quarta-feira, 28 de agosto de 2013

pai também só tem um

Uma coisa que sempre, sempre mexe comigo e que quase sempre me faz chorar é cena de pai e filho (ou filha ou filhos). Acho uma sacanagem sem tamanho o quanto ao amor paterno é dada menor importância. Eu entendo que a mãe carrega o filho dentro de si por nove longos meses, eu não conseguiria nem avaliar o tipo de ligação que isso cria entre a mulher e sua cria, mas entendo que isso não minimiza a beleza e a grandeza do sentimento do pai pelo seu filho. Não fosse o pai nem haveria filho.

Já falei aqui no blog sobre o quanto desmerecem o amor paterno e sobre essa ideia errada que ainda existe de que ao pai cabe apenas prover o necessário para que o filho tenha alimentação, conforto, educação. Esse tipo de entendimento torto priva pai e filhos de uma relação que só pode fazer bem aos dois.

Uma outra coisa que me fez pensar nisso de que privam os pais do carinho e das demonstrações de afeto foi o comentário de uma aluna de 12 anos, enquanto falávamos sobre telefonemas. Ela perguntou por que todo mundo só liga pra mãe (e, quando muito, pede pra ela mandar um abraço pro pai). Eu fiquei sem resposta. E um tanto chateado, confesso.

Pra completar, hoje cedo acordei com a notícia e o vídeo de jovem pai sírio reencontrando seu filho, que ele acreditava ter morrido naquele ataque pavoroso na Síria. Assistam (vocês já devem ter visto). Como ver uma cena dessas e achar que dá pra pensar que um dos pais pode amar mais o filho, apenas pelo gênero? Amor não tem gênero. Eu nem preciso ser pai pra saber disso (bastou ser filho).

Acho que talvez não vá ter um outro filho na vida (eu tive meu Neném, lembram?). Mas tenho minhas sobrinhas (e sobrinhos, e alunos). Já tenho por elas esse sentimento incondicional. Espero que elas saibam que eu sempre estarei por perto. Então vou acabar sendo pai, de alguma forma. E eu até gosto da ideia.


7 comentários:

Tô Ligado disse...

EMOCIONANTE!!!!

Concordo com suas palavras.

wair de paula disse...

não tive filhos - mas tenho afilhados. e com todos tenho uma relação de paixão - e é recíproca. e os pais curtem isto, sem ressalvas. O amor paterno se manifesta mesmo em quem não é pai de fato...
abraços.

Alan Raspante disse...

Seria bacana se esse conceito mudasse, mesmo. Afinal, como tu mesmo disse: amor não tem gênero.

Aliás, nem sei se vale o registro, mas eu tinha uma relação melhor (como se fosse minha "mãe" mesmo) com o meu pai do que a minha mãe, então...

Alan Raspante disse...

p.s.: VOLTA A POSTAR, HUB!

Edilson Cravo disse...

Humberto:

Maravilhoso seu texto. Maravilhosa a maneira como se expressa e traduz a sua emoção em seus textos...amo vir aqui.

Beijo querido.

Homem, Homossexual e Pai disse...

muito bom isto que escreveu! o que é negado aos pais! e mesmo sendo pai solteiro muitas vezes tive que brigar para poder exprimir meus sentimentos! ei, mas não desiste de ter mais filhos! vc esta prontissimo! abs

Luisa disse...

sempre penso nisso tb, humbert! inclusive, já pensei que se um dia eu fosse editora de moda, faria um ensaio de modelos com seus pais. acho lindo a relação entre pais e filhas!