domingo, 24 de novembro de 2013

pra se guardar numa caixa de sapatos

Este é um post escrito pelo celular. Uma primeira tentativa. Portanto, saudosos leitores, peguem leve comigo nisso que pode ser o retorno do blog (vamos ver se vai).

"Mas resolveu tomar vergonha na cara e escrever por quê, Humberto?" Porque duas coisas hoje me deram vontade de escrever. A primeira foi essa imagem aí na foto. Passei por esses três amigos bem cedo, enquanto ia trabalhar. Numa manhã fria e chuvosa, no minuto que vi o Sr. catador dormindo no chão, além da tristeza que me dá ver essas coisas, me chamou a atenção o fato de que o moço, mesmo vivendo nessas condições, se deu ao trabalho de arrumar uma caixa pros seus cães. Um deles pelo visto preferiu dormir ao lado de seu cuidador. 

Eu nem queria fazer a foto (acho que é muita invasão), mas como ele estava com o rosto coberto,  achei que valia o risco (a indelicadeza). Além do mais, só queria registrar a relação de companheirismo. Acho uma as coisas mais bonitas do mundo (ainda que sofrida) a lealdade de cães (e já vi gato) de quem vive nas ruas. E aqui nesse caso achei ainda mais lindo ver o cuidado do senhor, mesmo nessas condições, com seus companheiros. 

Amigo dá abrigo, amigo apoia e protege. Quem tem um sabe o quanto isso ajuda a seguir em frente e a viver bem a vida. 

O dia começou com esta imagem e terminou com o encontro com dois amigos que conheci graças a este blog (com direito a presente de um terceiro amigo leitor daqui). Por isso pensei que merecia um post. Vivemos em tempos de relações cada vez mais virtuais, ou curtas e cheias de condições. Mas a boa e velha amizade, acredito, pressupõe estar ao lado dos verdadeiro amigos na situação que for, fazendo o possível pra tocar bem o barco e respeitando as fraquezas e forças de cada um. Porque é assim que se cresce. Só assim é bom. 

Obrigado aos amigos queridos que estiveram comigo hoje, mesmo que apenas por um "boa tarde". Obrigado à amiga rycah que me ouviu de madrugada enquanto chegava em New York. E muito obrigado a vocês amigos leitores, que ficam na torcida pela volta do blog. Acho que agora, aos poucos, finalmente vai. :-)

Beijos

6 comentários:

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Seja bem vindo novamente ... Um post rico e de enorme sensibilidade ... não considerei invasão de sua parte, pois a intensão era a de registrar o carinho do rapaz para com suas criaturinhas ... Beijo grande ...

Latinha disse...

E você venceu o corretor ortográfico do celular! ;-) Se você não falasse eu nem notaria que escreveu pelo celuleco...

Eu sou coração mole para animais e sempre me chama a atenção o cuidado que essas pessoas tem com esses bichinhos. Em Brasilia, tinha um senhorzinho que era conhecido pelo cuidado com os cachorros que o acompanhavam... Enfim, coisas para se pensar!

Muito legal, e de grande sensibilidade o post, me lembro uma época que eu era voluntário... sempre voltava pensando em alguma coisa para casa...

Abração. E que venham mais postagens! ;-)

Eduardo de Souza Caxa ש disse...

Você é supimpa!

Tô Ligado disse...

Olha aí você de volta!

Seja bem vindo.

wair de paula disse...

Relações virtuais podem virar relações efetivas - depende das gente, não é? Eu decidi abrir a guarda e escancarar as possibilidades de novas amizades. Por enquanto, dos três oh quatro que conheci "ao vivo", todos foram muito válidos e promissores. Desejo o mesmo para vc. Forte abraço!

Alan Raspante disse...

Que bom que retornou! Que as visitas sejam mais frequentes, rs

E quanto à imagem: sim, que foto (ou seria momento?) maravilhoso! Eu não sei muito bem o que pensar sobre a situação dele (porque sempre me pergunto como uma pessoa pode viver na rua. Quer dizer, como, afinal, ela chegou ali?), mas o mais incrível é o fato do cachorro não abandoná-lo.

E ainda, nós, somos os racionais.

Ok, ficou meio sem nexo o comentário, mas é isso, rs