho sempre por aqui. Este blog, pertinho de completar cinco anos, e os amigos que fiz através dele são, definitivamente, das melhores coisas que já me aconteceram.

Besos.
Yay pra mim!
:D



P.S.: Uma confissão: Achei que não ia lembrar de música pra 77, por razões óbvias. Daí googlei a música que vinha à minha mente quando pensava no tal ano e, bingo!, ela era de 77 mesmo. Deu um certo medinho, não pode ser lembrança. Minha recordação mais antiga na vida, e isso eu sei bem, é justamente a música de 79.
P.S.2: 1998 foi o ano mais difícil de escolher uma só. "Ray of Light", da Madonna, passou muito, muito perto. E ficaram muuuitas outras de fora, ô ano bom de música.
P.S.3: Amy Winehouse poderia representar, sozinha, de 2007 até o ano passado. Na verdade, a Amy bem pode representar minha vida inteira. No fim, acabei optando por outras pra não limitá-la.
P.S.4: Só chorei quando tocou a música de um determinado ano, porque me levou muito praquela época e eu vi o quanto uma escolha (errada) num momento específico da sua vida pode mudar a história toda.
P.S.5: Torcer agora pra 2012 ser também musicalmente bem bacana. ;)


Update em agosto de 2014: Se algum link não abrir, favor clicar aqui. ;)


 

.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

a garota da ponte

E acabou o carnaval, graças a Deus. Nada contra, mesmo. Eu só estava cansado de fazer nada e ainda por cima ficar vendo um monte de gente fingindo uma alegria que ninguém merece. Fico feliz, entretanto, pelos que realmente estavam felizes, sei de alguns casos.

Eu gosto da rotina, gosto de trabalhar, então um feriado que dura uma eternidade me incomoda um pouco, especialmente quando eu não tenho grana bastante pra simplesmente fingir que isso é coisa de gente normal e fugir pra uma praia qualquer (e sabe Deus como dessa vez eu queria ter me jogado, mas enfim). Ao menos pude curtir a roça no único período do ano em que a cidade se torna um sossego (e olha que em 2012 os "cools" que ficaram por aqui, porque também estavam sem dinheiro, inventaram uns bloquinhos de rua que renderam vááárias fotos posadas no Facebook).

Anyways, sozinho em casa, na magnífica companhia dos cãe e gatos, tratei de por leitura e cinema em dia. A leitura, coitada, ficou na vontade. Ao primeiro parágrafo o sono batia. Mas os filmes deram certo.

Toda essa introdução mal-humorada, enfim, foi para falar não do carnaval (whatever pro carnaval), mas de "A Garota da Ponte", filme francês de 1999, estrelado pela Vanessa Paradis e por Daniel Auteuil.

Meu primeiro contato com esse filme foi em 2005, durante a "Mostra Freak" que eu ajudei a organizar quando fazia parte do Núcleo Audiovisual da faculdade. A ideia era exibir filmes com protagonistas misfit, gente que foge um pouco do que se costuma chamar de normal. Eu comecei a assistir a exibição e, assim como a plateia presente, logo nos primeiros minutos me apaixonei por Adele, não a cantora, mas a protagonista do longa. Quis o destino, no entanto, que eu saísse pra cometer um erro (bem, dois) e não visse o resto do filme. Daí esperei sete anos, como vocês devem ter notado, até enfim assistir e passar a tê-lo como um dos meus filmes favoritos.

"A Garota da Ponte" é todo lindo. Fotografia, atuações, roteiro, trilha sonora. Tem muita gente que lembra da Vanessa Paradis pelo fato de ser mulher do Johnny Depp (ou ainda por ser a intérprete de "Joe le taxi"), mas eu me lembrei bem de como os franceses que eu conheci no Texas a tratavam como uma super estrela (daí me dei conta de que era justamente na época deste filme).

Eu poderia pôr aqui o link para a melhor cena, a mais bonita, mas não seria nem spoiller, seria sacanagem mesmo (pus no Face, sorry pra quem viu). Provavelmente nenhuma outra cena de sexo no cinema tirou tanto meu fôlego como essa passagem. Linda, linda, linda (e extremamente excitante).

Bom, vi outros filmes, mas nenhum deles mexeu comigo como este. Fica, portanto, como sugestão, sobretudo para os blogueiros de cinema, que poderão fazer resenhas muito melhores que esta. E, claro, fica para os leitores apaixonados ou querendo ficar.

No mais, bem-vindos de volta à realidade. E não vou desejar 'Feliz Ano Novo' porque, olha, pelo menos por aqui 2012 já começou e faz tempo.

