sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

depois daquele beijo

http://ohumbertoexplica.blogspot.com.br/p/blog-page_1.html

Vivemos todos pra ver este beijo.

Um primeiro beijo encenado que foi tão esperado e tão emocionante e inesquecível como nosso primeiro beijo na vida.

Abençoados os que entendem a importância desta cena histórica que assistimos esta noite, na televisão brasileira.

Mais do que nunca, um beijo pra vocês todos, meus amigos!
:-)



under pressure



O tipo de show que lotava estádio em 1992. Não há nem o que dizer sobre a potência do talento de Annie Lennox mais David Bowie juntos, homenageando Freddie Mercury.

Já me arrepio só de assistir pelo Youtube, imagina o que deve ter sido para quem estava lá.

Quem quiser assistir o show completo, taí abaixo.

Bom fim de semana pra vocês, boa sorte, bom tudo.


um belo rosto, não mais um cabide

Até que enfim uma modelo cuja cara me diz algo. Emily DiDonato. Guardem o nome dessa mocinha que me lembra a Kelly LeBrock dos bons tempos.

Que seja o fim da era dos cabides sem rosto nem personalidade no mundo na moda. Que seja pelo menos um começo.


Rachel II

 
"Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os frios na barriga do mundo."


terça-feira, 21 de janeiro de 2014

rolezeiras

Durante o dia de ontem vi que tava rolando um vídeo com as "rolezeiras". Acabei só tendo a chance de assistir bem mais tarde (agora há pouco, de madrugada), porque o tal vídeo foi postado no Facebook de um amigo querido meu. Já tinha feito tudo o que precisava, então resolvi dar uma olhada.


Não sei exatamente qual foi a reação das pessoas nem o tipo de comentários nos Twitters da vida (mas posso avaliar). Só sei que eu não vi NADA de anormal. Muito pelo contrário. 

Mesmo com aquele enfoque tendencioso que só o U-O-L pode dar (mentira, Folha, Jornal Nacional, TV Fama, todo mundo sabe escrotizar legal), achei que as meninas se expressaram muito bem. Achei que foram muito bem articuladas (OK, "barraram nós", mas culpem o lixo que é a educação brasileira antes de caírem de pau nas meninas), muito esclarecedoras e, sobretudo, muito simpáticas. Já quero ser amigo de todas! (na verdade, na minha idade eu conseguiria no máximo ser o "tchitcher" delas, mas tenho certeza que seria divertido assim mesmo). Gostei até do look com Melissa. Adorei a primeira que se apresenta e achei a segunda linda, linda.

Tenho certeza que todo mundo já teve a oportunidade de ler bastante sobre os chamados "rolezinhos". Espero que todo mundo tenha tido a oportunidade de ler análises inteligentes. Espero mais ainda que alguns tenham se dado ao trabalho de ouvir o lado desses adolescentes (como o vídeo, de alguma forma, faz).

Nessa história toda, além da maneira medonha como esses meninos foram expulsos dos shoppings, o que mais me enojou foram algumas opiniões que eu fui obrigado a ler nas redes sociais. Francamente, penso que ninguém é 100% desprovido de preconceito, mas eu não sou obrigado a conviver com gente escrotamente racista em pleno século XXI. Mas não mesmo.

Enfim, a ideia deste post era só dizer que eu achei as rolezeiras bacanas. Vale deixar aqui também este artigo da sempre perfeita Eliane Brum (pode clicar que dessa vez é um texto "curto"). Porque é legal entender os "rolezinhos" pela perspectiva das garotas, mas é imprescindível que se aproveite a discussão pra refletir sobre e procurar mudar tudo isso que continua muito errado nesse Brasil da Copa. Por enquanto não dá nem pra se divertir sossegado.

"Oi gatas, tudo bom, posso conhecer vocês?" 
:-D

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

I ❤ Lupita

Este blogueiro está apaixonado por Lupita Nyong'o. Completamente apaixonado. 

