quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

pato fu




O conto "Imagem", parte do livro "Tremor de Terra", de Luiz Vilela, sempre me vem à cabeça. Sobretudo o final do conto. É sempre o mesmo soco no estômago.

O problema, acredito, está no sempre. Se são dez anos desde que o li o conto, são dez anos adiando uma solução. Que pelo visto requer mais coragem (mesmo) do que a cara de pau a la João Grilo que sempre me ajudou a sobreviver.

Se viver é apenas sobreviver mesmo eu vou descobrir. E se não for, eu vou buscar meus próprios parâmetros. Não tenho energia mais pra viver segundo os dos outros.

Se me estrepar pelo menos vou ter tentado compreender. Seguir sem saber o que tô fazendo eu não consigo mais. Não consigo mais.






4 comentários:

Eduardo de Souza Caxa ש disse...

Se joga! Vira o disco e bota um "it's now or never" pra tocar!

devaneadora disse...

Tava passeando acabei caindo aqui e adorei, não li ainda "Tremor de Terra", de Luiz Vilela mas me interessei pelo que você falou. Espero que saia do dilema entre achar a solução e adiar mais um tempo. Acho que tudo tende a acontecer com algum propósito e nesse adiamento todo você absorveu algo que fez de você alguém diferente e até mesmo melhor.


Adorei seu blog, andei lendo outros pots. Espero poder voltar.

Bekigirl

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

qdo seguimos nossos parâmetros nunca nos estrepamos querido ... bendito o dia em q me apercebi disto e me atirei ...

Tô Ligado disse...

Bom saber que ainda existe lugar para boa música...