Besos.


Update na mesma hora: Acabei de ler este post do Diego Túnel Rebouças. E me dei conta de que não concluí o meu post como queria. Esqueci de mencionar o quanto eu lamento por ter saído às pressas no dia em que o filme foi exibido na Mostra (porque eu precisava resolver urgentemente meu futuro como redator publicitário, hahaha). Por conta de uma ilusão, deixei de ver "A Garota da Ponte" na tela do cinema. Como me perdoar por ter visto no notebook um filme tão lindo como este tendo podido vê-lo na dimensão e no ambiente mais adequados? Maldita preocupação com o futuro que nos atrapalha a viver com plenitude nosso presente.
.

domingo, 19 de fevereiro de 2012

coração de um blog em festa

A ideia era não passar por aqui por esses dias, mas, olha, como não registrar um momento desses durante o carnaval?

A rainha da bateria favorita deste blogador e musa do coração deste blog foi tema da escola de samba (do grupo especial carioca) Estácio de Sá. COMASSIM ninguém me fala nem me chama pra desfilar???, teria EU sido o rei da bateria numa ocasião dessas!

Agora, se você tá achando que foi essa muito merecida (ou, sei lá, bem paga?) homenagem que me fez vir aqui postar durante essa folguinha de carnaval, engana-se. O momento que merece registro é o que se faz notar na imagem abaixo. O momento que mostra que nada como um bom corte de cabelo e uma loção adstringente mágica pra dar jeito (ôh, e que jeito) em qualquer um.

Lembram-se dessa questão crucial, lançada aqui mesmo no blog ano passado? Alguém tem dúvida da re$po$ta atualizada?

.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

se joga, povo

Bom, já que ninguém vai mesmo passar por aqui esses próximos dias (nem eu)...
Bom carnaval!
;)
.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

one more moment in time for Whitney



Eu achei que merecia mais um post... Até porque eu esqueci de linkar esta canção no outro. Definitivamente, muito triste.


P.S.: E o povo ainda vem me amolar por causa de dubladora de playback, francamente.
P.S.2: Como eu amo, amo, amo música e como eu invejo, invejo, invejo quem tem o dom pra isso.
.

domingo, 12 de fevereiro de 2012

we'll always love her

Qualquer um que viu o auge de uma artista com A maiúsculo como Whitney Houston com certeza vinha torcendo por sua recuperação e esperando seu retorno triunfal, por mais distante que essa realidade parecesse.

É muito, muito triste pensar que lá se vai mais uma voz e um talento do tipo que não mais se vê por aí.

Descanse em paz mesmo, Dona Whitney. Falei pouco de você por aqui neste blog, mas sabe Deus o quanto sua música embalou momentos importantes da minha vida. Músicas como esta e esta, pra citar só duas, dentro dessa sua obra tão marcante.

:/


P.S.: Alguém que sempre falou muito da Whitney em seu site é o Phelipe Cruz, do "PapelPop". Não me surpreende, portanto, que o post que ele fez sobre a morte da cantora tenha sido o mais bonito que eu vi até agora. Vale a leitura.
P.S.2: Sim, eu gostava muito dessa e dessa também, muito.
P.S.3: E pra não esquecer:

"I decided long ago, never to walk in anyone's shadow
If I fail if I succeed
At least I'll live as I believe
No matter what they take from me
They can't take away my dignity."
.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Projeto Elma

Sexta-feira, verãozão, carnaval chegando, e os convites pra eventos e coisas do tipo pipocam a todo momento, o que é muito bom. Um único cuidado que se tem de ter nessas horas é o de, diante de tantas opções, não cair num Projeto Elma. Não sabe o que é Projeto Elma? Sabe sim, só não sabia que tinha esse nome.

Uma das várias expressões que eu aprendi nos meus bons tempos de Tom Comunicação foi justamente "Projeto Elma". Que nada mais é que aquele programa muito errado em que você se meteu ou pode se meter porque não saiu fora a tempo. Projeto "é uma furada".

O Projeto Elma geralmente vem em forma de algum tipo de convite que você fica sem jeito de recusar. É aquele almoço de domingo em família (dos outros) na hora que você preferia estar dormindo, aquela "festa" de aparências na noite em que você só queria se jogar na pista de dança, é aquela formatura do seu amigo no curso de Gestão da Rebimboca bem na hora em que tudo o que você realmente precisa é assistir uma novelinha descompromissadamente depois de um dia cansativo de trabalho.