É muita beleza, carisma e, sobretudo, talento. Pra me entenderem, basta assistir ao excelente "12 Anos de Escravidão" (e tem o Fassbender, que está/É ótimo também).

Pra saber mais da Lupita é só dar uma googlada (ou começar por este artigo aqui ou, se o inglês estiver em dia, esta entrevista à Vanity Fair aqui).

E pra se maravilhar com sua beleza é só apertar o play.


Bom dia pra vocês.


Update delicioso!:
Este post foi programado. Olha que coisa mais linda eu acabei de ver agora:



Se eu amo?

sábado, 11 de janeiro de 2014

get Demarchelier on the phone

O ano já começou há dias, mas aqui estou eu, só agora, tentando fazer este blog voltar à ativa. Eu até já tinha um outro post lenga-lenga pronto, pra falar pela enésima vez que eu vou parar, mas aí eu vi a capa de janeiro da Claudia e lembrei porque eu continuo tendo um blog. Afinal, onde mais eu poderia desabafar sobre tamanha aberração (sei que ninguém me aguenta mais falando sobre revista, mas sorry, ainda me dou ao trabalho).

Enfim, vi a capa da Claudia na internet e não acreditei. Na verdade, até eu dar de cara com ela numa banca perto de você eu tava torcendo pra ser fake. Mas era a real. "Mas, Humberto, a capa tá bonita. Alguma coisa tá esquisita, mas tá bonita." Bonita tá, não tem como ter Gisele na capa e não funcionar (essa diagramação -- disgramação -- tá meio cagada também, vamos combinar). O que pega, e talvez explique o estranhamento, é essa foto. A Claudia usou, pra sua primeira capa no ano, uma foto da Vanity Fair. DE DEZ ANOS ATRÁS!!! DEEEEZ ANOS ATRÁS! 

Gente, não há o que justifique isso. Desculpa, mas não há. Usar foto dos outros, OK. Sempre rola. A Nova fazia muito isso nos anos 70 e 80 (e com fotos da própria Cosmo, que haviam sido originalmente publicadas poucos meses antes). Mas em pleno 2014, vem a revista feminina mais bem sucedida da Abril e me solta uma capa dessas, gente, não pode. Não pode e pronto.

O que me mata é a escolha. Queriam Gisele?, OK. Queriam foto comprada?, OK. Mas precisava ser tão velha (e conhecida) assim? Gente, cadê respeito? Pela revista eu sei que já perderam faz tempo, mas pelos leitores, por que não? 

E cadê respeito até pela Gisele (aliás, muito me admira os agentes dela terem permitido uma coisa dessas). Gisele nem tem essa cara mais. Ela era namorada do Di Caprio ainda na época, pra se ter ideia de quanta água passou por debaixo dessa ponte depois disso. A Gisa hoje é uma mulher mãe de dois filhos, o rosto dela é outro. Será que não rolava negociar um patrocínio com a Pantene pra uma foto exclusiva, neste momento em que a Gisele se tornou o rosto internacional da marca? Como pode, Claudia, francamente?

Achei o cúmulo de tudo, da preguiça, do desrespeito, da pobreza. Se continuarem com essa boa vontade toda, já prevejo algumas capas bem bacanas pra revista este ano:

"Marina Ruy Barbosa revela os segredos pra se ter 
o cabelo mais lindo da novela (Belíssima, de 2005)"

"Os bastidores de um dia de trabalho de Isabelle Drummond
 (nos tempos do Sítio do Pica-pau Amarelo)"

 "Say My Name: (difícil, porque não tá dando
 pra saber se é Beyoncé ou Predador)"

"Crescida e agora mulher, Sandy conta a Claudia que será uma boa mãe, pois tem experiência cuidando de alguém que depende dela."

"Like a Wrecking Ball: Marco Antonio de Biaggi ensina 
com exclusividade como ter o cabelo de Miley Cyrus."


SSaê Claudia, tá no caminho certo!


P.S. Tosco: Não consigo deixar de imaginar a diretora da Claudia falando com a Emily dela: "Liga pro Demarchelier, pede umas foto emprestada."