Eu passei praticamente a vida sendo assim, topando esses programas medonhos por educação. Mas desde que me tornei um badass ano passado parei com isso. Não é por maldade, não é que eu não aprecie a atenção da pessoa em me convidar (vamos combinar que às vezes esses convites são feitos só de sacanagem mesmo, mas enfim). É só que eu não tenho mais idade pra ficar perdendo tempo com coisas, sei lá. Não tenho mais saco pra isso.

Há algumas semanas me lembrei de uma pérola da sabedoria que resolve o problema do Projeto Elma com precisão e finesse: Se você for convidado pra um desses, faça a Phoebe Buffay e diga "I wish I could, but I don't want to". O vídeo abaixo, de onde saiu tamanha sensatez, é um bom exemplo de como surgem esses convites pra Projetos Elma (e, claro, de como escapar deles com classe).



Enfim, tudo isso só mesmo pra explicar o termo pros amigos que me ouvem falar "Projeto Elma" e ficam sem entender. Fiquem atentos pra não se meterem em furadas, hein!

Ótima sexta-feira, ótimo final de semana!
E, lembrem-se, divirtam-se de verdade, e não por educação.
:D


Update em 11/02/12:
Aqui
, o relato real de um Projeto Elma daqueles.
.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

suburbanismos

Porque até as maiores musas inspiradoras têm seu dia de suburbanas. Luma do céu, como assim, minha filha? E Ísis, mulher, você já foi tão fina, que body estampa bombom Garoto do fundo da caixa é esse? O Clooney viu isso?

Para, gente, tem que ver isso aí, tá certo não.
.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

amor e sexo, o filme

Na correria por aqui, pra variar. Mas só pra não deixar essa feia dessa Birolli com esse erro dessa capa da Uma aí bem em cima, vou aproveitar pra indicar um filmezinho. Velhinho, mas tão fofo.

Assisti "Love & Sex" ("Amor aos Pedaços") pela primeira vez em 2006, ano oficial dos tocos na minha vida (ah, se este blog já existisse naquela época...). É provavelmente minha comédia romântica favorita porque ela não fica muito na melosidade. Pelo contrário. É um desses filminhos, mas a protagonista é adulta, o "drama" é mais fácil de se identificar.

Dá pra assistir se você estiver apaixonadinho (te dá uma situada) ou se estiver amarguradinho (te dá uma reanimada).

Fora que adoro o casal protagonista.

Enfim, quando estiverem de bobeira aí, assistam.
Besos!
.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

amor verdadeiro, amor eterno

Achei muito curioso que num dos seus últimos posts, falando sobre a experiência de ser um recém-separado, meu amigo Edu conta que quer assumir a solteirice, mas que pra isso precisa de "uma certa independência, esteja sozinho ou acompanhado." E conclui sabiamente que "é mais saudável assim."

O que há de curioso nisso? Na decisão do Edu (muito certeira, por sinal), nada. Curioso é eu me encontrar exatamente no outro extremo, pensando em me deixar apaixonar de novo -- mas decidido que pra assumir isso preciso justamente de "uma certa independência, esteja sozinho ou acompanhado, porque é mais saudável assim."

De todas as coisas que me passaram diante da possibilidade de me envolver de novo num relacionamento (ou simplesmente, de me declarar apaixonado de novo, independente de compromisso), a que mais me martelou é que o grande desafio agora será estar com alguém, ou gostar de alguém, sem me anular; Sem deixar que meus projetos, meus likes e meus deslikes, meus amigos e meus sonhos passem para um segundo plano.

Mais do que (simples, mas não facilmente) abrir o coração de novo depois de tamanha decepção, a grande tarefa será viver um romance sem deixar de ser eu mesmo, sem deixar de ter minha autonomia. Preocupar-se e ser atencioso com o outro sem deixar de cuidar e de gostar de mim.

Sei que não é muito fácil ser racional ou lógico quando se há sentimento envolvido (ainda mais esse tipo de sentimento, que faz tão bem). Mas a vida é isso aí, é aprendizado constante. E seja solteiro ou comprometido, o importante é que a gente, cedo ou tarde, aprenda a ser feliz e a se valorizar sozinho, pelo que é e gosta. Independência é mais que conseguir pagar as próprias contas. Independência é estar bem de verdade, não importa se sozinho ou acompanhado. E amor verdadeiro, amor eterno mesmo não existe sem amor próprio.

Boa sorte pro Edu e pra mim, seja lá o que acontecer.
Boa semana a todos!
.

domingo, 5 de fevereiro de 2012

MDNA

Grande Madonna, mais jovem do que nunca e cheia de energia, lançando seu tão aguardado (zzzZZzzZzzz....) novo álbum.

You go, old girl!


P.S.: O que eu gostaria de ter dito se fosse suficientemente inteligente para não apenas escrever um post de xoxação:

1) "roubado" do Face do sempre sábio D. Santos:
"Ao ver o clipe ridículo de 'Give me all your luvin' e a presença forçada de Nicki Minaj e M.I.A. nessa música para ter alguma posição na Billboard, vc percebe que Madonna só fez essa música estilo Avril-líder-de-torcida para se apresentar no Superbowl. Aliás, não sei qual desses clipes tem a produção mais fundo-de-quintal: GAYL ou 'The edge of glory', da Gaga. Me dá cinco reais, que eu faço um clipe melhor."
2) O post do querido Rafa Morello (clica aqui).

E só pra fechar, depois de ler vários argumentos inteligentes no Face e Twitter do tipo "nhé, se não gosta não ouve e não comenta, pronto!", cheguei à conclusão de que nesta altura dos seus 60 anos Madonna está certíssima em bancar a Avril Lavigne, uma vez que seus fãs mais insuportáveis se comportam como pré-adolescentes mesmo.
.

oh-oh

Oh, dear God, I guess I'm cheese sandwiching.
.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

coração leviano

Link
É o que temos pra hoje. Considerando que há poucos dias escrevi este outro post, penso que ao menos o desejo de se romper a barreira já está aí.

Desejo bom fim de semana a vocês.
.

seria fácil se tudo encaixasse direitinho

"O Humberto Explica". O nome desse blog, vocês já devem saber, surgiu completamente por acaso, dentro da tarefa que eu tinha de criar um conceito (e um nome) em um minuto. Mesmo que a ideia inicial fosse tentar solucionar as "grandes questões" das minhas amigas, eu nunca realmente me atrevi a explicar qualquer coisa, Deus me livre disso.

Também não é um "Humberto explica" como se eu tivesse de estar dando explicações, sobre tudo a meu respeito (a quem importaria isso?).

Fato é que às vezes me pego pensando no quão curioso é isso de eu ter um blog (de quase cinco anos!) com esse nome. Justo eu, que tantas e tantas vezes me sinto tão incapaz de expressar o que vai na minha cabeça e no meu coração.

Nos últimos dias andei muito ansioso, com crise de gastrite e tudo o mais. Tudo por conta da avalanche de coisas acontecendo na minha vida. Muita gente envolvida nessas coisas. E uma certeza de que eu não tenho como explicar a cada uma o que se passa. Porque nem eu sei o que se passa.

E talvez, sim, este post seja uma tentativa de explicar isso. Ou é só um desabafo mesmo, pra dar uma respirada e me situar, lembrar que a vida segue e que não depende só de mim pro mundo continuar girando.

Menos, Humberto, menos...

Boa noite/bom dia.
.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

hey DJ!

Sabe aquelas pessoas que só conseguem correr ouvindo música? Pois é, sou uma delas. Preciso da batida da canção pra me animar a ir mais longe.

O problema é que eu enjoo rápido das que tenho, daí acabam perdendo um pouco o efeito. E quando é hora de baixar algo novo nunca lembro de nada que seja realmente bom para me estimular a correr mais.

Por isso, num gesto de umbigo-centrismo descarado, estou aqui pedindo a você, querido leitor e amigo, que doe cinco músicas boas pra correr. Vamos lá, são só cinco!

Tudo que você tem que fazer é dizer aí nos comentários o nome de cinco músicas. Se dez leitores bacanas fizerem isso já são 50 novidades no meu setlist, já melhoraria consideravelmente a coisa.

E vale de tudo. Eu só não curto muito batida de boate pra correr (na verdade me cansam mais, exercício mecânico com música mecânica, me sinto uma rebimboca da parafuseta). Gosto de música com batida boa, mas com letra, porque aí me jogo e esqueço inclusive que tô correndo.

Deixo aí no P.S. cinco exemplos de músicas que me põem pra acelerar. Mas, insisto, vale tudo de sugestão.

Thanks a lot, sorry pela cara de pau. Espero que o post sirva, pelo menos, pra incentivar todo mundo a correr um pouco também, já que corrida, apesar de cansar um pouco, faz realmente muito bem.

Besos!
.

P.S.: Bora correr?
1) "The nightless night", do Husky Rescue;
2) "Fell in love with a girl", do White Stripes;
3) "I don't know anyboy else", do Black Box;
4) "Dashboard", do Modest Mouse;
5) "Everyday I love you less and less", do Kaiser Chiefs.
.